Crítica do Filme “High Tension”

high_tension_9Com raríssimas exceções filmes outdoor retratam as consequências de possuir ego demasiado inflado somado à atitudes intempestivas em momentos de tensão.

O motivo desta ausência é facilmente dedutível: são os patrocinadores dos próprios atletas inflados de soberba e vaidade que bancam as produções de filmes.

Facilmente justificado porque ninguém quer ficar mal visto com ninguém, pelo menos explicitamente.

No ano de 2013, por conta de uma atitude intempestiva, o alpinista suíço Ueli Steck sofreu inevitável revés em sua carreira além de imagem pública.

high_tension_3Houve tentativas de parte da acessória de imprensa de utilizar parte da mídia (em especial a fatia “baba ovo”) em amenizar o fato e usar de panos quentes divulgando que o alpinista irá repensar seus feitos e dar “um passo atrás”.

Mas o que motivou toda esta “operação salvação de imagem”?

A resposta foi documentada no filme “High Tension” produzido pela americana “Sender Films”.

Contando a história desde o planejamento do desafio, até os fatos ocorridos no Everest, “High Tension” é, de longe, um dos mais tensos e controversos já realizados pela produtora americana.

high_tension_7Atitude ousada e que merece destaque, pois mesmo não sendo para contar histórias de heróis e fatos heroicos mostrou coragem e pulso firme para divulgar o filme.

Boa parte de “High tension” documenta  os acontecimentos com postura neutra e de maneira a reconstituir linearmente os fatos do ponto de vista de cada envolvido.

Mesmo sendo mostrado o “lado Ueli Steck da história” já se conclui que ele está equivocado em cada pequena decisão tomada, e portanto é perceptível que o incidente não foi provocado pelo acaso.

Pelas imagens e relatos no filme fica registrado que Simone Morro e Ueli Steck ofenderam deliberadamente Sherpas, além de ignorar completamente regras de etiqueta e educação tibetanos.

Como consequência deste o conjunto de erros houve um a briga entre os alpinistas que eclodiu em princípio de linchamento no campo base quando retornaram.

No momento em que o instante de maior tensão é documentado que os alpinistas tiveram sorte de serem protegidos pela guia de montanha Melissa Arnot, e por alguns integrantes da “turma do deixa disso”.

Inevitavelmente a partir do apedrejamento o filme muda sua postura de neutralidade, além de adotar um tom dramático.

Mesmo amenizando as consequências é perceptível que a dupla de alpinistas não aprendeu nada com o ocorrido.

Buscando uma conclusão no estilo “final feliz” para tudo e todos (no estilo Stephen Spielberg), os produtores documentam o acontecimento pós apedrejamento de Ueli Steck e Simone Morro e também para cada um dos envolvidos (Sherpas, guias de montanha e outros escaladores).high_tension_8

Mesmo ficando clara a intenção de suavizar o clima tenso que cerca o filme o tom endurece por parte de Ueli Steck que insinua explicitamente que apenas turistas vão ao Everest, e que Alpinistas de verdade não são bem-vindos lá.

Simone Morro, que apesar de viver no Nepal como resgatista, deixa a entender que partilha do mesmo tipo de pensamento.

Próximo à conclusão o  filme já deixa um inevitável gosto amargo de fel em todas as partes.

Com uma direção firme, que mesmo mudando de postura próximo de seu final, merece destaque e elogios.

high_tension“High Tension” destaca-se como um questionamento filosófico sobre vários aspectos do montanhismo mundial contemporâneo e levanta questões relevantes sobre a exploração financeira do Everest, soberba de escaladores famosos, diferença cultural entre Ocidente e Himalaia e a necessidade de produção artificial de heróis e feitos heroicos por parte da mídia.

Questões estas que já foram levantadas em outras produções, mas sem a abordagem contundente adotada neste filme e deve fazer o espectador refletir sobre qual o destino do esporte com o crescente circo pirotécnico de conquistas vazias baseadas em estratégias de marketing além das bravatas superficiais de escaladores em torno do Everest.

Nota do Blog de Escalada:

high_tension_6

high_tension_5

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.