Crítica do filme “The Unknown Runner”

the_unknown_runnerQuem aprecia (e se dedica à pratica) corridas de rua, tem como admiração pela escola queniana de maratonistas.

Basta se debruçar sobre os números para constatar que o domínio dos quenianos é real.

O segredo para tal domínio é assunto de debates calorosos sobre os porquês serve como pano de fundo para o documentário “The Unknown Runner”.

A produção de DeKemp procura documentar o início da trajetória do corredor Geoffrey Kipsang que, segundo os especialistas apresentados no filme, possui uma carreira promissora.

O filme começa a documentar sua jornada de estréia em grandes circuitos de maratona desde os treinamentos e filosofia de trabalho em escola humilde localizada na região rural no Quênia até a estreia na maratona de Berlim .the_unknown_runner_3

Mostrando a  com uma crueza ,que beira a crueldade, a quem não vive na linha de pobreza levanta a óbvia pergunta de como um campeão possa sair de um lugar tão simples.

Longe de treinamentos adaptados, e apostando em treinamentos efetivos como “correr o tempo todo” a “indústria” de criação de corredores de rua é mostrada aos curiosos.

Toda a estrutura de corrida no Quênia deixa a entender que é nada mais que escolas rurais, isolamento da população paupérrima (para evitar o assédio) e competições de simplicidade extrema fazem qualquer abastado agradecer aos deuses pela vida de abundância vivida.

the_unknown_runner_4

Insistindo muito na documentação da simplicidade de recursos vivida pelos quenianos, o filme se alonga mais que o necessário nesta primeira parte.

Por esta lentidão deixa forte impressão que está sendo repetitivo até mesmo nas declarações de cada personagem.

A partir do momento em que a maratona de Berlim passa a ser retratada o filme ganha fôlego novo, especialmente pelo impacto das imagens que denota a gritante disparidade de ambientes. the_unknown_runner_8

Os contrastes entre o local de treinamento à ruas da capital alemã é tão acentuado, que não tivesse alongado muito na primeira parte seria mais impactante.

Por conta deste contraste é nítido a pressão psicológica que o atleta está submetido, podendo inclusive ser sentido pelo espectador.

Todo o desenrolar da maratona, incluindo as cenas de bastidores (com direito a uma pressão desumana a ABC), são dinâmicas e conseguindo transmitir toda tensão da corrida.the_unknown_runner_2

Com um final até surpreendente, “The Unknown Runner” termina por deixar o espectador emocionado.

Mesmo não tendo pretensões ambiciosas para filmes outdoor, e até mesmo para documentários de cunho mais sisudo, é boa opção para quem confunde vidas sem luxos com simples (muito comuns a quem possui nanismo cultural).

A produção serve ainda de incentivo a quem tem paixão por corridas de rua, e de montanha, e às vezes sente falta de algum estímulo em forma de filme.

“The Unknown Runner” merece destaque pela iniciativa de documentar as corridas de rua sob uma ótica interessante .

Nota da Revista Blog de Escalada:

the_unknown_runner_7

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.