Infrator de ética de escalada volta à Patagônia e é recebido com cartazes de “Persona Non Grata”

yankee_hijo_de_mil_putasAlgumas pessoas são dotadas de tamanha soberba que passam a impressão de que nunca aprendem lições básicas de humildade.

O americano Jason Kruk foi pivô de um episódio triste ocorrido no Cerro Torre na Patagônia: removeu SEM AUTORIZAÇÃO da comunidade de escaladores do local os grampos colocados pelo escalador Cesare Maestri na conquista da via em 1970.

Demonstrando que é um sujeito desprezível está de volta ao local, obviamente fingindo de que nada aconteceu a 2 anos atrás.

O “Centro Andino El Chaltén”, que é responsável por administrar as montanhas do local, distribuiu no local cartazes com a foto do escalador deixando explícito de que ninguém se esqueceu do fato e que ele continua “Persona Non Grata”.

Para os “agraciados” com este título significa que “não são bem vindos”.

No cartaz há ainda um histórico explicando sobre a infração do infrator.

O Centro Andino El Chaltén espera por suas desculpas formais demonstrando arrependimento.

Em sites na internet e redes sociais há inclusive ofertas de recompensa em dinheiro de cerca de ARG$ 1.000,00 para que seja expulso da região enquanto suas desculpas não forem feitas.

Uma penalidade que seria mais que merecida a uma pessoa que, ao que parece, está acostumada a cuspir no rosto de toda uma comunidade de escaladores como na América do Sul fossem todos macacos enquanto Kruk o civilizado.

Entenda o caso

Os escaladores Hayden Kennedy e Jason Kruk escalaram a aresta sudoeste do Cerro Torre sem utilizar os grampos que Cesare Maestri instalou utilizando-se de seu famoso compressor em 1970.

Na descida decidiram desequipar a velha (e criticada) linha arrancando todos os grampos da via.

O ato injustificável despertou a ira de dezenas de escaladores locais, que os ameaçaram de lincha-los, já que haviam muitos outros escaladores que viajaram ao Cerro Torre para subi-lo.

Desde então os meliantes Hayden Kennedy e Jason Kruk acovardado-se por terem cometido o ato.

A dupla de escaladores se pronunciou à época declarando que “libertaram” a montanha e que a mesma pertencia a todos.

Kennedy e Kruk se esqueceram, entretanto, que a montanha pertence à todos, mas quem a mantém, tirando lixo, manutenção de vias, confecção de guias de escalada e até mesmo realizam resgates no local é o “Centro Andino El Chaltén”.

A dupla ignorou, portanto, um acordo realizado pelo mesmo “Centro Andino El Chaltén” em 2007 de manter os grampos no local, após assembleia.

Jason retornou para a Patagônia este ano, e ao que tudo indica acredita que todos esqueceram de seu ato condenável e de sua atitude boçal.

yankee_hijo_de_mil_putas

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

There is one comment

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.