Worn Wear: A história de uma iniciativa que mudou o universo de esportes outdoor

A história dos esportes outdoor é recheada de histórias inspiradoras e que impacta a maneira com que outras indústrias fazem negócio. Desde a consolidação da indústria de esportes outdoor, por volta da década de 1970 e 1980, muitas marcas passaram a explorar um nicho que até então não era explorado. Mas uma destas marcas faz questão de inovar e revolucionar o relacionamento com o cliente e sociedade. Esta marca é a Patagonia.

Criada em 1973 como uma linha de roupas de uma marca especializada em equipamentos de escalada, a Chouinard Equipment, pela qualidade e inovação de seu relacionamento com o cliente acabou se consolidando como grande fabricante de roupas. Ao longo do tempo a Patagonia expandiu sua linha de produtos, passando a incluir vestuários direcionados a outros esportes, como o surf.

Mas muito mais que a qualidade singular da marca, a Patagônia se considera uma “empresa ativista” e esta postura acabou impactando a maneira com que faz negócios e se relaciona com o público-alvo. Capitaneada por Yvon Chouinard desde o início, a empresa não se intimida em tomar decisões até então impensáveis com relação à marketing e a maneira com que leva seus negócios. Tratando os funcionários como família, fornecendo luxos e mimos que outras empresas não fazem, a Patagonia sempre fez a diferença.

Não somente com seus funcionários ela se destaca, a marca publicamente se compromete a doar 1% de suas vendas totais mundiais a grupos ambientais, através da One Percent for the Planet, ONG que Yvon Chouinard foi membro fundador. One Percent for the Planet incentiva as empresas a doar 1% de sua receita líquida anual com organizações de caridade sem fins lucrativos, focadas em conservação e sustentabilidade.

Worn Wear

Worn Wear

Os produtos da Patagonia não são conhecidos por seus preços baixos, mas a marca se esforça para garantir que as pessoas estejam cientes do valor por trás de seus produtos. Uma das inúmeras atitudes que a Patagonia tomou para estreitar seu relacionamento com o cliente foi a Worn Wear (“moda usada” em tradução livre). Desde 2013, a marca tem ajudado e incentivado ativamente os consumidores a consertar seus equipamentos usados da marca antes de comprar algo novo por meio de seu programa Worn Wear.

O conceito do Worn Wear começou como um blog de Lauren Melloy, esposa do surfista Keith Melloy que é patrocinado pela Patagonia, pedindo histórias e fotos dos equipamentos da Patagônia sendo usados. Quando as fotos começaram a chegar, em um volume muito grande e cheio de histórias pessoais, a marca percebeu que tinha a oportunidade de se conectar com os clientes e reforçar suas crenças em preservação do meio ambiente com responsabilidade.

A iniciativa Worn Wear permitiu que clientes pudessem levar itens de roupas usadas para reparo ou troca. Foi criado para isso um departamento de reparo em Reno, estado norte-americano de Nevada com 45 funcionários. Segundo a marca é a maior instalação de reparo de roupas dos EUA, fazendo cerca de 30.000 reparos por ano.

Worn Wear

Foto: https://www.themanual.com/

Porém a Patagonia visualizou uma outra oportunidade, criar uma espécie de tour que fossem onde os clientes estivessem, reparar a roupa, não importando a marca (para depois colocar um adesivo da marca Patagonia na marca arrumada). Assim, uma equipe de técnicos de reparação e embaixadores da marca pegaram a estrada em 2015 com um caminhão de reparo atraente. O veículo parou em lojas de surf, eventos ecológicos, festivais e outras reuniões típicas do público alvo.

Toda a divulgação foi feita pelo Instagram, Facebook, Tumblr e Twitter para o público. A convocação tinha poucas regras e tinha o claro objetivo de recolher e arrumar roupas gastas, surradas e furadas. A principal mensagem da turnê, “Se está quebrado, conserte”. Vale lembrar que a Patagonia possui garantia vitalícia de seus produtos desde a sua fundação.

Worn Wear

Spring 2016 Patagonia Worn Wear Tour. Contact Donald@dhedden.com for more caption details.

Mas realizar uma turnê permanente é algo dispendioso e que não seria sustentável por muito tempo. Pensando nisso, a Patagonia lançou uma plataforma de e-commerce em 2017. Caridade? Não exatamente. Esta é uma ação que se comunica especialmente com os millennials e geração Z.

De acordo com uma pesquisa feita publicada no Cone Communication Millenial CSR Study em 2015, mais de 90% dos millenials mudariam sua decisão de compra em favor de uma marca que apoia uma causa socioambiental.

Na plataforma de e-commerce o cliente pode negociar, vender e comprar produtos usados ​​da Patagonia. Em outras palavras, é o brechó da Patagônia. A marca afirma que pagará até 50% do preço pelo qual venderá o item e o cliente recebe crédito por mais equipamentos da Patagônia, usados ​​ou novos. Além disso o site do Worn Wear também inclui guias detalhados de cuidados com os produtos.

Worn Wear

Porém a Patagonia não parou somente nesta iniciativa. O sucesso do tour do Worn Wear fez com que a marca implementasse “temporadas” da ação nos EUA e no exterior. Em países que a marca atua, como Chile, Argentina e Canadá, a Worn Wear é realizada periodicamente.

No ano de 2019 a marca realizou um Worn Wear no México, mesmo não atuando no país, abrindo a possibilidade de realizar em localidades como o Brasil, desde que a comunidade manifeste o interesse da realização deste tipo de ação.

Mudando o comércio de roupas outdoor

Worn Wear

O sucesso da iniciativa da Patagonia com o Worn Wear foi grande e isso gerou um barulho muito grande entre os concorrentes. Não é à toa que a análise da concorrência é uma das principais atividades do planejamento de marketing, pois é preciso estar o tempo todo verificando quais as políticas de vendas e fidelização com o cliente uma o concorrente está realizando. Só assim é possível atuar de forma competitiva dentro de um nicho de mercado.

Foi assim que nos EUA, além da Patagonia, a rede de lojas REI e a concorrente The North Face começaram a oferecer programas de venda semelhante. Já no ano de 2007 a Used Gear da REI , foi lançado. Na plataforma, em qualquer lugar, os clientes podem comprar equipamentos devolvidos, inspecionados e aprovados por funcionários especializados.

Após análise inicial, os produtos estão cotados pela metade, ou mais, em comparação à compra de novos. A plataforma Used Gear não é para consignação, pois REI não está comprando de volta produtos antigos. Os itens à venda na plataforma foram devolvidos de acordo com a política de devoluções da REI.

A REI possui um volume anual de vendas em torno de US$ 2.38 bilhões, empregando aproximadamente 12 mil pessoas. A REI é um dos principais patrocinadores do Access Fund, Organização sem fins lucrativos comprometida em manter as áreas de escalada dos EUA. A abordagem da REI é um pouco menos abrangente, pois não há menção de reparos.

Worn Wear

Já a concorrente The North Face para tentar criar mais economia circular nos seus produtos, até para limpar um pouco a imagem que possui com o púbico, criou no ano passado a iniciativa Renewed, que na verdade é uma coleção de roupas reformadas. Os produtos da marca são provenientes de devoluções ou itens defeituosos, limpos e reparados com a qualidade de uma nova peça de roupa e, em seguida, vendidos on-line com desconto.

Embora a The North Face fabrique produtos projetados para durar mais do que a média, os itens têm garantia vitalícia e a empresa oferece reparos. O programa conta com parceria da The Renewal Workshop, que irá limpar e restaurar itens profissionalmente para que possam ser vendidos on-line.

De acordo com informações do marketing da empresa, os clientes poderão devolver as roupas usadas diretamente nas lojas. A empresa já possui caixas de coleta nas lojas de roupas e calçados (de qualquer marca) que podem ser reciclados em outros produtos.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.