Filosofia DIY ou faça você mesmo: Uma maneira completa de praticar esportes outdoor

Já se deparou com a sigla “DIY”? Ela significa “Do It Yourself”, que em português é “faça você mesmo”. O DIY é quase que um movimento social e um estilo de vida. Para isso, claro, é necessário ter conhecimento prático e bastante humildade.

Isso porque existem muitas pessoas que se julgam empoderadas por um sentimento de superioridade ilusória e acaba fazendo algo errado. O DIY é uma cultura que defende a autossuficiência através da realização de tarefas para si mesmo, desde que corretamente.

Onde surgiu?

O termo tem origem no cenário punk rock de meados da década de 1970 no Reino Unido, com o objetivo de entrar no cenário musical de maneira alternativa e não através da indústria. No entanto, com o tempo, o termo se espalhou para outras áreas, onde as pessoas são incentivadas a tomar tecnologias em suas próprias mãos.

De alguma forma, a contracultura e o DIY (faça você mesmo) estão ligados.

A contracultura é um termo cunhado pelo historiador americano Theodore Roszak, que escreveu “The Making of a Counter Culture” (O nascimento de uma contracultura) em 1968. Diante de modas relativamente inofensivas e passageiras, chamadas subculturas, a contracultura é geralmente representada por um movimento organizado que estabelece valores, tendências e formas sociais.

São movimentos opostos aos estabelecidos em uma sociedade.

As lutas pelos direitos das mulheres, direitos civis e meio ambiente tiveram origem em movimentos contraculturais. A contracultura e o DIY mostrou que o capitalismo e a globalização, além do mercado, as mudanças climáticas e a guerra, sempre foram um conceito duvidoso, uma armadilha enganosa sobre como o mundo supostamente funciona.

Por exemplo, a cultura do consumismo e seus valores de aspiração não apenas dividem e diferenciam as comunidades, favorecendo a desigualdade, a exclusão, a dominação e a competição, além de levar a um estilo de vida que não está em equilíbrio com o Planeta.

Mas não apenas isso, a cultura do consumismo é estabelecida como “a melhor maneira pela qual o mundo pode funcionar”.

Movimento “Faça você mesmo” outdoor

O movimento Faça Você Mesmo pode não apenas abranger várias esferas da vida cotidiana e estilos de vida que escolhemos para nós, mas também estabelece princípios que governam o bem comum e o do Planeta Terra.

No mundo outdoor, essa filosofia tem sido uma parte fundamental dos valores do montanhismo e da vida ao ar livre. Onde, se não na montanha, é preciso se defender?

Sem dúvida, todo iniciante exige que um instrutor forneça conhecimentos técnicos e físicos para desenvolver uma atividade segura nas montanhas.

No entanto, uma vez adquirido esse conhecimento (embora haja sempre algo novo para aprender), o escalador e montanhista desfruta de certa autonomia para atingir seus objetivos e algo é muito claro, a corda pode ser fundamental.

O “Faça você mesmo” não tem o individualismo como princípio.

Pelo contrário, busca ação coletiva por meio de projetos em grupo que buscam atender às necessidades em vez de comprar serviços, reciclar e reutilizar em vez de comprar novos produtos.

Além disso deve cultivar sua própria comida, em vez de depender de empresas multinacionais, alcançar um cume com seus próprios meios e com um parceiro, em vez de pagar por um serviço turístico que praticamente o coloca no topo sem muito esforço (às vezes sendo carregado) e causando alto impacto no meio ambiente.

DIY nas montanhas e locais de escalada

De certa forma, o movimento DIY faz parte da cultura da montanha há séculos. As civilizações e os povos que escolheram as montanhas como seu lar, conseguiram habitá-las através do equilíbrio e harmonia. Com eles, podemos aprender muito.

Longe dos grandes avanços tecnológicos, da indústria e do mercado, as pessoas da montanha desenvolveram estilos de vida autossuficientes: trabalhar a terra, coletar água e arar o gado.

“Nosso sistema educacional, na íntegra, não faz nada para nos dar qualquer tipo de competência material. Em outras palavras, não aprendemos a cozinhar, a confeccionar roupas, a construir casas, a fazer amor ou a fazer qualquer coisa absolutamente fundamental da vida.

Toda a educação que recebemos para nossos filhos na escola é inteiramente em termos de abstrações. Treina você para ser um vendedor de seguros ou um burocrata, ou algum tipo de personagem do cérebro. ”

– ALAN WATTS (FILÓSOFO)

Como montanhistas e escaladores, ou seja, como pessoas que fazem parte de uma comunidade que visita esses espaços sem necessariamente se originarem de lá, promovemos um estilo de vida autônomo, que busca nutrir experiências que nos tiram da nossa zona de conforto, que nos levam a situações de vulnerabilidade, onde a ação é nosso melhor aliado.

Nos motiva a descobrir novos horizontes e nosso corpo é o mecanismo que nos mantém em movimento. Isso nos faz sentir vivos e distantes de estilos de vida sedentários e “fáceis” que prometem um futuro seguro.

Que montanhista ou escalador gostaria de se aposentar das montanhas?

Três maneiras de aplicar o faça você mesmo ao ar livre

Tornar-se atores na produção e disseminação da cultura, e não apenas consumidores: desenvolver nossa atividade ao ar livre não como consumidores que já esperam instalações, mas assumir as obrigações e responsabilidades sociais e ambientais que temos de acordo com a atividade que realizamos.

De onde vêm as roupas e os equipamentos que vestimos? Qual foi o seu impacto ambiental no processo de sua produção? Nós realmente precisamos deles?

  • Lidar com a nossa pegada: toda ação tem sua reação. As atividades ao ar livre criam um impacto negativo nos espaços que se desenvolvem. Esse impacto pode ser maior ou menor, tudo depende de como eles são realizados.

Então, faça você mesmo nasce a partir do momento em que pensamos o que levaremos conosco para a montanha (equipamentos, comida, água, roupas), como faremos nosso esporte outdoor, que tipo de relacionamento vamos estabelecer com os locais e que pegada estamos partindo em nosso rastro, ou seja, nasce a partir do momento em que nos envolvemos e reconhecemos que nossas decisões têm certas consequências.

Existem 7 princípios básicos estabelecidos pela filosofia Não deixe uma pegada (não deixe rastro):

  1. Planeje com antecedência e prepare-se.
  2. Acampe nas áreas indicadas.
  3. Descarte os resíduos adequadamente e, se possível, não os gere.
  4. Deixe o que encontrar.
  5. Minimize os impactos da fogueira.
  6. Respeite a vida selvagem.
  7. Seja atencioso com outros visitantes.

Spring 2016 Patagonia Worn Wear Tour. Contact [email protected] for more caption details.

Reparo, porque é um ato de rebeldia: contra a cultura de consumo que muda, coopta e normaliza a compra e que se desenvolve sob a obsolescência planejada e a oferta de produtos que duram apenas uma temporada, o reparo se torna uma ação subversiva porque prolonga a vida da equipe.

Estender a vida de nossas roupas através de cuidados, reparação adequada e reutilização reduz a necessidade de comprar mais, evitando assim as emissões de CO2, a produção de resíduos e uso da água necessária para produzir.

Este foi um dos mais recentes projetos estabelecidos pela marca americana Patagonia, que em seu site oferece um manual sobre como podemos reparar adequadamente nossas roupas.

Finalmente, a cultura montanhosa baseada no faça você mesmo deve ser desenvolvida como um exemplo global de como o ser humano pode viver em equilíbrio e harmonia com a natureza. Se não somos nós que damos o primeiro passo, quem fará isso por nós amanhã?

Comente agora direto conosco

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.