A face norte do Eiger – Por que esta escalada é mítica?

Localizada na Suíça e com 3.970 metros acima do nível do mar, o Eiger é uma das montanhas mais icônicas para o alpinismo mundial. A montanha foi declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 2001. A primeira ascensão a esta montanha foi feita em 1848 pelo irlandês Charles Barrington, que chegou ao topo com a ajuda dos guias de montanha Christian Almer e Peter Bohren.

Entretanto a sua face norte, um paredão vertical de mais de 1.800 metros de rocha é que assombra todos os escaladores do mundo até hoje. A primeira ascensão pela face norte somente foi realizada em 1938, por uma equipe formada por dois alemães e dois austríacos: Anderl Heckmair, Fritz Kasparek, Heinrich Harrer e Ludwig “Wiggerl” Vörg. A dificuldade de subir a face norte do Eiger pode ser percebida, pelo tempo que levou para acontecer uma segunda ascensão. Somente oito anos depois, em 1947, é que ocorreu a segunda ascensão da face norte por Lionel Terray e Louis Lachenal.

A primeira ascensão da Face Norte do Eiger, também paz parte da história da fabricante de equipamentos alemã Deuter. O Anderl Heckmair, que liderou a equipe na escalada, utilizava uma mochila Deuter. Reinhold Messner comentou que a rota de Heckmair não é apenas uma das maiores escaladas de todos os tempos, mas” uma obra de arte”.

Como consequência da conquista da face norte do Eiger, Harrer, Heckmair, Vörg e Kasparek foram considerados celebridades da época. Vörg foi morto na frente russa em 1941 durante a segunda guerra mundial. Kasparek morreu numa greta no Peru em 1954. Anderl Heckmair morreu aos 98 anos em 2005. Heinrich Harrer morreu em 2006, aos 93 anos de idade, e foi imortalizado por Brad Pitt no filme “Sete Anos no Tibet”.

O Eiger é mencionado em registros antigos que datam do século XIII, mas segundo os historiadores, não há evidências claras de como exatamente a montanha ganhou seu nome. A versão mais aceita é que das três montanhas da cordilheira são comumente referidas como a Virgem (Jungfrau), Monge (Mönch) e o Ogro (Eiger).

Assim como para os jogadores de futebol, ganhar uma copa do mundo coroa a carreira de qualquer um, escalar a face norte do Eiger representa a mesma importância. A face norte do Eiger, face norte do Matterhorn (ou Monte Cervino) e face norte das Grandes Jorasses (conjunto de seis cumes situados no Maciço do Monte Branco) são consideradas as faces mais difíceis dos Alpes para se escalar. Escalar as três faces é chamado de “A trilogia”. Marcos Costa é o único brasileiro a escalar a Face Norte do Eiger até hoje.

O nascimento do mito

As alpinistas que escalam do Eiger pela face norte têm de vencer obstáculos conhecidos por nomes como “Calça de Gelo”, “Bivaque Mortal”, “Saliência Quebradiça” e a “Travessia dos Deuses”, todos considerados mortais.

A primeira tentativa na face norte foi feita em 1934 por Willy Beck, Kurt Löwinger e Georg Löwinger. Entretanto, a escalada teve de ser abortada, e os montanhistas somente chegaram a 2.900 metros. No ano seguinte, uma nova tentativa foi feita pelos alemães Karl Mehringer e Max Sedlmeyer, que congelaram e morreram a 3.300 metros. O local ficou conhecido por “Bivaque Mortal”.

Um ano mais tarde, Andreas Hinterstoisser, Toni Kurz, Willy Angerer e Edi Rainer, morreram na tentativa da face norte. O filme “The Beckoning Silence”, narrado por Joe Simpson, aborda o drama desta escalada.

Um dos casos mais icônicos, e que contribuiu para o crescimento do mito a respeito desta escalada, foi de um montanhista italiano que morreu durante uma escalada e as equipes de resgate não conseguiam chegar ao corpo, que ficou por dois anos no local. O motivo alegado pelos resgatistas era de que o local era inacessível.

Até hoje, 65 pessoas já morreram na face norte da montanha enquanto tentavam a ascensão. A escalada pela face norte é mais tentada durante o inverno por uma questão de segurança, pois um grande problema é a queda de pedras. No inverno o gelo “segura” as rochas, tornando a escalada mais segura ou, pelo menos, menos perigosa.

Marcas

Por convenção, todas as ascensões rápidas na face norte do Eiger são feitas pela via aberta por Anderl Heckmair. Até o momento o recorde pertence ao escalador suíço Ueli Steck, com 2 horas e 22 minutos e 50.7 segundos.

A primeira mulher a escalar a face norte do Eiger foi a montanhista alemã Daisy Voog, que junto de Werner Bittner, chegou ao cume em 1964. Já a primeira cordada 100% feminina a escalar a face norte foi pelas montanhistas polonesas Wanda Rutkiewicz, Danuta Gellner-Wach e Stefania Egierszdorff.

Já a americana Sasha DiGiulian escalou em livre (free climb) a via “Magic Mushroom”, uma das mais difíceis da face norte.

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.