Como descobrir o comprimento real de uma corda de escalada

Como abordado aqui em um artigo sobre encolhimento de cordas de escaladas usadas, não necessariamente o número do comprimento que os fabricantes nos indicam na ponta da corda é real. Na verdade é apenas uma referência. Além disso, há um detalhe muito importante: as normas e certificações já contemplam essa distorção.

Desde o processo de fabricação até o processo natural de envelhecimento do material, mesmo através das condições ambientais, as cordas dinâmicas sofrem alterações no comprimento. Exatamente por isso que nunca se deve confiar 100% no valor indicado pelo fabricante. Por este motivo também que não devemos levar ao limite nosso equipamento. É necessário haver sempre uma margem de segurança para o seu uso.

Caso alguém tenha curiosidade de fazer um levantamento, há um número considerável de acidentes de escalada por ter o (a) escalador (a) se equivocado com o tamanho da corda de escalada e acabou sofrendo um acidente. Por mais que os ignorantes queiram esconder os acidentes e alguns fatos a respeito deles, eles existem e devem ser motivo de reflexão de quem pratica a escalada.

Por este motivo é que manutenção e inspeção periódicas em equipamentos de escalada são fundamentais. Quanto mais omisso for o praticante neste aspecto, mais perto estará de sofrer um acidente. Além da inspeção, é importante o praticante de escalda saber como é fabricado aquele equipamento que está usando. Sabendo suas origens, saberá quais suas debilidades.

O fabricante pode errar

Para começar a entender como medir a longitude de uma corda de escalada é preciso saber como ela é preparada para a venda, pois o processo de cortar a corda na fábrica não fornece uma distância exata. Além disso, a marcação do meio da corda pode ter um erro de precisão, que em alguns casos pode chegar a ser de até um metro.

Isso quer dizer que toda corda de escalada está com longitude ou marcação de meio erradas? Não! Significa que o processo de corte está sujeito a imprecisões, por esta vulnerabilidade de fabricação é bom procedimento de todo (a) escalador (a) verificar se a corda possui as medidas indicadas.

Além disso, a corda de escalada vai progressivamente se encurtando. Não há motivo para se preocupar e denunciar ao PROCON ou no site Reclame Aqui os fabricantes de cordas de escalada. O que se deve fazer é aprender que na fabricação em larga escala essas alterações ocorrem. Portanto, é importante aprender um provérbio russo : “Confie, mas confira.”

Qual é o real comprimento da corda na hora da compra?

Uma linha de produção (também conhecida como linha de montagem) é uma forma de produção em série, na qual vários operários, com ajuda de máquinas, especializados em diversas funções específicas e repetitivas, trabalhando de forma sequencial, chega-se a um produto semiacabado ou acabado. Esta metodologia foi concebida pelo empresário norte-americano Henry Ford para a fabricação dos automóveis Ford no ano de 1913.

As cordas de escaladas que compramos nas lojas habituais são fabricadas em linhas de produção e armazenadas em grandes bobinas de 200 metros de corda. Para cortar estes grandes trancaços nos fragmentos que usam nos escaladores, geralmente de 50 a 80 metros, a corda é passada através de rolos que a desenrola e a move para o ponto em que você deseja cortar.

Como as cordas dinâmicas são muito elásticas, nesse processo de desenrolar e cortar, há um certo alongamento da corda. Este alongamento introduz uma incerteza na extensão de até 4%. No entanto, a maioria dos fabricantes garante que, no momento da compra a corda tem o comprimento nominal anunciado na corda.

Isso significa que, quando compramos uma corda de escalada de 50 metros, ela medirá pelo menos 50 metros e no máximo 52 metros. Por que 52 metros? Abaixo estão os valores correspondentes de incerteza de 4%:

Comprimento Valor incerteza
50 metros 2 metros
60 metros 2,4 metros
70 metros 2,8 metros
80 metros 3,2 metros

O escalador mais distraído, ou mesmo aquele que tem o costume de perder a atenção diante do problema principal, deve estar se perguntando: “Por que devo me preocupar, se estou recebendo mais corda do que o valor que paguei? Não estou tendo lucro nisso?”.

Pode até ser que tenha sido “presenteado”com alguns metros a mais de corda. Mas deve pensar também em que este comprimento a mais de corda afeta outros tipos de parâmetros, como a marcação do meio da corda. E é aí, nesta deformação que vive o detalhe que pode ser perigoso.

No momento que o comprimento de uma corda de escalada é afetado, também é a marcação de metade da corda.

O motivo: pode haver uma diferença entre as duas extremidades de até 1,2 metro. Isso ocorre porque o padrão UIAA para cordas dinâmicas permite uma taxa máxima de erro da distância do centro marcado em 0,6 metros.

Cordas também diminuem de tamanho com o uso

Se continuarmos lendo as instruções da corda de escalada que compramos, os fabricantes alertam sobre um fato: a corda diminui de comprimento com o tempo e com o uso. A diminuição, claro, não é acentuada a ponto de ficar pela metade.

Mas serve de alerta para quem sempre escala em enfiadas com o comprimento máximo da corda. Para quem sempre está arriscando fazer rapel no comprimento máximo da corda, corre o perigo de ser surpreendido.

Por este motivo (encolhimento de cordas de escalada), que os conquistadores de vias de escalda mais conscientes idealizam as distâncias entre as enfiadas um pouco menor que o padrão das cordas.

Mas por que a corda diminui de tamanho como tempo?

  1. O nylon (material com o qual é feito a corda de escalada) perde progressivamente a elasticidade. As fibras acabam “enrugando”, de modo que a corda reduz seu comprimento, ao mesmo tempo que diminui o diâmetro. Essa perda ocorre naturalmente e se intensifica com o uso e com as quedas.
  2. As fibras de nylon com as quais se fabricam as cordas incham com a umidade e a água. Este inchamento também diminui o comprimento.
  3. As extremidades das cordas de escaladas são as partes mais encurtadas, porque são mais utilizadas.

Para o usuário mais atento, caso faça uma medição periódica da corda, nos primeiros dias de uso a corda dinâmica, pode sofrer diminuição de 2 a 3% no comprimento.

Comprimento Valor diminuição (primeiro uso)
50 metros 1 a 1,5 metro
60 metros 1,2 a 1,8 metro
70 metros 1,4 a 2,1 metros
80 metros 1,6 a 2,4 metros

De acordo com o manual do fabricante, a vida útil de uma corda de escalada, quando tem uso intenso, é de 3 a 5 anos.

Neste período a redução de comprimento pode ser de até 10% do comprimento total.

Comprimento Valor diminuição (ao longo do tempo)
50 metros até 5 metros
60 metros até 6 metros
70 metros até 7 metros
80 metros até 8 metros

Vale lembrar também que a redução da corda pode ainda sequer ser simétrica. Como assim? Caso um escalador use mais uma metade da corda do que outra, esta diferença de simetria irá acontecer. Por este motivo que cordas que possuem diferenciação de padrão na aparência ajudam a evitar esta diferença.

Qual conclusão que tenho de tirar ao saber dessa diminuição? Primeiro, de que nunca devemos levar nosso material ao limite. Por exemplo: se uma via esportiva de 30 metros, é mais prudente usar uma corda de 70 metros para fazer rapel.

A segunda, e mais importante lição, é que temos de inspecionar o equipamento sempre. Verificando se a marcação do meio da corda realmente representa a metade.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.