[EXCLUSIVO] Crítica do filme “All I Can”

Dizem que o sucesso de uma receita depende muito dos ingredientes usados, sendo assim, em qualquer vídeo produzido um resultado pode ser um sabor único ou algo não tão exitoso.

Este é o caso de “All I Can”, um vídeo que arrebatou muitos prêmios no ano de 2011, e tem grande possibilidade de aterrissar em “terra brasilis” nos festivais de filmes outdoor que acontecem por aqui.

O filme é bom, mas erra a mão ao querer mostrar muito das manobras dos atletas e menos o lado pessoal dos atletas e das pessoas.

O objetivo do filme é mostrar esquiadores profissionais em vários locais do mundo, e em alguns momentos fazer pinceladas sobre natureza e devastação humana.

Inegavelmente as imagens mostradas nos filmes são de uma beleza superlativa. Todos os ângulos de captação de imagens são de uma qualidade indiscutível.

Todo gravado com câmeras de alta definição de boa qualidade tornou quase que obrigatório a quem assista ver em cinema ou em uma televisão de capacidade FULL HD (1080p).

O uso intensivo de imagens em “Timelapse” funciona como uma verdadeira aula aos admiradores do gênero, e fonte de inspiração a quem deseja se enveredar por filmagens do gênero.

Como tudo em excesso pode gerar um efeito colateral (até mesmo na vida), portanto a monotonia do filme na primeira parte é o reflexo do abuso desta técnica. Ao gastar muito tempo e recurso para a apresentação do esporte pode ser considerado um ponto fraco do filme.

No quesito roteiro os produtores ficaram a dever ao menos na primeira parte, até os primeiros 50 minutos. Por este motivo muitos momentos od filme se assemelha a um longo videoclipe em que cansa o espectador não praticante de Sky. Muito dos primeiros 50min do filme lembra a produções de esportes outdoor realizadas na década de 90 : música + imagens.

Porém a partir dos 50 minutos de filme é como se houvesse outro filme, pois há mais depoimentos e comprometimento por parte dos personagens do filme.

Com o salto de qualidade de roteiro e uso das imagens capadas junto aos depoimentos, ficou a impressão de que o filme é a junção de duas idéias que acabaram juntas em uma produção só.

Igualmente usando imagens de “timelapse” de qualidade impressionante, o filme alerta para o aquecimento global. Este alerta aliado à qualidade das imagens produz um bom alarme sobre o fator clima e lixo que vivemos no momento.
Para os praticantes de ski e snowboard este problema é mais impactante, pois com um planeta mais quente, haverá menos neve.

O filme mesmo com seus tropeços, especialmente em seu roteiro, é bom, e mereceu a maioria de seus prêmios ganhos no ano de 2011. Ele também serve de inspiração a quem deixa fazer um filme de qualidade com tomadas criativas.

Para saber como adquirir o filme va em : http://itunes.apple.com/us/movie/sherpa-cinema-all-i-can/id470509338

Para saber mais do filme : http://sherpascinema.com/

 

Nota do Blog de Escalada :

Sobre o Autor

Luciano Fernandes

Luciano Fernandes

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha e Argentina. É totalmente dedicado ao esporte de escalada em rocha e é apaixonado em filmes Outdoor. Para aproveitar melhor esta paixão fez curso de documentário na Escola São Paulo, além dos cursos de “Linguagem Cinematográfica” e “Crítica de cinema”. Foi jurado do Rio Mountain Festival. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Espanha, Uruguai e Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.