Infrator de ética de escalada volta à Patagônia e é recebido com cartazes de “Persona Non Grata”

yankee_hijo_de_mil_putasAlgumas pessoas são dotadas de tamanha soberba que passam a impressão de que nunca aprendem lições básicas de humildade.

O americano Jason Kruk foi pivô de um episódio triste ocorrido no Cerro Torre na Patagônia: removeu SEM AUTORIZAÇÃO da comunidade de escaladores do local os grampos colocados pelo escalador Cesare Maestri na conquista da via em 1970.

Demonstrando que é um sujeito desprezível está de volta ao local, obviamente fingindo de que nada aconteceu a 2 anos atrás.

O “Centro Andino El Chaltén”, que é responsável por administrar as montanhas do local, distribuiu no local cartazes com a foto do escalador deixando explícito de que ninguém se esqueceu do fato e que ele continua “Persona Non Grata”.

Para os “agraciados” com este título significa que “não são bem vindos”.

No cartaz há ainda um histórico explicando sobre a infração do infrator.

O Centro Andino El Chaltén espera por suas desculpas formais demonstrando arrependimento.

Em sites na internet e redes sociais há inclusive ofertas de recompensa em dinheiro de cerca de ARG$ 1.000,00 para que seja expulso da região enquanto suas desculpas não forem feitas.

Uma penalidade que seria mais que merecida a uma pessoa que, ao que parece, está acostumada a cuspir no rosto de toda uma comunidade de escaladores como na América do Sul fossem todos macacos enquanto Kruk o civilizado.

Entenda o caso

Os escaladores Hayden Kennedy e Jason Kruk escalaram a aresta sudoeste do Cerro Torre sem utilizar os grampos que Cesare Maestri instalou utilizando-se de seu famoso compressor em 1970.

Na descida decidiram desequipar a velha (e criticada) linha arrancando todos os grampos da via.

O ato injustificável despertou a ira de dezenas de escaladores locais, que os ameaçaram de lincha-los, já que haviam muitos outros escaladores que viajaram ao Cerro Torre para subi-lo.

Desde então os meliantes Hayden Kennedy e Jason Kruk acovardado-se por terem cometido o ato.

A dupla de escaladores se pronunciou à época declarando que “libertaram” a montanha e que a mesma pertencia a todos.

Kennedy e Kruk se esqueceram, entretanto, que a montanha pertence à todos, mas quem a mantém, tirando lixo, manutenção de vias, confecção de guias de escalada e até mesmo realizam resgates no local é o “Centro Andino El Chaltén”.

A dupla ignorou, portanto, um acordo realizado pelo mesmo “Centro Andino El Chaltén” em 2007 de manter os grampos no local, após assembleia.

Jason retornou para a Patagônia este ano, e ao que tudo indica acredita que todos esqueceram de seu ato condenável e de sua atitude boçal.

yankee_hijo_de_mil_putas

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha e Argentina. É totalmente dedicado ao esporte de escalada em rocha e é apaixonado em filmes Outdoor. Para aproveitar melhor esta paixão fez curso de documentário na Escola São Paulo, além dos cursos de “Linguagem Cinematográfica” e “Crítica de cinema”. Foi jurado do Rio Mountain Festival. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Espanha, Uruguai e Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.