Vulcões na América do Sul: Quais são os mais interessantes para conhecer?

Quem sobe um vulcão sabe que é daquelas experiências mais diferentes do que subir uma montanha. Há quem se dedique a apenas fazer este tipo de turismo que, além de ser desafiante, requer um conhecimento extra do montanhista e do guia que irá conduzir a atividade. Estando o vulcão ativo ou não, subir um vulcão é uma atividade que quem realiza possui histórias para a vida inteira.

Se alguém tem vontade de se dedicar a esta atividade, como saber quais são os destinos mais interessantes para isso? Pensando na resposta que reuni uma lista dos mais interessantes que conheço, ou tenho notícia, na América do Sul.

Vulcão Ampato

O Vulcão Ampato (6.288 m) está localizado próximo a Arequipa, cidade ao sul do Peru. Por definição da geografia, um estratovulcão: vulcão em forma de cone. A cidade de Arequipa é a segunda maior do Peru e, de acordo com o último censo realizado pelo governo do país, possui pouco mais de um milhão de habitantes.

A região também é conhecida por ter abrigado por 500 anos a múmia Juanita, corpo de uma garota de 12 anos que, em teoria, foi usada em ritual de oferenda aos deuses, por volta de 1466.

Vulcão Calbulco

O Vulcão Calbulco (2.003 m) está localizado na cidade chilena de Puerto Varas, muito próximo ao Lago Llanquihue, e 1.000 km ao sul de Santiago do Chile. Por cota da existência do vulcão, há águas termais que fazem a felicidade de grande parte dos turistas que frequentam o lugar.

Calbulco é, por definição da geografia, um estratovulcão: vulcão em forma de cone. É um dos três vulcões mais perigosos entre os 90 ativos que existem no Chile. O Vulcão Calbulco havia permanecido 43 anos inativo (última erupção foi registrada em 1972) mas recentemente voltou a apresentar atividade em 2015.

Vulcão Chaitén

O Vulcão Chaitén (1.122 m) está localizado 10 km da cidade chilena de Chaitén (não confundir com Chaltén) e 1.200 km da capital chilena Santiago.

Por ser um vulcão de baixa altitude, não exige grande preparo físico para a sua ascensão. É, aliás, um dos vulcões mais recomendados para quem deseja começar este tipo de turismo.

Vulcão Chimborazo

O Vulcão Chimborazo (6.268 m) e é considerado o ponto mais distante do centro da Terra. Localizado nos Andes Centrais o vulcão equatoriano é considerado a montanha mais alta do Equador e está a 150 km de Quito.

O Vulcão Chimborazo é considerado ativo e apresenta um intervalo de mil anos entre suas erupções.

Vulcão Cotopaxi

O Vulcão Cotopaxi (5.897 m), muito cobiçado por montanhistas por ser um dos mais altos do mundo, localizado no Equador está a apenas 75 km a sul da capital Quito. Desde 1738 já ocorreram mais de 50 erupções nele.

Localizado no Parque Nacional Cotopaxi, que possui 33.393 hectares, o Vulcão Cotopaxi tem temperatura até o topo variando de de 0° a 14° C e permite um vista com muita neve.

Vulcão Domuyo

O Vulcão Domuyo (4.709 m) localizado no norte da Patagônia, na província argentina de Neuquén, é o cume mais elevado da região. Para montanhistas experientes é tratado como uma “montanha bastante atraente”, com ambiente de deserto, longas rampas de gelo e, claro, muito vento.

Quem visita a Patagônia geralmente tem de conviver com multidões de turistas nos lugares. Mas esta característica não acontece com o Vulcão Domuyo, um local bem vazio por ser desafiante ao visitante.

Vulcão Licancabur

O Vulcão Licancabur (5.920 m) está localizado entre o Chile e a Bolívia e é considerado dos mais belos em toda a América do Sul, sendo considerado um ícone da região do Atacama. É possível ver desde longe praticamente o tempo todo, exceto nos dias que a região apresenta céu encoberto.

A escalada até o topo pode ser realizada somente com acompanhamento de guias locais especializados em montanhismo. O Vulcão Licancabur é considerado semi-ativo, tendo a sua última erupção aproximadamente no dia 30 de outubro de 2015.

Vulcão Misti

O Vulcão Misti (5.822 m) também está localizado próximo à cidade peruana de Arequipa. Para alcançar o topo deste vulcão são necessários dois dias de caminhada. O Vulcão Misti continua em atividade, sendo a última erupção registrada foi no século XIX.

A população de Arequipa o considera um símbolo de sua cidade e sua cultura. A atividade de subir o Vulcão Misti é recompensada pela vista panorâmica de sua cúpula. Do topo do vulcão também é possível visualizar incluindo as montanhas, picos nevados, vulcões e a cidade branca de Arequipa.

Vulcão Osorno

O Vulcão Osorno (2.652 m) é um vulcão ativo que fica no Chile, mais precisamente na Região de Los Lagos. O vulcão é conhecido mundialmente como um símbolo da paisagem local e também por sua semelhança ao Monte Fuji (3.776 m), localizado no Japão.

O vulcão Osorno é um vulcão ativo do tipo estratovulcão e um dos vulcões mais ativos dos Andes do sul do Chile. Ao todo possui 11 erupções históricas registradas entre 1575 e 1869. As encostas mais elevadas do vulcão são quase totalmente cobertas de geleiras apesar da sua modesta altitude.

Vulcão Puntiagudo

O Vulcão Puntiagudo (2.493 m) pode ser visto desde duas localizações: Puerto Varas e Bariloche. Localizado no Chile, é considerado dos mais difíceis de chegar ao seu topo.

A cidade Puerto Varas é o destino preferido dos amantes de vulcões. No Parque Nacional Vicente Pérez Rosales é possível visitar o Vulcão Pontiagudo, além do Vulcão Osorno e Casablanca, além do Lago Todos Los Santos. O parque também possui fontes termais.

Vulcão Villarica

O Vulcão Villarica (2.847 m) está localizado próximo à cidade chilena de Pucón, 789 km de Santiago do Chile, e é considerado um dos mais ativos da América do Sul. Está dentro do Parque Nacional Villarrica e é possível chegar ao topo em um trekking que não requer muito equipamento específico, que leva aproximadamente 3 a 5 horas. A distância total é de 4,8 km

Seu nome original é Rucapillán, que na língua mapuche significa “casa del diablo”. Na alta temporada, o vulcão chega contar com a visita de até 400 turistas.

Freddy Duclerc é Montanhista e líder das Expedições em Alta montanha e Travessias na América do Sul. Também realiza “Treinamento e Palestras” em liderança, motivação, planejamento e vivencia em ambiente inóspito. Possui Graduação, Pós Graduação e MBA em Marketing, Gestão de Negócios e
Administração de Empresas. Tem como missão ajudar as pessoas a realizarem seus sonhos, motivando e mostrando os caminhos possíveis nas montanhas de nossa América do Sul

There is one comment

  1. Adriano Ribeiro

    Olá, Freddy.
    No mês de julho estarei indo com meu irmão para Arequipa e região. A ideia é fazer, Chachani, Misti, Ampato e Coropuna. Só tenho uma dúvuda quanto o Ampato, pois ouvi dizer em janeiro deste an que o Ampato estava fechado devido a erupção do Sabancaya. Você sabe de alguma notícia sobre ascenção ao Ampato?
    Grato.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.