Higiene pessoal no camping: Como realizar os cuidados com o corpo em ambiente outdoor

Quando estamos na cidade, temos o hábito de manter nossa higiene pessoal dentro do mínimo aceitável. Hábitos simples de nosso cotidiano urbano, como tomar banho, lavar as mãos e escovar os dentes, estão entre as principais atitudes preventivas para o bem-estar. Além de significar asseio, também é importante para a saúde pessoal manter a higiene dia após dia, pois assim o corpo consegue evitar uma série de males prejudiciais à saúde.

Com o crescimento do interesse em trekkings de longa distância, cuidar da higiene pessoal em ambiente outdoor é uma atividade estratégica para conseguir finalizar com relativo sucesso determinado desafio. Portanto, entenda como higiene corporal o conjunto de cuidados essenciais que devemos ter com nosso corpo, pois evitam que micróbios e outros seres vivos, como vermes, penetrem no nosso corpo e nos causem doenças. Pode parecer clichê a afirmação, mas é por meio da higiene pessoal que ficamos fortes e saudáveis.

Mas e na trilha?

Quem pratica trekking regularmente sabe que na trilha, “limpo” é um termo relativo. Todos possuem um caso para horrorizar o “amigo mauricinho” ou a “prima patricinha”, fazer rodízio das roupas íntimas virando-as do avesso, a “regra dos três segundos”, entre outras histórias. Caminhar em um trekking é uma questão de compromisso, e para isso o praticante compromete o que significa “limpo”. Especialmente na cidade.

Fazer com que uma pessoa aprenda a sentir-se confortável com um estado de higiene mais relaxado, requer tempo e experiência. Este artigo é feito para quem quer evitar alguma contaminação e, se possível, possibilitar o convívio com outras pessoas que não fizeram o trekking que acabou de fazer.

Para elaborar este artigo, foi levado em conta “o caminho do meio”. Isso quer dizer que não foi considerando tudo sujo e necessário esterilizar (como tomar vários banhos por dia), nem tampouco ignorar qualquer regra básica de higiene pessoal para glamorizar o estilo “homem das cavernas”.

Fundamentos de higiene pessoal em ambiente outdoor

O grande segredo para garantir o mínimo de higiene pessoal é saber montar a mochila com itens básicos. Entenda por itens básicos aquilo que não pese excessivamente na sua mochila e que, preferencialmente, caiba dentro de um nécessaire.

Itens como shampoo, espelhos, produtos não biodegradáveis, barbeadores, sabonete líquido industrializado, condicionador gel de cabelo, acetona, cotonetes, água de rosas, maquiagem, guardanapos, lenços de papel, etc, não são fundamentais para um trekking, hiking ou mesmo camping (considerando que está acampando em ambiente natural, e não em m local estruturado).

Portanto, considere para colocar na seu nécessaire itens como sabão ou sabonete biodegradável, álcool em gel, pasta de dentes, pente, papel higiênico (com sacola plástica para recolhê-lo), protetor solar, lenços umedecidos (no caso de lugares frios), shampoo em pó, absorvente interno (no caso das mulheres) e desodorante antiperspirante (preferencialmente sem cheiro).

Álcool em gel?

Um dos itens mais polêmicos de higiene pessoal para quem vai a ambiente de montanha, é o uso de álcool em gel. O álcool em gel para as mãos é uma maneira compacta e leve eliminar o contágio por germes. Especialmente quando for cozinhar. Geralmente quem pratica trekking constantemente culpa alguma água que tomou na trilha em alguma infeção que adquiriu na atividade. Pois na maioria dos casos, não é a água, mas o manuseio com asa mãos infectadas nos alimentos.

O hábito de coçar os olhos, colocar a mão na boca, entre outras coisas, também é uma boa porta de entrada para quem possui organismo com resistência fraca. Além das mãos, o álcool em gel serve também para esterilizar os utensílios de cozinha, alfinetes (no caso de tratar bolhas nos pés) e também esterilizar pequenos cortes no corpo.

Claro que não deve-se apostar em um recipiente de um litro, pois isso irá pesar na sua mochila depois. O recomendado é um pequeno frasco para ser usado com prudência e inteligência. Uma gota de álcool em gel já é suficiente para esterilizar maioria dos germes, sem a necessidade de superdose.

Lenços umedecidos

Quem não gosta de tomar banho em água fria, possui a lei de que “se não existe água quente, o banho é opcional”. A partir de vários dias, esta lei começa a afetar as pessoas à sua volta, especialmente nas dobras, virilhas e pés. Qual o melhor remédio para uma pessoa que não quer, ou não pode, tomar banho?

A solução é relativamente simples: lenços umedecidos. Em embalagens pequenas, proporcionam a sensação de frescor e limpeza e podem ser carregados facilmente, para garantir a higiene e limpeza, o que contribui em muito para a saúde. Os lenços umedecidos agora são fabricados por diversas marcas (não apenas a marca que deve ter pensado agora, que foi a pioneira no mercado), atendendo a diversas utilidades, tais como: refrescantes, antissépticos, com repelentes para insetos, íntimos, com água mineral micelar e papel higiênico umedecido.

Os lenço úmido é mais espesso, resistente, macio e suave do que o papel higiênico tradicional, promovendo uma melhor higiene. Porém deve ser recolhido assim que for usado e depositado devidamente no lixo. Por esta característica é que deve ser usado com inteligência (igual ao álcool em gel). Para a higiene íntima, os lenços umedecidos são muito práticos e eficientes, conferindo à pessoa a assepsia e refrescância necessárias.

Os lenços úmidos precisam ser guardados em local que esteja longe da luz solar direta e dentro de sua embalagem fechada, para que não sequem. As embalagens precisam ser do tipo que facilita o fechamento correto depois do uso. Não devem ser utilizados quando a pele estiver irritada, com cortes e arranhões, por exemplo, ou em quem tem alergias.

Apesar de alguns fabricantes afirmarem que os lenços são biodegradáveis, eles não “derretem”instantaneamente e por isso devem ser recolhidos e depositado em lixo apropriado.

Sabão ou sabonete biodegradável?

A esta altura já deve saber que um produto biodegradável, significa que se decompõe sem danos à natureza. Após cumprir a função que lhe foi destinada, o produto se desintegra em partículas absorvidas pelo meio ambiente em pouco tempo.

No mercado informal é conhecido como “sabonete natural”, “artesanal” ou “vegano”, apesar de nem todos serem 100% biodegradáveis. É muito importante verificar os materiais dos produtos, que contenham nenhum produto industrializado, como, por exemplo hidratante. Portanto, privilegia qualquer sabão ou sabonete biodegradável com bases (glicerina, óleo…) em matéria-prima vegetal.

Isso porque o que impacta a natureza são os detergentes, os quais possuem uma classe de compostos chamados tensoativo (substâncias que diminuem a tensão superficial ou influenciam a superfície de contato entre dois líquidos). Esta substância além de demorar muito para ser degradado (mesmo quando dizem que é biodegradável), causa um impacto considerável, além de gerar espuma.

A “receita” para encontrar um sabonete biodegradável passa pela conversa do preparador. A primeira coisa a ser feita é a fórmula, que combina os ingredientes de acordo com o tipo pele. Com a fórmula pronta, é preparada a mistura de óleos essenciais (óleos vegetais em sua maioria orgânicos).

Roupas

Usar roupas que secam com facilidade, para serem lavadas rapidamente, é um segredo que todo praticante de trekking deveria saber desde o berço.

Portanto, o sabonete biodegradável serve para que as roupas passem por uma limpeza básica, sem prejudicar o meio ambiente.

O ideal é lavar no início da noite, para que seque durante o seu período de sono.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.