Tenista profissional encontra no montanhismo o caminho para voltar ao topo do ranking mundial

O tenista profissional sérvio Novak Đoković é o atual número três do mundo, na modalidade simples, e o primeiro jogador da história do tênis a passar a marca de US$ 100 milhões em faturamento com premiações por performance em quadra. De acordo com analistas esportivos especializados na modalidade, este faturamento histórico o credencia a ser um dos melhores tenistas da história do esporte.

Porém o início do ano de 2018 não foi de glórias, sendo um dos períodos mais opacos de sua história. Đoković caiu para o 22º lugar no ranking mundial no início deste ano.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Jelena Djokovic (@jelenadjokovicndf) em

Tudo começou com uma cirurgia delicada em seu cotovelo, que comprometeu o seu rendimento e estilo de joga e disse ter sofrido problemas pessoais em 2017. Para conseguir reencontrar-se com as vitórias, se isolou e começou a praticar montanhismo junto de sua mulher Jelena Đoković. O local escolhido foi Monte Sainte-Victoire, localizado no sul da França.

O Mont Sainte-Victoire, conhecido carinhosamente como “La Sainte” localmente, fica a leste de Aix-en-Provence. O local ficou imortalizado em uma série de pinturas de Paul Cézanne (pintor pós-impressionista francês). O pintor, que morava perto, chegou a pintar mais de 60 quadros da montanha. O acesso ao Maciço é estritamente regulado de 1 de junho a 30 de setembro.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Jelena Djokovic (@jelenadjokovicndf) em

Logo após sua eliminação em Roland Garros, tirou uma semana de descanso e procurou dedicar-se ao montanhismo com a esposa. Segundo declarações de Đoković a veículos de imprensa, “passar um tempo na natureza ajudou a clarear a mente e pensar em colocar tudo em perspetiva. O retiro espiritual do tenista e a prática do montanhismo parecem ter dado certo. Logo após o descanso, Novak Đoković conquistou os títulos de Wimbledon e Aberto dos EUA.

“Foi tudo positivo. Eu senti como se eu tivesse uma nova respiração para este esporte” afirmou Novak Đoković. Entretanto, Đoković não é o único a descobrir o poder de uma boa caminhada. Hipócrates, há mais de 2.000 anos atrás, disse que “andar é o melhor remédio do homem”. Pelo jeito, foi o melhor remédio para o tenista sérvio.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.