Conceitos básicos para como fotografar céus estrelados

A frase mais clichê que existe para alguém que está em um lugar remoto, ou mesmo acampando selvagem, é de que não precisa de hotel cinco estrelas, porque já dorme em um de mil. A partir desta frase muitas fotos com um céu lindo estrelado são estampadas nas redes sociais, como uma espécie de meme outdoor. Por isso muitas pessoas querem também tirar a foto de seu lugar preferido com o céu estrelado.

Este, sem dúvida, é um grande desafio para quem é iniciantes em fotografia. Infelizmente para quem acha que tudo acontece por mágica é necessário um básico conhecimento técnico de configurações de fotografia como : ISO, tempo de exposição e abertura. Chamada por entendidos de “astrofotografia”, a técnica de tirar fotos noturnas passa por alguns fatores que parece complicado para quem é iniciante: escolha da lente, configuração manual da câmera, posicionamento, etc.

Felizmente, nos dias atuais não é preciso um equipamento muito avançado para capturar uma imagem de um céu estrelado e isso pode ser mais “fácil” do que parece. Para uma boa foto há de se levar em conta, além dos aspectos técnicos, claro, que são os fatores externos para as fotos ficarem bonitas. Portanto, aspectos como condições meteorológicas (céu limpo, lua nova, meteorologia favorável, etc), equipamentos essenciais como tripé, câmera DSLR lentes do tipo “grande ou média angular” (10 e 20 mm), abertura do obturador grande (f < 2.0).

Data e locais ideais

Foto: Simon Trnka

O local ideal para fotografar qualquer céu estrelado são aqueles mais afastados da cidade. Quanto mais longe for de qualquer resquício de civilização, melhor. Uma boa dica é ir a alguma fazenda e ficar distante da sede, ou qualquer outra residência, e encontrar o casamento perfeito entre paisagem e céu estrelado. Quanto mais amplo for o campo de visão, melhor para o impacto visual de sua fotografia.

Uma boa prática é evitar que, mesmo de longe, as cidades estejam no seu foco da fotografia. Cidades no entorno, mesmo que à distância, tendem a aparecer na foto e “estragar” o trabalho desejado. Por outro lado, se o desejo é fotografar a cidade vista de longe e à noite, então quanto mais afastado dela, melhor. O ideal para fotografias noturnas é um céu aberto, portanto olhe a previsão meteorológica para a região antes de sair de casa. Quanto mais aberto o céu, melhor para a sua fotografia.

Observe também a fase que a lua está. Uma noite com Lua cheia ilumina muito o céu, fazendo com que o seu brilho atrapalhe a captura das estrelas em sua fotografia.

Análise do Céu

Foto: Alvin Wu

Escolhidos o local e data perfeito, é necessário localizar as estrelas que desejam fotografar. Apesar de parecer uma tarefa simples, não é fácil. Mas por que é tão difícil?

A resposta a esta pergunta é que o olho humano não consegue enxergar o céu como em imagens de longa exposição. Por esta razão é necessário usar um pouco de tecnologia para analisar o entorno para saber onde apontar a câmera.

Entenda por tecnologia dois métodos:

  • Estudo prévio da região em sites com mapeamento de céu e estrelas. Para isso, é bom ter uma noção básica em astronomia.
  • Uso de um aplicativo de smartphone para fazer a análise dos pontos interessantes a fotografar. Os aplicativos Dark Sky finder, Deluxe Moon, Go Sky Watch, Star walk e Sky map são alguns destes aplicativos.

Antes de planejar tirar uma foto noturna, procure fazer alguns testes antes. Verifique se o enquadramento está do jeito que você deseja e não tenha medo de errar.

Ajustes da câmera

Os ajustes da câmera nessa hora devem priorizar a entrada de luz. Por isso procure colocar o ISO (medida que indica a sensibilidade do sensor da câmera à luz do ambiente) no máximo valor. Quanto maior o número ISO, maior a sensibilidade do sensor à luz, e quanto menor o número ISO, menos luz será captada. Lembrando que quanto maior o ISO, maior o “ruído” na imagem, prejudicando a nitidez dos detalhes. À medida que os testes vão sendo feitos, procure escolher um valor de ISO entre 2000 e 4000, sempre acima de acima de 800.

Após ajustado o ISO, abra o diafragma da câmera o quanto puder e escolha a maior exposição. Procure colocar a exposição na posição imediatamente anterior ao modo Bulb. Coloque a máquina em um tripé e, principalmente, escolha o foco manual ajustado para o infinito.

Não existe uma regra prática, mas mesmo assim, procure colocar o temporizador de exposição da câmera entre 2 a 10 segundos. Fique atento à carga de sua bateria, pois esta exposição tende a consumir muita energia. Assim que conseguir captar uma fotografia satisfatória nos testes, coloque a câmera para o modo RAW. Isso fará com que sua fotografia seja totalmente editável posteriormente. O balanço de cores pode ser ajustado para o modo semimanual. Normalmente, o modo “daylight”, aquele que possui o ícone de um sol, funciona satisfatoriamente.

O ajuste mais importante da câmera é a abertura. Se a exposição for muito longa, o movimento de rotação do planeta vai ser evidente na fotografia. O valor desta abertura depende do valor de sua lente. Após isso, uma conta relativamente simples pode ser feita:

Pegue a distância focal de sua lente e divida por 600. Para uma lente de 15 mm, faça a conta de 600/15. O valor obtido (40, no caso do exemplo citado) será o valor máximo de exposição. Quanto menor o valor da distância focal, mais tempo de exposição máxima.

Elisabet de Marco é Design Researcher, apaixonada por viajar e fazer trilhas a pé e de Mountain Bike, já fez mochilão pela Patagônia Argentina, Peru, Bolívia, Brasil e Uruguai.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.