Guia essencial da Eslovênia – Trekking e escalada no celeiro dos melhores escaladores da atualidade

Relativamente desconhecido do público sul-americano, a Eslovênia é o principal celeiro de escaladores campeões da atualidade. Outrora conhecida por escaladores de renome como Martina Cufar, Maja Vidmar, Natalija Gros, Mina Markovic e Klemen Becan, agora possui uma das gerações mais vencedoras da história do esporte.

Atualmente quem brilha, na mesma intensidade de astros de futebol, é Janja Garnbret, Katja Kadić, Vita Lukan, Mia Krampl, Domen Škofic, Jernej Kruder e Gregor Vezonik.

Para um país que participou nas olimpíadas somente a partir de 1992, e que possui ao todo 23 medalhas nos Jogos Olímpicos de Verão, não é de se estranhar que a escalada, modalidade na qual o país está se transformando em grande potência, esteja se tornando tão popular. As medalhas de ouro da Eslovênia nas olimpíadas não foram muitas, chegando a um número total de 5, ganhas com judô (2), atletismo, remo e tiro.

Mas pergunte a qualquer pessoa que acompanhe as competições de escalada atualmente quem é a favorita ao ouro olímpico da escalada, que a afirmação será Janja Garnbret, maior escaladora esportiva da atualidade.

Uma boa medida de como a Eslovênia domina o cenário da escalada esportiva, é que nos Jogos Olímpicos da Juventude, disputados em Buenos Aires 2018, a jovem Vita Lukan conquistou a prata e é o principal destaque do país nas modalidades júnior de escalada esportiva na Europa.

Eslovênia

Para quem quiser descobrir os segredos dos melhores escaladores da atualidade, o mais indicado é fazer uma visita a este pequeno país do Leste Europeu, limitado ao norte pela Áustria, ao leste pela Hungria, ao sul pela Croácia e a oeste pela Itália e pelo Mar Adriático.

A Eslovênia fazia parte da Iugoslávia, até conquistar sua independência em 1991. Desde 2004 é o único país ex-comunista a fazer parte da União Europeia e outros acordos de livre comércio.

O que faz a Eslovênia ser potência mundial na escalada?

Eslovênia

Foto: IFSC/Eddie Fowke

Com pouco mais de 2 milhões de habitantes em todo o país, a Eslovênia também têm poucas academias de escalada grandes. Se juntar o número absoluto de academias, não deve ultrapassar, por exemplo, o número de estabelecimentos no Brasil. Mas há um detalhe curioso na Eslovênia: em uma época que por ter a escalada sido promovida a modalidade olímpica, o número de grandes ginásios no mundo cresceu, mas o país não faz parte deste crescimento. O sucesso da escalada na Eslovênia é baseado na logística de muitas academias pequenas e antigas, unido a uma filosofia e cultura própria do país.

Mas as pequenas academias eslovenas, muitas das quais ficam nos porões dos prédios do país, são melhores do que as academias modernas no resto do mundo? Na verdade o segredo do sucesso está muito mais na filosofia, não nas estruturas físicas.

O segredo é “facilmente” revelado ao observar vários atletas eslovenos e treinadores durante os últimos 15 anos. Grande parte dos atletas da seleção eslovena começa bem jovem, e o número de horas de escalada que eles praticam diariamente também é o destaque. Porém, o principal detalhe para este descobrimento de talentos está na educação básica eslovena: a maioria das escolas primárias e secundárias do país possui uma pequena parede de escalada nas suas dependências. Esta distribuição de muros de escaladas fez com que os melhores atletas do país começarem a escalar por volta dos oito anos de idade.

Já com 13 anos de idade, é normal que o melhor atleta esloveno faça várias competições e escale por volta de 15 a 20 horas por semana. Faz parte de seu treinamento também várias horas de escaladas em rocha. A cultura do país também ajuda bastante, sendo a Eslovênia reconhecida por possuir um grande espírito de equipe. Na Eslovênia não existem dirigentes, atletas e técnicos querendo aparecer mais que o próprio esporte e, mesmo trabalhando de maneira voluntária, não há uma necessidade visceral de reconhecimento. O reconhecimento vem naturalmente, à medida que os resultados acontecem.

O segredo da Eslovênia em ter os melhores atletas, em todos os níveis e em todas as disciplinas, passa pelo planejamento a longo prazo e por uma administração lúcida e racional de recursos recebidos pelos patrocinadores. A eliminação de conflitos de interesses, consolidação do respeito pelos atletas e uma união entre as academias de todo país, em torno de um interesse comum, fazem deste pequeno país o maior celeiro de estrelas da escalada esportiva do mundo.

Apresentando a Eslovênia

A Eslovênia é um dos países mais ricos em rocha e água da Europa. Possui 59 rios principais, muitos dos quais são oriundos dos Alpes Julianos, o sistema montanhoso que domina o noroeste do país, extensos aquíferos (formação ou grupo de formações geológicas que pode armazenar água) e enormes sistemas cársticos subterrâneos de água. Portanto, atrações para quem deseja praticar um pouco de escalada em rocha, trekking, canyonning e adquirir um pouco de cultura, não faltam.

O que pode ser entendido como uma explicação mais aprofundada, em termos socioeconômicos, para que o país tenha desenvolvido tantos atletas de alto rendimento na escalada, é o sistema de educação existente em território esloveno. Nos últimos anos, a Eslovênia apresentou uma significativa melhora em seus indicadores socioeconômicos, refletido por seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,896, o qual é o 25° maior do mundo em 2017.

IDH é um índice que serve de comparação entre os países do mundo, com objetivo de medir o grau de desenvolvimento econômico e a qualidade de vida oferecida à população. Este índice é calculado com base em dados econômicos e sociais, computando fatores como educação (anos médios de estudos), longevidade (expectativa de vida da população) e Produto Interno Bruto per capita (soma de todos os bens de um país dividido pela sua quantidade de habitantes). A título de comparação, o Brasil possui um valor de 0,759, ocupando o 79º lugar da lista da ONU. A Argentina possui 0,825 (27º lugar) e o Chile 0,843 (44º lugar).

Foto: Maja Hitij/Bongarts | http://www.zimbio.com

Observando o país pelo aspecto do montanhismo, é fácil verificar que não é um país densamente montanhoso. A Eslovênia tem como o seu ponto culminante o Monte Triglav (2.864 m). Porém a grande atração desta montanha é que fica em uma das maiores e mais antigas reservas naturais da Europa, o Parque Nacional Triglav. O Monte Triglav é tão icônico na Eslovênia, que o seu desenho está na bandeira do país.

Para se ter uma ideia, este parque ocupa 3% da área do país. Para que seja feita uma comparação, seria proporcionalmente um parque no Brasil possuir o tamanho do estado do Piauí. Portanto, praticar turismo de aventura na Eslovênia é proporcionar a si mesmo uma descoberta agradável de um país que é reconhecidamente um dos mais ecológicos do mundo.

O Índice de Desempenho Ambiental (Environmental Performance Index – EPI), produzido pelo Centro de Políticas e Leis Ambientais, realizado pelas Universidade de Yale e Columbia, avalia nas políticas ambientais de 180 países. Este índice revela se os países estão atingindo metas ambientais estabelecidas internacionalmente. A Eslovênia apresentou um desempenho de fazer inveja a muita gente, obtendo pontuação 67,57.

Se o idioma esloveno pode, a princípio, parecer uma barreira, na verdade não é. A maior parte da população da Eslovênia, estimada em torno de 75%, fala inglês fluentemente. Aliás, a Eslovênia é o 6º país do mundo com maior proficiência na língua inglesa.

Como chegar

  • Avião

Para chegar à Eslovênia saindo desde o Brasil é um pouco complicado. O motivo: não há voos diretos entre qualquer cidade do Brasil até o principal aeroporto do país que fica em Ljubliana (capital da Eslovênia): Aeroporto Brnik.

Para chegar ao país é necessário fazer algumas conexões em aeroportos maiores da Europa como, por exemplo, Roma, Paris e Frankfurt. As empresas que oferecem opções de voo à Eslovênia são KLM, Air France, Gol e Turkish. O valor do voo é relativamente interessante, levando em conta a distância entre Brasil e Eslovênia: aproximadamente US$ 1.000.

Para quem já estiver dentro da Europa, uma opção interessante é a companhia aérea nacional eslovena: Adria Airways, A empresa opera voos (ida e volta) para muitas cidades europeias.

  • Trem

Por estar dentro no continente Europeu, é possível chegar de trem até a Eslovênia. Mas fique atento na possibilidade de haver linhas de trens que façam o trajeto da cidade que você está, até a Eslovênia. A rede ferroviária eslovena é operada pela Slovenske Železnice (SŽ) e opera linhas para a maior parte dos destinos no país. A capital Liubliana, é o centro de distribuição das conexões domésticas de trem.

O recomendado para visitar o país, e usufruir o transporte ferroviário em solo esloveno, é adquirir o Eurail Slovenia Pass que é uma espécie de passe livre em trens por tempo preestabelecido. O valor de um passe destes sai a partir de € 216.

Saindo desde a cidade alemã de Munique, a viagem leva em torno de sete horas.

  • Carro

Quem dispuser de um motorhome, uma viagem até a Eslovênia é bastante interessante. A possibilidade de poder passar por Itália, Croácia, Áustria e Hungria no caminho (dependendo o itinerário e localização), torna esta possibilidade ainda mais interessante. Na Europa existem empresas que alugam motorhome a partir de € 1,50 por dia.

A visitação à Eslovênia com um carro alugado em um outro país europeu é relativamente descomplicada, mas é necessário mostrar toda a documentação ao cruzar fronteiras. Para quem estiver de mortorhome, ou carro alugado, não deve esquecer de que é obrigatório ter um selo de pedágio colado no vidro do carro. Este selo pode ser comprado em postos de gasolina dentro do país, ou nos países vizinhos. A multa por viajar sem este selo varia de € 300 a € 800.

Para quem está acostumado com o modus vivendi da América do Sul, vale também uma observação: a maioria dos postos de gasolina é self service.

  • Ônibus

Apesar de não ser muito comum, há a possibilidade de chegar à Eslovênia de ônibus. Quem optar por esta alternativa, contará com linhas conectando a capital Ljubljana, além de outras cidades eslovenas, para aproximadamente 1.400 destinos da Europa.

A companhia eslovena mais popular é a alemã Flixbus, que também atua em outros países. A principal estação rodoviária de Liubliana é a Avtobusna Postaja Ljubljana.

Escalando na Eslovênia

Escalada em rocha e montanhismo são atividades populares na Eslovênia, oferecendo algumas áreas de escaladas bastante imponentes e, por algum motivo, ainda pouco visitadas por europeus. Mas não por muito tempo, pois a Eslovênia está tornando-se um destino de férias cada vez mais popular. Entre os habitantes da Europa, além da escalada e montanhismo, a história, cultura e paisagem estão atraindo muitos turistas ao país.

Podendo unir cultura, conforto e qualidade de escalada, os locais da Eslovênia são perfeitos para aqueles que desejam escalar solidamente por uma semana, ou duas, e combinar as duas coisas como parte das férias. Ao todo há 84 falésias esportivas com mais de 3.600 vias dentro da Eslovênia. Todas as vias, de acordo com escaladores que conheceram o lugar, muito bem equipadas e chapeletadas.

A Eslovênia também oferece, além das áreas de escalada, muitas outras atividades outdoor, como rafting nas corredeiras do Rio Soèa (diz-se sotcha e internacionalmente é conhecido como rio Esmeralda), parapente e, no inverno, esqui cross country. Acima de tudo, a Eslovênia tem inúmeras opções para trekkings, hikings e passeios de mountain bike em todas as regiões.

Opções não faltam na Eslovênia, desde as impressionantes cavernas cársticas, construções medievais, museus interessantes e pequenas cidades que parecem ter saído de livros.

Para quem procura escalada em rocha, as quatro principais áreas de escalada na Eslovênia são:

  • Bled e Bohinj
  • Osp (incluindo Trieste na Itália e Istria na Croácia)
  • Celje
  • Ljubliana

Bled e Bohinj

Situada na região noroeste da Eslovênia, mais precisamente nos Alpes Julianos, subcordilheira dos Alpes que se estende desde o nordeste da Itália até o país, a escalada em torno do Lago Bled é a mais pitoresca e espetacular de toda a Eslovênia. Por ser uma área montanhosa e circundada por um lago, a escalada aqui é ideal para aqueles que desejam combinar um feriado com esportes de montanha (trekking, hiking, mountain bike, canoagem, etc), além de ser um lugar ideal para levar crianças.

São sete setores principais que oferecem mais de 350 vias ao redor de Bled (incluindo Bodesce, Bohinjska Bela, Bitenj potok, Bitnje e Bohinj), todas bem chapeletadas em rochas compactas de calcário.

Todas as vias de escalada são geralmente esportivas e com uma boa variedade de graus em todas as falésias. De acordo com os guias impressos da região, os quais podem ser comprados em qualquer loja de esportes outdoor do país, a maioria das vias fica na faixa 6a a 7b francês (6º a 8b brasileiro).

A época ideal para visitar Bled para escalar é da primavera até o outono no hemisfério norte (março a setembro).

Osp

http://www.sloclimbing.com

A escalada na região de Osp é a mais popular na Eslovênia, pois possui mais de 600 vias de todos os graus. Existem três falésias principais, que ficam a uma distância quatro quilômetros uma da outra: Osp, Misja Pec e Crni Kal. A escalada nesta região é uma mistura de escalada esportiva e de várias enfiadas, tudo em calcário. Escalar na região é possível durante todo o ano, mas a época ideal é da primavera até o outono no hemisfério norte (março a setembro).

Osp fica perto da fronteira com a Itália, onde há também algumas escaladas a serem encontradas em Trieste. Caso não queira visitar a Itália, há também a fronteira com a Croácia, onde existem algumas excelentes escaladas.

Para escalar na região, há apenas único guia disponível, chamado Climbing without Frontiers (escalada sem fronteiras em tradução livre), que cobre a escalada em torno de Osp, Trieste na Itália e Istria na Croácia.

Celje

https://www.climbistria.com

Situada no nordeste da Eslovênia, a escalada em torno de Celje consiste de duas grandes falésias: Kotecnik e Kamnik. Nas duas falésias há, ao todo, 350 vias esportivas em calcário.

A maior falésia é Kotecnik, que oferece uma boa variedade de graus. Já a escalada em Kamnik oferece uma boa seleção de vias com graduação baixa de 4 a 5c francês (4º a 5sup basileiro). Este setor é imensamente visitado por pais, escolas e academias que pretendem introduzir alunos na prática do esporte.

Este é, inclusive, um dos segredos pouco comentados da Eslovênia de possuir tantos escaladores e o esporte ser tão popular no país: uma falésia inteira, com quase 100 vias, somente com graduação baixa, voltado para o público iniciante e a família.

Kotecnik e Kamnik estão situadas dentro de florestas, tornando-os áreas ideais para escaladas, desde a primavera até o outono no hemisfério norte (março a setembro), e são muito populares no verão.

Ljubliana

Foto: http://www.koroska.si

Com Ljubljana sendo a capital da Eslovênia, este é um local popular para ficar com muitas opções disponíveis de alojamento. Devido à excelente estrutura viária do país (e de tamanho relativamente pequeno), as falésias próximas à cidade são facilmente acessíveis a menos de uma hora do centro de Ljubljana.

Ao todo a região da capital possui pouco mais de 20 locais de escalada.

Os locais mais conhecidos e próximos a Ljubljana são Preddvor (52 vias), Korosica (76 vias), Burjakove peci (91 vias), Gornji Ig (73 vias) e Turnc (83 vias). Todas as informações sobre as áreas de escaladas próximas de Ljubljana, podem ser encontradas no único guia de escalada para a Eslovênia, chamado Slovenija Sportnoplezalni Vodnik.

Trekking na Eslovênia

Foto: https://www.itinari.com/

Os Alpes Julianos, juntamente com os Alpes Kamnik e Savinja, têm muitas montanhas com mais de 2.000 metros, incluindo a montanha mais alta da Eslovênia, o Monte Triglav (2.864 m), a mais visitada das montanhas da Eslovênia. Há até um ditado esloven que diz que para se tornar um verdadeiro esloveno, a pessoa deve chegar ao cume de Triglav pelo menos uma vez na vida.

No entanto, Triglav não é uma montanha fácil, possuindo um cume íngreme e exposto. Isso requer do montanhista experiência e conhecimento de técnicas de montanhismo, além de saber usar equipamentos de via ferrata.

Mas o trekking na Eslovênia não se resume somente ao Monte Triglav. As montanhas eslovenas, juntamente com vales e lagos, fornecem muitos lugares para trekking e hiking. O Parque Nacional Triglav abrange a maior parte da cordilheira dos Alpes Julianos e é uma área onde o caminhante, e não o motorista, reina supremo.

Os caminhos e trilhas são bem mantidos e sinalizados, além de haver muitas cabanas de montanha espalhadas por todo o parque, oferecendo bebidas e acomodações a quem estiver passeando por lá.

A maior parte dos Alpes Julianos fica dentro das fronteiras da Eslovênia, no noroeste do país. O cenário de rocha calcária na Eslovênia é exuberante, com rochedos íngremes mergulhando em florestas e campos de flores, enquanto cachoeiras e rios caem das falésias para desaparecer misteriosamente em um leito rochoso e reemergir em outro lugar. Há também belos campos abertos e florestas se aninham sob as montanhas.

Os Alpes Kamnik e Savinja estão localizados no norte da Eslovênia, na fronteira com a Áustria, e são mais silenciosos do que os vizinhos Alpes Julianos. O cenário é tipicamente alpino, com cerca de três quartos da superfície coberta de floresta. A montanha mais alta dos Alpes Kamnik e Savinja é chamada Grintovec (2.558 m), mas há ainda muitas outras montanhas com mais de 2.000 metros de altura, que servem de iniciação para todo o tipo de montanhista.

Os caminhos e trilhas nos Alpes Kamnik e Savinja são bem mantidos e sinalizados, proporcionando excelentes passeios para atender todas as habilidades dos turistas. Há também uma boa rede de cabanas de montanha que fornecem bebidas e acomodações.

O Vale Soca fica entre os Alpes Julianos e o Mar Adriático, e é ótima opção para hiking, trekking e mountain bike. Este vale foi palco de intensos combates durante a Primeira Guerra Mundial e a história das batalhas ainda pode ser observada até os dias de hoje.

O trekking Pot Miru (Caminhada da Paz) tem 100 km de extensão e liga o tranquilo Vale Soca com os mais importantes museus e memoriais da Primeira Guerra Mundial.

O trekking Pot Miru começa em Log pod Mangartom, na entrada da mina chamada Štoln, e termina no museu ao ar livre Mengore, perto de Most na Soči.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.