Marca implementa nova tecnologia para proteger cordas de escalada de serem cortadas

Com mais de 150 anos de experiência na fabricação de cordas de escalada, a Edelrid é das marcas com maior credibilidade dentro da comunidade de montanha. Desde que Julius Edelmann e Carl Ridder fundaram a empresa em 1863, a inovação técnica é objetivo da companhia. Prova disso é que desde que a kernmantel, o sistema construtivo de cordas de escalada como conhecemos hoje, a empresa foi a primeira a fabricar em 1953.

Com o mantra de que a tecnologia é o principal, a empresa anunciou o lançamento do modelo Swift Protect Pro Dry de 8,9 mm. Com data para estar disponível no mercado somente em março de 2020, será a primeiro corda dinâmica a incorporar fibras de aramida na capa para melhorar a resistência ao corte por múltiplos fatores. Em outras palavras, a corda é altamente resistente à abrasão e ficar em quinas de rochas (um dos terrores dos escaladores atualmente). A aramida é o nome técnico de uma fibra sintética de alta resistência. No mercado a DuPont batizou a fibra de Kevlar.

Cordas se cortarem e gerarem acidentes é algo relativamente raro, se for levado em conta o número de casos ocorridos em relação ao número de pessoas que escalam. A título de exemplo, A Deutscher Alpenverein (DAV), a Associação Alpina Alemã, documentou apenas 64 cortes de corda nos últimos 60 anos. O armazenamento adequado e o uso indiscriminado reduzem as duas primeiras causas de cordas se cortarem.

A aramida é muito mais resistente ao corte do que o nylon, mas não possui propriedades elásticas, o que a fez um improvável candidato a cordas dinâmicas. Pois para ser uma corda dinâmica, a elasticidade é mandatória. Para contornar esta limitação, a Edelrid criou um processo que integra as fibras de aramida com o nylon na capa da corda, mantendo a elasticidade necessária para atender aos padrões de cordas de escalada dinâmicas.

Como não há padrões de teste para testar a resistência ao corte de uma corda, seja pelo UIAA ou norma Europeia, a Edelrid desenvolveu um equipamento de teste, além de estabelecer um procedimento, para simular cargas de corte em laboratório. Nos testes feitos neste aparelho, os modelos Swift Pro Dry 8.9 (sem aramida) e do Swift Protect Pro Dry 8.9 (com aramida), demonstram que o revestimento híbrido quase duplicou a resistência ao corte da corda de escalada.

O modelo será a primeira corda de escalada dinâmica que tem aramida na capa. A Edelrid espera que, no futuro, o valor da resistência a cortes se torne uma informação padrão disponível de todos os fabricantes de cordas e até mesmo faça parte do processo de certificação.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.