Como coletar, potabilizar e purificar água na montanha

O verão começa em dezembro aqui no hemisfério sul e com ele há a expectativa de muito calor. Portanto, uma hidratação correta já foi abordada aqui em um artigo completo sobre os tipos de líquidos a serem consumidos em um trekking (isotônico, hipotônico e hipertônico). Entretanto, não tem como fugir do óbvio: hidratar-se na montanha é necessitar consumir água.

Há nas atividades de montanha situações que há a necessidade de abastecer os reservatórios de água. O consumo de água não tratada pode dar origem a sintomas e algumas doenças, como por exemplo diarreia, febre tifoide, hepatite A, leptospirose, cólera e infecções intestinais. A água também pode parecer estar limpa e ainda assim, estar contaminada, porque as bactérias se desenvolvem facilmente neste ambiente. Mesmo áreas remotas, como o continente antártico, apresentam concentrações de contaminantes como o mercúrio e o chumbo.

Por exigir tanta cautela com o tipo de água consumida que todo praticante de esportes de montanha deve saber purificar, potabilizar e coletar água em seu trekking ou hiking. No mercado existem vários filtros que previnem uma emergência de ter de purificar uma água coletada. Entretanto, para quem não possui os filtros, é imprescindível saber como se prevenir.

Como coletar água

O primeiro passo para coletar água é localizar a melhor e mais confiável fonte de água. Infelizmente na montanha, em alguns casos é a única. Por causa desta escassez devemos sempre desconfiar da água que encontramos e analisar o ambiente antes de consumi-la e armazena-la.

Portanto, antes de beber água de qualquer fonte, considere:

  • Devemos sempre procurar água corrente em riachos ou córregos. Nunca beber água parada de poças ou lagos, pois bactérias ou parasitas podem se acumular nestes lugares, por mais cristalina a água pode parecer. Cristalinidade da água nunca deve servir de parâmetro único para o consumo.
  • Nas fontes de água corrente é preferível procurar as nascentes, ou seja, aquela que vem diretamente da rocha.
    Entretanto, devemos analisar a existência de poluição nas proximidades, como fezes de animais que pastam na área, currais ou chiqueiros nas proximidades, etc. Nesses casos, mesmo que a água seja corrente, ela pode estar infectada.
  • Para lugares mais áridos ou desérticos, observe onde a vegetação se acumula e procure em volta dela. Também observe os animais, pois eles podem nos levar para onde bebem água.

Fonte: http://www.pbfingers.com/

Na montanha, devemos nos preocupar especificamente com três grupos patogênicos dos quais temos que nos proteger:

  • Bactérias: Eles sobrevivem em águas frias. Causam doenças que causam salmonela, cólera, disenteria, tifo, e levam de 2 a 5 dias para se manifestarem. Seus sintomas incluem dor abdominal, dor de cabeça, febre, náusea e vômito. Em apenas 0,1% dos casos, é fatal.
  • Vírus: São bastante comuns nas águas tropicais e transmitem doenças como poliomielite ou hepatite. Pode resistir ao congelamento e são muito contagiosos. Se manifestam de 24 a 48 horas depois do consumo. Seus sintomas incluem vômitos e diarreia.
  • Parasitas: Também sobrevivem em águas frias. Os mais comuns são protozoários, amebas e vermes. As doenças que causam são giardíase e criptosporidiose. Levam de 2 a 20 dias para se manifestarem e seus sintomas incluem náusea, diarreia, dor de estômago, febre, dor de cabeça, flatulência etc.

Purificar e potabilizar água

Primeiramente é importante salientar algo: água potável não significa necessariamente água pura. Agua potável não contém substâncias nocivas à saúde, mas existem vários minerais que estão diluídos, como o flúor, cloro, cálcio e o magnésio, dentre outros elementos. A água pura não possui nenhuma substância em sua composição, além de hidrogênio e oxigênio.

Ao contrário da água potável, a pura não é encontrada na natureza. Para obter a água pura é preciso que ela passe por um processo de destilação. Vale ressaltar que a água pura não é própria para o consumo por não possuir os sais minerais que são necessários aos seres vivos.

O que nós comumente chamamos de purificação da água em ambiente de montanha nada mais é que a potabilização. Ou seja, o que realizamos na montanha nada mais é que um processo de tratamento da água, a fim de remover os contaminantes que eventualmente contenha, tornando-a potável.

Os processos mais usados na montanha para purificação ou potabilização da água são:

  • Decantação: Não elimina nenhum tipo de parasita, bactéria ou vírus. Este processo é usado apenas para a água em boas condições de consumo, mas que está túrbida por vestígios de terra. Consiste em deixar a água coletada descansar para que todas as partículas se depositem no fundo. Posteriormente, a água será transferida a outro recipiente, evitando mover as partículas do fundo.
  • Filtros portáteis: Eficaz na eliminação de parasitas e bactérias, mas não de vírus. Consiste em bombear a água através de uma malha com poros muito pequenos (pelo menos 1 mícron, mas recomendado 0,4 mícron ou menos) para remover impurezas.
  • Fervura: Este é o mais antigo dos métodos de purificação da água. Consiste simplesmente em aquecer a água até ferver (100°C) por 2 a 5 minutos. É o mais eficaz na eliminação de parasitas, bactérias e vírus (exceto o da hepatite).
  • Comprimidos de purificação de água: São vendidos em lojas especializadas em esportes montanhas e executam processos químicos diferentes para liberar oxigênio, que é o que produz o efeito desinfetante de bactérias e vírus. Importante: o único que desinfeta os parasitas é o dióxido de cloro.
  • Sodis: Desinfecção solar da água ou sodis é um método de desinfecção de água de baixo custo que utiliza os raios ultravioleta do sol e garrafas plásticas do tipo PET transparentes. Utiliza a luz do sol para matar os agentes patogênicos presentes na água. Depois de filtrada, a água deve ser colocada nas garrafas PET transparentes (não esquecer de mante-las fechadas) e expostas à luz solar durante seis horas. A radiação proveniente do sol vai purificar a água matando bactérias e vírus. Se o tempo estiver nublado, é necessário que as garrafas fiquem expostas durante 2 dias.
  • Iodo: Consiste em aplicar 2 a 10 gotas de iodo para cada litro de água coletado e deixar agir por pelo menos 30 minutos. Este método elimina bactérias e vírus. A desvantagem é que ele também deixa um gosto ruim na água.

Comente agora direto conosco

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.