Kilimanjaro: História, lendas e gelo desaparecido

Subindo majestosamente acima das planícies africanas, o Monte Kilimanjaro, com 5.891 metros de altitude, atraiu montanhistas desde o primeiro cume registrado em 1889 por dois exploradores, Hans Meyer e Ludwig Purtscheller, acompanhados por seu guia Yohanas Kinyala Lauwo.

De todos os Sete Cumes (Seven Summits), os picos mais altos por continente, o Kilimanjaro é o mais fácil de alcançar, sendo tentado por mais de 20.000 pessoas a cada ano. Portanto, subir a montanha constitui um mérito muito mais pessoal do que esportivo.

Origem do nome

Formado por três vulcões inativos: o Shira (3.962 m), no oeste, o Mawenzi (5.149 m), no leste, e o Kibo – onde está localizado o pico mais alto. O nome Kilimanjaro, cuja origem é desconhecida, é comumente aceito como uma mistura da palavra suaíli Kilima, que significa montanha, e a palavra KiChagga Njaro, traduzida livremente como brancura.

Os povos locais consideraram Kilimanjaro com reverência e também o chamaram de “Montanha da Grandeza” (suaíli) ou “O que derrota a caravana” (Chagga) ou “Montanha branca” (Maasai). Os Masai também a chamaram de “montanha da água”, pois é a fonte de água da região.

Os arredores de Kilimanjaro foram o berço dos pastores massais. Embora os vestígios arqueológicos encontrados na área datem de cerca de 1.000 anos antes de Cristo, os povos Masai não teriam migrado para a região até o século XVI.

Lendas do Kilimanjaro

Lendas também cercam este majestoso cume branco. Por exemplo, membros das tribos locais de Chaaga ainda acreditam que os anões das montanhas que eles chamam de Wakonyingo vivem em cavernas abaixo das encostas do Kili.

Os Wakonyingo teriam cabeças enormes e atacam aqueles que trazem espíritos negativos para a montanha. O mito pode se basear em um dos eventos reais no Monte Kilimanjaro, pois há evidências de que os pigmeus já vagaram pela montanha.

Além disso, outra lenda conta como um homem chamado Tone fez com que um deus, Ruwa, trouxesse fome à terra. Quando a população local ficou com raiva e forçada a fugir, ninguém pregou, a não ser um habitante solitário que tinha a capacidade de transformar as pedras em gado.

Embora um habitante tenha avisado Tone para não abrir o estábulo, ele não ouviu, e o gado escapou. Tom foi à procura do gado em fuga, e foram produzidas colinas para ajudá-los a escapar, incluindo Mawenzi e Kibo. Por exaustão, Tone finalmente caiu em Kibo.

“ Então eles começaram a ganhar altura ao leste, ao que parecia; depois escureceu e eles se viram no meio da tempestade, a chuva era tão densa que eles acreditavam voar através de uma cachoeira, e então eles saíram dela e Compie virou a cabeça e sorriu, apontando algo com o dedo, na frente deles, tudo o que ele podia ver, tão vasto quanto o mundo, imenso, alto e incrivelmente branco ao sol, era o topo quadrado de Kilimanjaro. E então ele percebeu que era para onde estava indo. ”
– Ernest Hemingway ‘As Neves do Kilimanjaro’ (1936)

O gelo desaparecido

“85% do gelo que cobre a montanha em 1912 desapareceu em 2007 e 26% do gelo em 2000 não está mais lá”, explica Lonnie Thompson, professor de ciências da terra na Ohio State University (EUA) e pesquisador do Byrd Center for Polar Research. Segundo estudos científicos, as geleiras do Kilimanjaro desaparecerão completamente entre 2020 e 2025.

Suas geleiras resistem ao seu cume há mais de 10.000 anos. No entanto, as mudanças climáticas e as atividades humanas causaram uma diminuição de 80% na superfície coberta por essas geleiras durante o século XX. Essa perda gerou um enorme impacto nos rios cujo fluxo depende do degelo.

As consequências para as crescentes populações que habitam a floresta e seus arredores são severas, pois dependem do funcionamento hidrológico e ecológico da montanha, diz a UNESCO.

Comente agora direto conosco

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.