Emily Harrington: Os detalhes do acidente que fez a comunidade de escaladar refletir

A escaladora profissional norte-americana Emily Harrington sofreu um grave acidente no último final de semana, enquanto escalava o El Capitan, em Yosemite (EUA). O acidente foi noticiado em primeira mão para a América Latina pela Revista Blog de Escalada na segunda-feira. Desde então a redação procurou entrar em contato com a assessoria de imprensa da escaladora para saber mais detalhes. Nos últimos dois dias, diversos veículos de informação também noticiaram o acidente que a própria escaladora classificou como “queda feia” em uma rede social.

No final do dia de ontem, desde o leito hospitalar do Community Regional Medical Center em Fresno, Califórnia (EUA), Emily Harrington concedeu uma entrevista a um veículo de imprensa norte-americano, revelando maiores detalhes de sua queda e do que lembra do acidente. Na entrevista, Emily se limitou a dizer: “não me lembro de sentir o impacto. Lembro-me de esticar o braço para procurar uma agarra e, nessa fração de segundo, meu pé escorregou. Me recordo também de cair. A próxima coisa que me lembro depois disso foi de Alex (Honnold) estar ao me lado me socorrendo”.

A via que Emily Harrington tentava escalar era “Golden Gate”, graduada com dificuldade 5.13a norte-americano (10a brasileiro) e possui 36 enfiadas. A via possui uma extensão de 915 metros. Segundo declarações do próprio Alex Honnold, o qual ajudou no resgate de Emily, “A ‘Golden Gate’ é muito mais difícil que o ‘Freerider’ (via que Alex ganhou notoriedade escalando em estilo solo)”. Por coincidência, a “Golden gate” e a “Freerider” compartilham as primeiras enfiadas.

Estilo “à francesa”

Para que se tenha uma ideia da dificuldade da “Golden Gate”, a via possui apenas três ascensões, em estilo livre, de apenas um dia: Tommy Caldwell, Brad Gobright e o próprio Alex Honnold. Emily Harrington tentava junto com Alex Honnold a façanha de entrar para o “clube da ‘Golden Gate’ em um dia”.

Segundo a própria Emily Harrington descreve na entrevista, ela estava tentando a ascensão da via em menos de 24 horas há pelo menos 4 anos. A primeira vez que a escalou, em 2015, levou seis dias. Na época a escaladora divulgou um vídeo (assista abaixo).

Na sua última tentativa, Alex Honnold e Emily Harrington planejaram driblar o tempo frio que estava fazendo em Yosemite com uma estratégia arriscada. Ambos planejaram escalar no estio conhecido no Brasil como “à francesa” ou “em simultâneo” e no começo da manhã. Uma estratégia arriscada, que consiste em uma escalada que tanto quem está guiando, como o segundo, progredirem simultaneamente.

Nesta estratégia escala-se mais rápido e pode-se chegar nas paradas com uma corda menor. Entretanto, se quem está guiando cai, sofre uma queda gigantesca, a qual deve ser monitorada por um companheiro também focado na escalada. Não é uma técnica para principiantes. Geralmente esta abordagem é recomendada para enfiadas com graduação baixa.

Mas por que a estratégia de escalada à francesa? Porque neste estilo é possível fazer mais cordadas em menos tempo. Nele deixa-se grandes distâncias entre as proteções e, assim, é possível eliminar até quatro cordadas.

O acidente

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Emily Harrington (@emilyaharrington) em

Quando Emily Harrington escorregou e sofreu a queda, estava em uma enfiada que é cotada em 5.10 norte-americano (6°sup brasileiro), por uma passagem com duas fendas. Harrington é considerada pela comunidade de escaladores dos EUA uma escaladora forte, com capacidade de enfrentar vias de dificuldade 5.14 norte-americano (a partir de 10c brasileiro).

Alguns metros abaixo estava uma proteção fixa, a qual ela poderia ter usado para melhorar a sua segurança. Por causa da estratégia adotada pela cordada, que priorizava a velocidade de ascensão, a proteção não foi utilizada. Honnold estava a aproximadamente 45 metros abaixo, se preparando para começar a escalar, quando escutou Emily gritar. Por sorte, Alex estava usando um grigri, equipamento que muitos desaconselham em escalada com proteções móveis. Mas no caso de Emily Harrington foi fundamental para que não houvesse uma tragédia.

Próximo deles estava o norte-americano Jon Glassberg, da produtora Louder Than 11, filmando e fotografando a escalada. Emily Harrington, que é patrocinada por uma grande marca de equipamentos norte-americanos que costuma propor este tipo de risco aos seus atletas, trabalhava nas filmagens para futuramente lançar um filme sobre sua conquista. Glassberg notou que Harrington teve um pequeno momento de distração no momento da queda.

O impacto da queda chegou a arrancar a headlamp da cabeça de Emily Harrington. Como estava na penumbra, Honnold e Glassberg não conseguiram observar detalhes do que aconteceu durante a queda. Alex Honnold foi então ao encontro de Harrington, que estava acordada e ferida no rosto.

O que sucedeu foi o procedimento básico de um acidente com escaladores em Yosemite. Jon Glassberg transmitiu uma mensagem de rádio para a força de resgate, o Yosemite Search and Rescue (YOSAR) . Logo em seguida, o namorado de Harrington, Adrian Ballinger foi avisado do acidente e que preparasse tudo para recebê-la. Ballinger, que também é escalador e guia de alta montanha no Himalaia, também foi ao encontro de Harrington para supervisionar e ajudar no resgate.

Por sorte, ao chegar ao hospital Emily Harrington recebeu a notícia de que apenas possuía ferimentos superficiais, como a queimadura por corda em seu rosto e algumas escoriações. A escaladora confessou que vê o acidente como um aprendizado, afastando qualquer dramatização da imprensa não especializada.

Emily Harrington recebeu alta do hospital no final do dia de ontem.

There is one comment

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.