Livro da semana: “Savage Summit” – Jennifer Jordan

Embora não seja tão alta quanto o Monte Everest (8.848 m), o Monte K2 (8.611 m) é chamado de “montanha selvagem”. Desde o início da exploração turística do K2, toda esta “selvageria” foi de certa maneira “amansada”. Uma prova cabal deste fato é o número de cumes por temporada, que saltou de média de 5 para 70. A montanha conhecida outrora como selvagem, atualmente é trampolim para alpinistas sociais.

Da mesma maneira que guias turísticos para cidades europeias tradicionais como Paris, Londres, Bruxelas e Barcelona, planejam onde os turistas irão comer, caminho percorrer e melhor horário para visitar uma atração turística, os guias de montanhas no Everest e K2 prestam o mesmo tipo de serviço. A diferença, entretanto, é que os turistas que vão à Europa não exibem a viagem como vantagem para palestras motivacionais, nem tampouco a usam de trampolim para a fama. Sobre os turistas que vão ao K2, já não podemos dizer o mesmo.

Localizado na fronteira entre a China e o Paquistão, o K2 tem algumas das condições climáticas mais severas do mundo. Dos que sobem esta montanha, preferencialmente no estilo alpino e sem depender de cordas pré-fixadas, todas as tentativas de subir à montanha depende fortemente da meteorologia.

Historicamente falando pouco mais de noventa mulheres escalaram o Everest, mas das seis mulheres que atingiram o cume do K2, três perderam a vida no caminho de volta à montanha e duas morreram em outras escaladas.

No livro “Savage Summit: The True Stories of the First Five Women Who Climbed K2”, a autora Jennifer Jordan compartilha as histórias trágicas, convincentes, inspiradoras extraordinárias e verdadeiras de um punhado de mulheres que desafiaram a montanha que, no caso de uma escalada alpina, é desafiadora e mortal.

Todas as mulheres documentadas no livro não contaram com cordas pré-fixadas, expedições caríssimas, muito menos com o serviço de guias para carregá-las.

O livro é um vislumbre póstumo das montanhistas Wanda Rutkiewicz, Liliane Barrard, Julie Tullis, Chantal Mauduit e Alison Hargreaves, além de outros que as acompanharam, ajudaram enquanto tentavam chegar ao cume do K2. A história de cada mulher exalta a paixão pelo montanhismo e sua própria marca de controvérsia: flerte, maternidade imprudente e falta de prática. Jordan, que conta a história de cada mulher na ordem em que cada uma escalou o K2 (entre 1986 e 1995), sabiamente dá muita atenção a Rutkiewicz, uma pioneira que foi a primeira a buscar “desafios que nenhuma mulher jamais poderia alcançar”.

Por isso, Jordan assume uma tarefa admirável (nenhuma das mulheres estavam vivas quando o jornalista Jordan começou o projeto), usando termos técnicos, cartas, biografias publicadas e entrevistas com colegas escaladores das personagens, além de família e amigos, para destilar cinco vidas divergentes em uma narrativa.

Para entusiastas do alpinismo e amantes da história das mulheres, a pesquisa bem pesquisada da autora vale a pena ler pela razão que os montanhistas escalam: porque está lá.

A pesquisa de Jennifer Jordan sobre a vida das primeiras mulheres que subiram o K2 é impecável e é sua linguagem eloquente e seu ótimo timing, o que traz a gravidade e a conquista dessas inovadoras montanhistas a um grande foco ao longo do livro. Jordan usa habilmente os picos de alegria e depressão do desespero para atrair o leitor para as vidas marcantes das protagonistas.

Inegavelmente há uma pequena falta de profundidade neste livro. Além disso esta falta de profundidade e desejo exacerbado de mostrar a força das mulheres faz com que as palavras soem como exagerada. O eterno vício de jornalistas de exagerar fatos para atrair a atenção do leitor, além de valorizar em demasia o “perigo”, a “morte”, e outros fatores do montanhismo, faz com que a parte biográfica das montanhistas perca um pouco do brilho.

Ficha técnica

  • Título: Savage Summit: The True Stories of the First Five Women Who Climbed K2
  • Autor: Jennifer Jordan
  • Edição:
  • Ano: 2005
  • Número de páginas: 320
  • Editora: William Morrow

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.