Vídeo do resgate de Emily Harrington em Yosemite é divulgado

A escaladora Emily Harrington foi resgatada no domingo após uma queda tentando escalar a via “Golden Gate”, graduada como 5.13. Na queda Harrington acabou com queimaduras no pescoço e rosto, além de um proeminente “galo” na cabeça. Os detalhes do acidente, assim como os procedimentos de resgate, a Revista Blog de Escalada publicou um relato completo.

Adrian Ballinger, parceiro de Harrington, declarou nas redes sociais:

“A pessoa mais importante do meu mundo caiu em um platô após uma grande queda abaixo com lesões reais e muitas razões para suspeitar de lesão na coluna vertebral.

“Mas, olhando para trás, também foi o melhor cenário do pior que poderia acontecer. Alex Honnold, manteve calmamente a imobilização da coluna vertebral, preparando-a para o resgate, contando histórias e falando com ela o tempo todo.

Foi feita comunicação clara e consistente, junto do planejamento logístico de Jon Glassberg e Sanni McCandless desde o início. Tara Kerzhner me manteve calmo enquanto corríamos do outro lado da montanha e subíamos a parede para sermos os primeiros a entrar em cena para aquecê-la e estabilizá-la. O YOSAR (Busca e Resgate de Yosemite) chegou em 90 minutos com uma grande equipe e o equipamento necessário para tirá-la do muro e da estrada.

Os paramédicos competentes e o Centro de Trauma administraram remédios e, eventualmente, evitaram lesões na coluna vertebral, apesar de alguns ferimentos. A mobilização de ajuda e apoio de amigos em casa e em Yosemite mudou muito rapidamente. Ela lidou com a dor, ajudou onde pôde e permaneceu positivo o tempo todo.”

O acidente de Emily Harrington vem causando muita discussão na comunidade de escalada e, principalmente, nas pessoas que são impactadas pela repercussão de um acidente destes. Escaladores profissionais em Yosemite adotaram o silêncio até alguma declaração. O motivo do silêncio e que a escalada em velocidade tenha sido criticada no passado, os poucos escaladores de elite que tentam entender os riscos e se preparar para este estilo, sabem que o alto risco pode acabar errado ao mover rapidamente.

Exemplos disso não faltam: em 2017, a escaladora Quinn Brett, caiu 30 metros ao tentar escalar o “The Nose” em um dia. Brett quebrou quatro costelas, perfurou um pulmão e machucou o fígado no acidente. Além disso, ela sofreu uma fratura na 12ª vértebra torácica que a deixou paralisada.

Escaladores profissionais de renome também são vítimas da ambição de marcas históricas a respeito de velocidade. Em 2018, Tommy Caldwell sofreu uma queda de 30 metros ao tentar obter o recorde de velocidade no “The Nose” junto com Alex Honnold e, felizmente, não se machucou. “Foi muito assustador porque foi uma queda gigantesca”, disse o fotógrafo Austin Siadak. “Eu o vi caindo de cabeça para baixo no ar e depois pulando na ponta da corda.”

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.