Escalada em Yosemite – Vias Longas

Eu, Nereida, venho neste artigo dar os betas das escaladas de montanha de dia inteiro em Yosemite Valley e Tuolumne (parte alta do parque), com aproximação e retirada em ambiente de montanha (isto é, caminha horas para começar a escalar e para sair da montanha tem os destrepes, hehehe).

nereida rezende

Nereida Rezende no topo do Fairview Dome, Tuolumne, Yosemite Park

Eu já havia escrito sobre as vias mais acessíveis de yosemite, num artigo chamado “Micro Guia para brasileiros em yosemite“. Agora venho contar sobre vias que duram um dia inteiro (D3 e D4 – duração 6 a 8 horas e 8 a 12 horas, respectivamente) e que possuem entre 7 e 15 cordadas, com extensão variando entre 300 e 500 metros.

Observando-se o mapa abaixo, percebe-se que o Yosemite Valley é uma parte plana onde estão localizados o El Capitan e o Half Dome, além das montanhas Middle Cathedral, High Cathedral Spire e Royal Arches (azul).

Mapa Yosemite Valley (parte baixa em azul). Tuolumne (parte alta em vermelho, subindo pela Tioga Road, até onde estão marcadas as montanhas Cathedral Peak e Fairview Dome).

No destaque em vermelho no mapa, Tuolumne, que é um ambiente mais alpino, que fecha no inverno, encontram-se as montanhas Cathedral Peak e Fairview Dome (vermelho).

As 4 escaladas que eu descreverei com fotos e croquis são duas em Tuolumne (Cathedral Peak e Fairview Dome), que é uma parte alta de Yosemite, 30 km longe do Yosemite Valley por uma estrada que sobe em curvas e duas no próprio vale mesmo (Middle Cathedral e Royal Arches):

Cathedral Peak

Nathan Meader no approach para via "Regular Route" da montanha Cathedral Peak em Tuolome

Nathan Meader no approach para via “Southeast Buttress” da montanha Cathedral Peak em Tuolome

Fairview Dome

Juliana Petters mandando bem no primeiro largo Via Regular Route da montanha Fairview Dome em Tuolumne

Juliana Petters nas perfeitas fendas do primeiro largo Via Regular Route da montanha Fairview Dome em Tuolumne

Middle Cathedral

middle cathedral

Nereida in high ground, East Buttress of Middle Cathedral, Yosemite Valley

Royal Arches

Nereida nas chaminés iniciais da via "Regular Route" da montanha Royal Arches no Yosemite Valley

Nereida nas chaminés iniciais da via “Regular Route” da montanha Royal Arches no Yosemite Valley

O machismo na escalada

Atualmente há uma dificuldade de ser GUIA DE MONTANHA MULHER no Brasil, e não ser ATIVISTA FEMINISTA, já que o machismo recrudesceu no país. O obscurantismo assombra e violências contra mulher estão sendo cometidas no ambiente de escalada, assim como discriminação em relação aos direitos das mulheres.

Os exemplos são reais e causam espanto: uma mulher sofreu violência física em São Bento, eu teve problemas com uma associação de instrutores aqui no RJ quando alguns membros tiveram atitudes machistas, na minha opinião, machardes, resolveram negar a mim que na prática já sou GUIA INSTRUTORA MULHER, a possibilidade de o ser formalmente, enquanto estendem benefícios indevidos a associados homens.

O irônico é que ambos acontecimentos, a agressão física em São Bento e a negação de direitos à profissional de escalada mulher no Rio de Janeiro, foram sucedidos de ameaças de processos criminais de calúnia e difamação para quem OUSASSE noticiar os fatos.

Criminalizando a mulher que busca seus direitos! Querendo calar as mulheres com ameaças! A comunidade escaladora não quer ter no seu âmago a violência e a injustiça. Os homens culpados dos acontecimentos indesejados devem se refrear de cometer atos de violência e negação de direitos das mulheres e assumir a culpa e responsabilidade pelos seus atos, fazendo de tudo para reparar a violência e negação de direitos cometidos, assim como qualquer tentativa de criminalizar as pessoas que noticiam os atos indesejados, injustiças e violências.

GuiAs de MontanhA Mulheres

EscaladorAs brasileiras estão se estabelecendo no mundo da escalada como professoras de escalada e guias de montanha. Agatsu Ganesha floresce em todo seu vigor, na virtude e com coragem, na conexão Brasil – Estados Unidos, Yosemite – Salinas (3 picos) Rio de Janeiro Brasil e toda Patagônia Argentina e Chilena, chegando Squamish na conexão.

Nereida Rezende, depois de 10 anos de escalada começou a dar aulas, e nos 2 anos que exerce a atividade profissionalmente, já teve a satisfação de ensinar quase uma centena de alunos em várias cidades do Brasil, principalmente RJ, SP e MG, desde 2017, em cursos de autorresgate, cursos básicos de escalada, curso de guia de cordada, curso de fendas com uso de proteções móveis e aulas de aperfeiçoamento em guiadas. Atualmente trabalha em sua casa em 3 picos, Nova Fribrugo, RJ.

Juliana Petters além de brasileira é cidadã americana, ranger do Yosemite Park e certificada instrutora de escalada AMGA SPI pela Associação Americana de Guias de Escalada.

Enjoy and count on us as guides in these paradises. Julho é temporada em Salinas 3 Picos. Agosto e Setembro de 2019 é temporada em Yosemite!

A seguir, veja em fotos, croquis e relatos as 4 vias longas de Yosemite listadas neste artigo

Via Southeast Buttress (regular route) da montanha Cathedral Peak em Tuolumne

Com aproximação de 1 hora e 40 minutos andando por bosques de árvores e lajeados de pedra branca, a via é um quarto/quinto grau constante de fendas, toda em móvel, sem paradas fixas. Tem vários tipos de fendas, chaminé, cruxes de quinto/sexto grau de off withs e fendas frontais no final, com viradas de teto de dificuldade média para fácil.

No final se fica no topo de uma torrinha, bem legal!! E então destrepes do tipo de ficar atento.

fendas da Southeast Buttress no Cathedral Peak, Tuolumne, Yosemite

fendas da Southeast Buttress no Cathedral Peak, Tuolumne, Yosemite

croqui Cathedral Peak

croqui da Southeast Buttress no Cathedral Peak,

regular route Cathedral Peak

Dez cordadas variadas e divertidas na regular route do Cathedral Peak

Cathedral Peak

Paradas de platôs na Southeast Buttress, a regular route do Cathedral Peak

Cathedral Peak

Fendas mais verticais no final da via, Cathedral Peak, Tuolumne

cathedral peak

Nas alturas virando os platôs.

cathedral peak retreat

A parte final e fácil dos destrepes

 cathedral peak retreat

Andando pelos lajeados de pedra branca.

Via Regular Route da montanha Fairview Dome em Tuolome

Uma via bem vertical com fendas perfeitas de quinto grau sustenido, crux de teto talvez de sexto grau, tudo em móvel, inclusive as paradas, muito desafiadora e satisfatória a escalada, com um cume que lembra uma praia nas alturas e abandono pela parte menos íngreme da montanha, numa linda caminhada desescalada.

Nereida no crux, um tetinho, da Via Regular Route da montanha Fairview Dome

Fairview Dome

Nereida nas fendas de quinto grau bem satisfatórias da via Regular Route da montanha Fairview Dome

 Fairview Dome

croqui Regular Route da montanha Fairview Dome

top fairview dome

garotas no cume praia. Fairview Dome, Tuolumne. Nereida Rezende e Juliana Petters

fairview dome

destrepes pela outra face menos ingreme

fairview dome

lindo abandono da montanha Fairview Dome

Via Regular Route da montanha Middle Cathedral no Yosemite Valley

East Buttress of Middle Cathedral 5.9 A0(5.10c), 11 esticões, 330 metros, Middle Cathedral

Bem sustenida na verticalidade, com lances de sexto e sétimo grau brasileiros, apesar da constância no quinto grau, na minha opinião. Tem que manter um bom ritmo para fazer a via em um dia. O fim da via é um semicume lateral e se caminha bastante pelo lado da montanha, mirando o col entre montanhas, para encontrar os rapéis.

Via Regular Route da montanha Royal Arches no Yosemite Valley

Royal Arches Regular Route, 5.7 A0 (5.10b), 16 esticões (pitches), 500 metros, Royal Arches mountain

Via bastante variada com chaminés, fendas perfeitas fáceis e de média dificuldade, off withs, algumas partes de crux de parede horizontal bem lisa e 500 metros para tocar rápido visando vencer a via em um dia. A linha de rapel é vertical por outra face diferente da subida. O zigue zague da via não facilita o abandono em caso de não finalizar a via e descer pela via de rapel.

Royal Arches

Muitas fendas, chaminés e off withs até a metade da Royal Arches

 Royal Arches

Fendas perfeitas na Royal Arches, fartura nos 500 metros da via

Nereida Rezende e Juliana Petters

cume da Royal Arches. Nereida Rezende e Juliana Petters

Regular Route, Higher Cathedral Spire 5.9, 5 esticões, 200 metros

A Higher Cathedral Spire me foi muito bem recomendada, como sendo um quinto grau constante em móvel nas alturas de uma agulha com vista para o Vale. Em 2018 eu ataquei com meu amigo Nathan, é uma caminhada de mais de 2 horas subindo uma trilha bem íngreme até chegar bem lá em cima da spire e escalar mais 6 cordadas até o topo. Nós nos perdemos na caminhada e acabamos chegando na base muito tarde, mas entrando na subida certa vimos depois que a subida não tem erro, tem que entrar no col certo. Quando eu voltar agora em 2019 vou tentar atacar novamente e fazer este cume lindo!

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.