“Walden” de Thoreau – O livro que toda pessoa que ama a natureza deveria ler

Por Sofia Arredondo

Walden“, ou “A Vida nos Bosques”, é uma das mais famosas obras de não ficção nos EUA. Se você viu o filme “Into de Wild”, dirigido por Sean Penn, certamente se lembrará de algumas frases contidas neste livro. Há livros que não podem ser perdidos na biblioteca dos amantes da natureza e universo outdoor e “Walden” de Henry David Thoreau é um deles.

O trabalho, escrito por Henry David Thoreau e publicado em 1854, é composto por uma série de 18 ensaios que narram as experiências dos dois anos, dois meses e dois dias que o autor vivia em uma cabana construída por ele mesmo, nas proximidades do Lago Walden (lago em Concord, Massachusetts, nos EUA). É uma história real sobre a transcendência da conexão entre o homem e a natureza. Thoreau buscou uma vida simples na costa norte de Walden Pond, no leste de Massachusetts (1845-47), onde questionou os valores do trabalho, lazer, autossuficiência e desconexão do homem industrial com seu ambiente natural.

Henry David Thoreau

O escritor construiu uma pequena cabana nas terras de seu amigo Ralph Waldo Emerson. Lá ele vivia quase completamente autossuficiente, cultivava seus próprios vegetais, praticava o vegetarianismo e trabalhava ocasionalmente. Sua intenção em Walden Pond era viver de uma maneira simples e ter tempo para contemplar, caminhar pela floresta, escrever e comungar com a natureza.

Em “Walden”, Thoreau defende, de maneira simples mas elegante, sua crença de que o homem moderno deveria simplificar suas necessidades materiais, pois assim encontraria não apenas a verdadeira paz, mas também a conexão com sua essência. Estes são os fundamentos filosóficos do atual Transcendentalismo Americano (1836-1860), que surgiu na mesma cidade onde Thoreau cresceu e foi dirigido por Ralph Waldo Emerson.

Para os transcendentalistas (movimento filosófico e poético desenvolvido na América do Norte nas primeiras décadas do século XIX), há uma unidade essencial de toda a Criação, uma bondade inata do ser humano, bem como a supremacia do intuitivo sobre a lógica e a experiência. A alma de cada indivíduo é idêntica à alma do mundo e contém o que o mundo contém. Além disso, entre os dois há uma correspondência especial que existe entre as leis naturais e espirituais.

O transcendentalismo criticou fortemente a atitude irrefletida da sociedade norte-americana. Sua doutrina se concentrava na descoberta da verdade através do sentimento e da intuição, e não através da lógica: a capacidade de conhecimento intuitivo da verdade, transcendendo os sentidos. Qual o melhor espaço para desenvolvê-lo do que na natureza, onde o conhecimento intuitivo está na superfície?

Mas, voltando para “Walden”, Thoreau relata cada uma de suas ações para viver na floresta e não de uma forma hermética, longe de todo contato com a sociedade, já que ele recebe visitas de amigos com quem estabelece conversas profundas. É um livro que mostra como todos aqueles confortos que tornam a vida algo desejável para muitos, são um obstáculo para alcançar o que queremos, ao mesmo tempo em que fazemos uma música para a natureza, florestas e paisagens.

Mas cuidado, “Walden” não é um manual de autoajuda. Estes livros, que na maioria dos casos são meramente construções feitas à medida do sistema, ensinam somente a sobreviver nele com pouco questionamento e nos dizendo o que queremos ouvir. O próprio livro “Walden” deve ser encarado como um trabalho léxico simples, mas com uma profundidade filosófica importante. Thoreau não apenas relata suas longas caminhadas e aprendizagens na cabana na floresta, sobre a solidão, a autossuficiência e a simplicidade da vida na natureza. Thoreau também defendeu os escravos, os índios que foram expulsos de suas terras e todos os perseguidos. Ele procurou uma verdadeira mudança de valores, fazendo uma crítica profunda das sociedades modernas.

Sua teoria da desobediência civil influenciou Tolstoy, Gandhi e Martin Luther King Jr. Thoreau é famoso por defender o direito de ignorar o estado. Apesar de seus trabalhos publicados centrarem-se na natureza ou na história natural, foram suas visões políticas as responsáveis pela sua longeva reputação. Seu ativismo político e seu estilo de vida demonstraram que praticava o que pregava. Por isso Thoreau inspirou incontáveis pessoas a evitarem uma vida de “desespero silencioso” para que elas não “fossem para o túmulo enquanto a música ainda toca nelas”.

Thoreau era um dos pais da consciência ambiental e da desobediência civil (na verdade, esse é o nome de outro de seus livros famosos do autor). “A Vida nos Bosques” é, sem dúvida, um livro que todos os amantes da natureza devem ter em casa, não somente como uma coleção, mas para relê-lo quantas vezes for necessário para lembrar e questionar qual caminho estamos escolhendo continuar como uma sociedade e como indivíduos.

Ficha técnica

  • Título: Walden ou a Vida nos Bosques
  • Autor: Henry David Thoreau
  • Edição: 1ª (brasileira)
  • Ano: 1854
  • Número de páginas: 288
  • Editora: Edipro

Obs.: A obra é de domínio público e também pode ser baixada em http://www.dominiopublico.gov.br

There is one comment

Comente agora direto conosco

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.