Glaciares: O que são, como se formam e qual é a sua relevância?

Os glaciares são parte fundamental do equilíbrio e da vida no planeta. Atualmente estamos assistindo resignados o recuo dos glaciares desde 1850, o qual acontece de forma global e rápida, afetando a disponibilidade de água doce para irrigação de plantações e uso doméstico das pessoas, além de impactar as atividades de montanha e os animais que vivem nela.

Os recentes recuos e aumento da velocidade de derretimento verificados desde 1995 em certos glaciares dos mantos, como o manto de gelo da Groenlândia ou da Antártida Ocidental, podem ser o prenúncio de uma subida do nível do mar, com efeitos potencialmente dramáticos nas regiões costeiras de todo o mundo.

Estes glaciares são de suma importância para a manutenção da vida na Terra, visto que eles concentram quase 70% da água doce.

O que são glaciares?

Glaciares são grandes massas de gelo comprimido que se formam ao longo de milhares de anos com o acúmulo de neve em um só lugar. Há cientistas que afirmam que são vestígios da última Era do Gelo, há cerca de 20.000 anos.

Esses são alguns dos maiores objetos de gelo do mundo que, ao mesmo tempo, se movem e transformam ao longo do tempo, estações e ciclos da água.

O processo em que a neve se transforma em gelo é chamado glaciação.

Quais são os tipos de glaciares existentes?

Os glaciares são classificados por temperatura, morfologia e localização geográfica.

  • Pela temperatura
    • Glaciares temperados: são encontradas em latitudes baixas e médias, portanto a temperatura é próxima à do derretimento.
    • Glaciares subpolares: no interior elas retêm a temperatura de uma geleira temperada, mas nas bordas têm uma temperatura mais baixa.
    • Glaciares polares: são encontradas em altas latitudes e altitudes; portanto, a temperatura permanece abaixo do derretimento.
  • Por sua morfologia
    • Lençóis de gelo: eles geralmente ocupam extensões de mais de 50.000 quilômetros quadrados. São os maiores glaciares, conhecidos como mantos de gelo e cobriram grande parte do planeta durante a Era Glacial.
    • Calotas de gelo: são massas de gelo com grande espessura, mas são menores que as camadas de gelo.
  • Localização geográfica
    • Glaciares de circo: são pequenos glaciares encontrados nas montanhas e geralmente delimitadas por um penhasco.
    • Glaciares do vale: glaciares originários da expansão dos glaciares de circo.
    • Campos de gelo: glaciares que cobrem extensos planaltos.
    • Piedemonte: quando os glaciares do vale são despejados nas planícies.
    • Glaciares marinhos: aqueles que flutuam na água. Eles se diferenciam dos icebergs, porque têm algumas partes apoiadas no chão.

Como se formam as glaciares?

Os glaciares podem ser formados graças à queda de neve, à neve que carrega o vento, às avalanches, ao congelamento da água, que é então compactada e cristalizada.

Com a neve cristalizada e compactada em camadas, formando uma extensa massa de gelo que é o glaciar.

Qual é a sua relevância?

Os glaciares ocupam 10% da superfície da Terra. Ou seja, se todo o gelo da terra derretesse, o nível do mar subiria cerca de 70 metros. Em termos gerais, podemos falar sobre dois papéis fundamentais dos glaciares:

Reguladores climáticos: refletem entre 45% e 85% da luz solar que vem do espaço, resfriando o planeta (dependendo da camada de neve que possui). Entre o reflexo da água, gelo, desertos e florestas, em média, a Terra reflete 36% da luz solar, que determina a temperatura do planeta e, portanto, o equilíbrio da vida nele.

Reserva de água doce: constituem a maior reserva de água doce do planeta, contendo até três quartos dela. Como sabemos, 75% da superfície do planeta é composta de água, mas 97,5% dessa água é salgada. Dos 2,5% restantes, 70% são gelo e o restante é água líquida, ou seja, de toda a superfície do planeta, 1,8% é gelo e 0,75% é água doce líquida. O derretimento de equilíbrio dos glaciares das montanhas alimentam os rios que então fornecem água potável.

Qual é a maior glaciar do mundo?

O Glaciar Lambert, localizado na Antártica. Tem uma profundidade de 2.500 metros, com 85 km de largura por 400 km de comprimento. O glaciar foi delineado e nomeado em 1952 pelo geógrafo norte-americano John H. Roscoe.

Este glaciar é importante no estudo das mudanças climáticas, porque mudanças muito pequenas no clima podem ter consequências significativas para o fluxo de gelo do glaciar. A maioria dos estudos do Glaciar Lambert é feita com sensoriamento remoto devido às condições adversas na área.

Por que estamos perdendo?

Porque seu acúmulo de gelo é menor que o degelo ou a vaporização; A geleira derrete e se torna rios, lagos ou torrentes de água. Quando acontece o contrário, ou seja, quando o acúmulo de gelo é menor que sua vaporização e derretimento, a geleira cresce.

O aquecimento global está causando o gelo é nos polos derrete a um ritmo crescente. Um efeito que põe em perigo todo o planeta e que também podemos observar nos glaciares dos vulcões mexicanos , que logo desaparecerão.

Em 13 de junho de 2019, houve um sério derretimento da calota de gelo da Groenlândia. Depois que a neve no inverno foi amena, as ondas de calor atingiram a área com força na primavera e muito mais cedo do que o habitual. De acordo com diferentes meios de comunicação, 11.000 milhões de toneladas de gelo na superfície foram perdidas no oceano, o que equivale a 4,4 milhões de piscinas olímpicas.

Além disso, Clare Nullis, porta-voz da Organização Meteorológica Mundial da ONU, disse para outra mídia que apenas em julho a camada de gelo da Groenlândia perdeu 160.000 milhões de toneladas de gelo.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.