Tommy Caldwell testemunha no senado dos EUA sobre crise ambiental

Tommy Caldwell, um dos escaladores de maior renome mundial, especialmente depois da ascensão da “The Dawn Wall”, além de estabelecer o recorde de velocidade na via “The Nose” (ao lado de Alex Honnold), testemunhou perante o Senado dos EUA sobre a crise climática.

Diante das questões ambientais, há cada vez mais atletas de esportes de montanha que usam sua visibilidade pública para contribuir com a luta contra o aquecimento global e às políticas públicas que afetam o meio ambiente em todo o mundo. Embora não seja novidade que os atletas de esportes montanha também sejam ambientalistas, estamos vivendo uma época em que um e outro parecem se tornar indistinguíveis.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Tommy Caldwell (@tommycaldwell) em

É o caso de Tommy Caldwell, famoso em todo o planeta pela primeira ascensão da já mítica via “The Dawn Wall” em Yosemite, que levou quase uma década de esforço para ser completada. Agora, de acordo com suas declarações recentes, agir sobre a crise climática dá a Caldwell um sentimento semelhante:

Parece um pouco quando comecei a escalar ‘The Dawn Wall’. Há um objetivo final que parece improvável. Certamente a viagem terá muitas barreiras e falhas. Mas será uma aventura que nos definirá profundamente como seres humanos.

No dia 12 de setembro, Tommy Caldwell, em colaboração com organizações como a POW (Protect Our Winters), compareceu perante os senadores do Partido Democrata dos EUA, para oferecer sua posição sobre questões ambientais. Isso, dentro da estrutura dos planos do governo do presidente Trump de abrir a área conhecida como Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico, no Alasca, a ser explorada pela indústria do petróleo.

O Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico é considerado o maior território dos EUA sem assentamentos humanos no país e é uma das últimas reservas em que a vida selvagem se desenvolve completamente naturalmente. No entanto, é também uma área rica em gás natural e petróleo.

Juntamente com a participação de Caldwell no Senado, o Departamento do Interior entregou um relatório que abre a possibilidade de conceder a exploração da área a empresas privadas. O fato, segundo relata o jornal norte-americano New York Times, impediria a possibilidade de interromper a exploração no futuro, mesmo diante de uma eventual vitória democrata nas eleições de 2020.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Tommy Caldwell (@tommycaldwell) em

No entanto, em um sentido positivo para o futuro da vida selvagem no Alasca, os legisladores dos EUA aprovaram o chamado Projeto de Lei do Ártico 1146, o qual proíbe o escritório da Administração de Terras, sob o governo federal, o gerenciamento de concessões para a extração de gás e petróleo no Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico. Tudo aconteceu no mesmo dia, em 12 de setembro.

O valor da ação da comunidade externa para combater problemas ambientais tem sido evidente em todo o mundo. De caiaques que salvaram rios na Europa , à criação de áreas naturais protegidas no Chile a partir do trabalho de montanhistas e escaladores, os praticantes de esportes outdoor tendem a ser uma das linhas de defesa ambiental mais eficazes no momento. É um tipo de ativismo de aventura que pode ser a chave para o futuro ambiental do planeta.

Tommy Caldwell, assim como vários atletas dos EUA, estão cada vez mais assumindo voz de liderança na comunidade que fazem parte. No caso de Caldwell, sua patrocinadora, a marca Patagonia, o apoia a todo momento e, inclusive, o inventiva a assumir o protagonismo. A esperança é, quem sabe, inspirar outros atletas que façam o mesmo.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.