Crítica do filme “Restrito”

restrito-4Experimentado pelo público expectador de futebol na Copa do Mundo realizada no Brasil recentemente a goleada acachapante diante da Alemanha, e posteriormente outra para a Holanda, o amargo gosto de ser superado em um esporte que a pouco tempo éramos considerados os melhores.

Diversos foram os motivos levantados por jornalistas, dirigentes e o público em geral.

Na lista de infindaveis probabilidades um deles foi o “isolamento “ da realidade do esporte praticado no mundo.

Por soberba as filosofias do esporte parecem ter perdido o sentido de um dia para o outro.

O motivo que levou a este afastamento da realidade é difícil de definir em apenas um texto, e seria necessário um estudo profundo o mais longe possível do ufanismo que sempre acompanha o futebol em terras brasileiras.

Mas um fato é inegável  : Todo e qualquer esporte tende a definhar em desenvolvimento quando seus praticantes resolvem fechar-se para o resto do mundo, especialmente os esportes de natureza.

Entenda por esportes de natureza como surfe, escalada, trekking, rafting, canoagem e etc.

restrito-2

Considerado como o esporte de natureza mais popular do Brasil, o surfe reina absoluto sobre as outras modalidades movendo grande audiência e sempre tendo apoio midiático grande.

Dentro deste universo, o pequeno retrato do espírito brasileiro pode ser observado pelo chamado “localismo” e fez com que alguns “points” do principal polo da modalidade vivesse uma realidade  interessante e que deveria até mesmo ser estudado:  Praia de Atalaia em Itajaí-SC.restrito-1

O local é considerado um dos mais hostis com o surfista visitante em todo cenário do esporte no Brasil tendo vários relatos de agressões físicas e muita briga entre os surfistas.

O tema do “localismo” no lugar é brilhantemente retratado pelo diretor Diego Lara e toca em pontos interessantíssimos servindo para a reflexão não somente dos praticantes de surfe, mas de todo e qualquer esporte de natureza.

A produção batizada de “Restrito” coloca uma lupa no problema comum de esportes de natureza : as regras locais impostas pelas pessoas que ali vivem.

O filme começa desenhando a história desde o início da prática do surfe na Praia de Atalaia a qual é conhecida por ter nada menos que a “onda perfeita”.

Neste ponto é importante levantarmos a observação de que poderia ser perfeita a “rocha perfeita” para a escalada, ou o trekking perfeito e assim por diante.

Na procura pela “onda perfeita” muitos surfistas “não locais” foram ao local e acabaram por praticar atos, digamos, não diplomáticos com os locais.

Mostrando os dois lados da história entre “forasteiros” e “locais”, a produção consegue retratar de maneira equilibrada e madura como o sangue latino e a cultura de monopólio e reserva de mercado em cada brasileiro pode vir a prejudicar até mesmo o esporte.

Procurando não tomar parte de quem quer que seja na história o diretor capta, através de depoimentos e ponderações,  um bom retrato de um lugar e o conflito que o cerca.

restrito-5

Nos depoimentos de cada personagem problemas como soberba de visitantes, complexo de vira-lata, provincianismo exacerbado e, finalmente, completa falta de diálogo de qualquer um dos lados para uma decisão pacífica e civilizada.

O filme “Restrito” é acima de tudo, um documento vivo de como na sociedade brasileira de hoje chegou a um nível de incivilidade e ausência de respeito ao próximo que nos coloca próximos dos mesmos métodos utilizados na idade média: do respeito pelo meio da força em detrimento à educação.restrito-7

O mérito do diretor ainda é a de realizar um filme sobre surfe, com imagens do esporte pontuando toda a exibição, e mesmo assim ser interessante a qualquer pessoa.

Com boa quantidade de imagens de arquivo, e preocupação em documentar a realidade e não apenas denunciar ou fazer polêmica “Restrito” é um filme interessante sob todos os aspectos.

A produção é acima de tudo um ótimo documentário esportivo acima de qualquer paixão clubística e esportiva, e também um perfeito retrato de uma sociedade além de uma boa reflexão sobre que tipo de sociedade somos.

Nota Revista Blog de Escalada: 

restrito

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.