Crítica do filme “All My Own Stunts”

All-My-Own-Stunts-capaTodos os dias a mídia impressa, televisiva além da internet divulgam histórias de pessoas que dão a volta por cima quando estas enfrentam revés em duas vidas.

Artistas que superaram o alcoolismo, atletas que voltaram a atuar em grande performance após grave contusão e superação de perda familiar são temas recorrentes e frequentes.

No gênero de filmes outdoor não há muitas produções com esta temática, poucos exemplos como o bom “Obe & Ashima” que toca levemente no ponto de um ex-atleta recuperando-se do alcoolismo e lapidando uma atleta para se tornar um ícone da escalada.

Procurando explorar este aspecto de superação de obstáculos e em como a força de vontade do ser humano é surpreendente, o diretor Alastair Lee procurou focar suas lentes em Rob Jarman, um ciclista e dublê de cinema, que sofreu um grave acidente durante filmagens.

O filme “All My Own Stunts” documenta toda a recuperação de Rob Jarman, além de mostrar o amadurecimento do protagonista com relação à aspectos da vida como ciclismo, carreira e em como via sua vida desde então.

Iniciando a produção está o próprio Jarman falando sobre si, construindo para o espectador o personagem mostrando sua carreira e feitos realizados na profissão.

All-My-Own-Stunts-8

A vida do protagonista parece até divertida, e um grande parque de diversões, o que o levou a acreditar ser indestrutível, até o momento do acidente.

Com imagens fortes, Alaistair Lee não pouca o público com nada do ocorrido mostrando tudo de maneira crua e que permite o espectador tomar suas próprias conclusões.All-My-Own-Stunts-5

A partir daí, a recuperação dolorosa até a tomada de decisão de querer estabelecer um recorde de descida de montanha em bicicleta (em outras palavras downhill) realizado na Inglaterra.

Com estrutura de história simples e bem executada, “All My Own Stunts” é muito mais que um filme de bicicleta, é uma bonita homenagem não somente a um atleta, é também a documentação do quanto é inspirador a superação de qualquer pessoa.

Neste aspecto o diretor soube construir bem o roteiro do filme, emocionando em momentos certos e conseguindo realizar a catarse na dose exata, sem supervalorizar pseudo-dramas como fazem programas televisivos vazios como “Planeta Extremo” .

As dificuldades enfrentadas pelo protagonista, e sua superação faz com que a empatia do público seja natural e imediata.

All-My-Own-Stunts-2

Há claro várias cenas do protagonista em ação, mas para quem procura na produção excesso de manobras radicais, cenas de efeito, e outros pirotecnias muito utilizadas nas produções do gênero, pode se surpreender e até se decepcionar.

All-My-Own-Stunts-3A surpresa acontece pelo simples detalhe que, Alastair Lee procurou realizar um filme que contasse uma história e não exatamente enaltecer as habilidades do protagonista, nem tampouco transforma-lo em herói.

Por conta deste pequeno detalhe é que “All My Own Stunts” é um filme de superação, e não somente de bicicletas em downhill, e que mostra os esportes de ação com uma visão mais verdadeira e menos estereotipada.

Fica a esperança de que a produção inspire outras pessoas a abordar mais esta temática.

Nota Revista Blog de Escalada:

O filme “All My Own Stunts” foi exibido no Festival de Cinema Outdoor Da Porta Pra fora

All-My-Own-Stunts-1

All-My-Own-Stunts-4

All-My-Own-Stunts-6

All-My-Own-Stunts-7

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.