Crítica do filme “Touching the Void”

touching_the_void_cartaz

Desde os primórdios da prática da escalada a relação entre parceiros é profunda e não seria exagero afirmar que seja mais forte do que muitos laços de amizade considerados inabaláveis.

A explicação é simples: a vida está nas mãos de cada integrante.

Também considerado incontestável é a tenacidade e determinação do ser humano quando há a necessidade de lutar por sobrevivência.touching_the_void_2

O filme “Touching the void” documenta o drama vivido por Joe Simpson e Simon Yates na escalada no Siula Grande (6,344m) na Cordillera Huayhuash nos andes peruanos em 1985.

A produção toca sensivelmente nos dois pontos levantados acima: parceria e sobrevivência.

Durante a descida a dupla de escaladores sofre um acidente grave em uma greta e Joe Simpson tem a perna quebrada.

touching_the_void_6Durante a tentativa de resgate Yates realizou procedimentos infrutíferos e que após certo tempo o levou a acreditar que Simpson estava morto na outra ponta da corda.

Impossibilitado de resgatar o companheiro, e com sua vida também correndo perigo tomou a polêmica decisão de cortar a corda e seguir sozinho ao acampamento.

Entretanto Joe Simpson não estava morto e acabou por cair mais profundamente na greta agravando seu estado.

Simpson buscou então maneiras de “caminhar” e seguir ao acampamento para encontrar seu colega e a equipe de apoio.

Somente pela descrição da história é assombrosa a força de vontade de Joe Simpson pela sua sobrevivência.

O filme “Touching the voide” é um documentário que mescla imagens de dramatização (atores interpretando as cenas descritas pelos escaladores) com relatos dos próprios escaladores.

touching_the_void_1

O roteiro de toda a produção foi adaptado do livro escrito por John Simpson, e segue linearmente os fatos e acontecimentos descritos no livro.

As narrações de cada um dos escaladores é carregada de drama e sentimentos e agrega mais tensão aos fatos documentados.

touching_the_void_3Com direção segura de Kevin MacDonald o filme é angustiante tamanha as dificuldades vencidas por Simpson na sua busca pela vida.

Detalhes da dramatização foram muito bem cuidados como por exemplo maquiagem, equipamentos e vestimenta de
cada um dos escaladores.

Tendo poupado o público das “licenças poéticas” típicas de produções vultosas, “Touching the Void” é muito além de um filme de escalada e montanhismo, e sim de sobrevivência e determinação do ser humano.

Fica evidente ainda que a preparação física e técnica de qualquer praticante de atividades de montanha é imprescindível, pois é notório que por causa disso Joe consegue sair vivo (mesmo com 1/3 de seu peso mais magro) do que pode ser considerado o “perrengue dos perrengues”.touching_the_void_7

O filme sabiamente toca levemente no “mimimi” levantado pela comunidade escaladora a respeito do ato de cortar a corda e Simon Yates, em teoria, abandonar Joe Simpson.

Uma discussão infrutífera que não cabe realizar em um filme.

Preocupando-se apenas em relatar acontecimentos (além de possuir uma dramatização impecável) e sentimentos “Touching the Void” é um filme obrigatório a qualquer pessoa seja montanhista ou não.

Nota Blog de Escalada:

touching_the_void_0

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

There is one comment

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.