São Paulo terá nova academia de escalada – investidores realizam pesquisa para escolher local

A cidade de São Paulo possui hoje pouco mais de 11 milhões de pessoas, e é a segunda maior cidade do mundo.

Mesmo com todos os seus defeitos (trânsito, poluição, preços…), ainda é um local que financeiramente é interessante a quem deseja abrir um negócio, seja ele de qualquer natureza (desde que seja bem administrado).

Para se ter uma ideia, em números absolutos há mais escaladores no estado de São Paulo do que em outros estados, dados que refletem na maioria das pesquisas sobre o mercado.

Entretanto por motivos ainda não esclarecidos a capital paulistana possui apenas 2 academias de escalada, número este menor que outros centros como Belo Horizonte (4 academias), Brasília (3 academias)  e Curitiba (3 academias) .

Esta proporção está prestes a mudar, pois há um grupo de investidores que estão levando a sério a ideia de construir uma academia de escalada na cidade de São Paulo, colocando um outro rumo em um ramo de negócios que enfrenta acentuado declínio desde 2009.

Inicialmente a referência dos investidores, que entraram em contato com a Revista Blog de Escalada para a divulgação,  é uma localização próximo a centros financeiros da cidade como Avenida Brigadeiro Faria Lima, Avenida Luís Carlos Berrini ou adjacências.

Para saber a melhor localização os futuros proprietários estão realizando uma pesquisa para que tenham em mãos dados reais vindos do público para a abertura da nova academia de escalada em São Paulo.

Para que seja acelerado a definição de locais e data de inauguração, os investidores desejam que seja respondida o mais rápido possível e pela maior quantidade de pessoas.

Para realizar a pesquisa acesse: https://www.quicksurveys.com/

academia-escalada-sao-paulo-2

There are 6 comments

  1. Carlos Valerio

    Luciano,

    acredito que você não entendeu muito bem, não mencionei que era anuncio!
    Reafirmo que faltou espaço para mencionar o local adequadamente.
    Sem dúvidas que uma pesquisa “bem elaborada” seja imprescindível para planejamento e execução de um projeto.
    Assim como a escolha de uma empresa de pesquisa é essencial e vital para captação de dados objetivos. Escolha errada significa derramar VERBA$ pelo ralo, sendo ou não “filhinho de papai” (este fato de escolha de uma empresa séria e competente, nos anos 60, 90 ou que época seja, continua a matar empresas!!!)

    Você é jovem, tem tudo pra acertar com os erros! Basta não ser arrogante e corrigir a “miopia”

    Abraço Luciano.
    DESEJO-LHE SUCESSO!!!

  2. Carlos Valerio

    Realmente, superficial esta pesquisa!
    Não da espaço para falar sobre a locaização, com detalhamento.
    Não sei onde querem chegar com esta pesquisa, faltou perguntar quantas televisões e quantos banheiros temos em casa!!!

    1. Luciano Fernandes

      Carlos

      Acredito que não tenha lido o artigo inteiro. A pesquisa era para levantar qual o melhor lugar a abrir uma escalada, e não anuncio como voce deixou implicito.

      Nos anos 90 as perguntas sobre televisão nas pesquisas era para aferir o perfil do público alvo. Não sei o que quis dizer com isso, mas aferir o tipo de público interessado na pesquisa, que teve mais de 1.000 respostas, é possível realizar um plano de negócios para um investidor.

      Como o proprietário não é filho de pais milionários, como acontece com uma academia de São Paulo no momento, investidores para abrir uma academia é necessário.

      As perguntas foram para isso : saber qual o perfil do público e o melhor lugar para abrir. Se está mapeando, não há motivos para divulgar o lugar, até porque não se sabe qual seria o lugar mais adequado.

      Como estamos a 20 anos dos anos noventa não é necessário mais perguntar quantos banheiros e tv´s há em casa, mas ainda para conseguir investimentos é necessário fazer um plano de negócios.

      Releia o artigo e verá que antes do link da pesquisa, há uma explicação da motivação da pesquisa

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.