Emergências na Patagônia: Conheça a mulher que coordena os resgates em El Chaltén

Todas as vezes que acontecer uma emergência na região de El Chaltén, especialmente com escaladores que vão ao Fitz Roy, a Comisión de Auxilio do Centro Andino El Chalten será chamada. Esta brigada de resgate, a qual todos são voluntários, fazem um trabalho que é referência no mundo inteiro. No comando desta tarefa está a médica argentina Carolina Codó.

Atualmente com 49 anos de idade, Codó sempre foi uma escaladora dedicada e forte, enquanto estava na escola de medicina. Quando se mudou para a cidade de El Chaltén, há 26 anos, começou a coordenar as operações de resgate e a aplicar os primeiros socorros a quem necessitava. Logo que chegou à cidade houve a morte do escalador italiano Favio Stedile. Codó e mais dois escaladores conseguiram ajuda da Gendarmería que disponibilizou um helicóptero e resgataram o cordo de Stedile.

De acordo com declaração de Carlina Codó ao jornal argentino La Nación, o pai de Stedile tratou de tudo por telefone com ela e ficou muito agradecido pelo profissionalismo e respeito. Em homenagem a Favio, que também era resgatista na Itália, o pai fez ma doação de material técnico e capacitação. Desde então a Sociedade de Alpinistas de Trento tornou-se um grande padrinho. Assim nasceu a Comisión de Auxilio que leva o nome de Favio Stedile.

Foto: https://www.elcorreo.com | Myrna Ermrich

De acordo com a argentina em uma entrevista concedida ao jornal argentino La Nacion, havia somente 40 pessoas em El Chaltén (Agora tem quase 2.000 habitantes) e muito por fazer. A cidade foi fundada em 1985 e se autodenomina “a cidade mais nova da Argentina”.

Na cidade, Carolina montou um posto sanitário, percorreu a região auxiliando pessoas que necessitavam de atendimento médico, entre outras coisas. O curioso é que Carolina Codó afirma que tinha ido para ficar somente um ano, mas acabou se estabelecendo permanentemente. Codó por nove anos foi a única médica da cidade.

Comisión de Auxilio

Atualmente a Comisión de Auxilio do Centro Andino El Chalten é a síntese do espírito da cidade. Para se ter uma ideia, 10% da população de toda cidade é integrante da brigada de resgate. Mesmo na última temporada, que teve um número de acidentes muito acima da média, tanto Codó, quanto os resgatistas, foram defendidos e elogiados por toda a comunidade de montanha mundial. Cartas abertas dos irmãos Pou e do escalador argentino Rolando Garibotti fizeram questão de elogiar o trabalho da Comissión de Auxílio.

A Revista Blog de Escalada durante as divulgações de notícias sobre El Chaltén, o Club Andino Buenos Aires nos indicou que fosse procurá-la. Maioria dos escaladores de renome da Argentina também a recomenda que a procure, muito disso pelo reconhecimento do trabalho exemplar que ela tem feito junto dos resgatistas em El Chaltén. Na época, bastou um breve contato com Codó para perceber que se tratava de uma pessoa diferenciada, sendo sempre clara e direta nas informações prestadas. Durante a cobertura do acidente dos brasileiros Leandro Ianotta e Fabrício Amaral, foi Carolina Codó quem deu as informações mais relevantes e verídicas a respeito do resgate. Na região da Patagônia sul todos os veículos de comunicação a procuram, para saber informações oficiais sobre acidentes e necessidades médicas de El Chaltén.

Durante todo o período de apuração de notícias do resgate, Carolina Codó foi solícita, educada e prestativa em fornecer informações oficiais e em primeira mão. À época houve uma avalanche de notícias falsas a respeito dos dois brasileiros, gerando desinformação. A médica foi a principal voz que calou as desinformações e inverdades a respeito do resgate dos brasileiros.

Foto: https://www.elcorreo.com | Myrna Ermrich

A Comisión de Auxilio é fundamental em El Chaltén, pois é a única equipe humana que tem capacidade técnica e humana para resgates na montanha. “Trabalhamos com Parques Nacionais e da Gendarmerie, que resgatados em trilhas dentro do parque. Nós intervimos apenas em resgates técnicos. O Estado é incapaz de lidar com uma equipe de resgate como o nosso”, explica Leonardo Viamonte, vice-presidente do clube e um dos coordenadores de resgates à reportagem do La Nación.

Não é somente seu trabalho junto à Comisión de Auxilio que impactou a vida em El Chaltén. Em 1998, a visita do bilionário argentino Gregorio Pérez Companc, construiu uma amizade com Carolina Codó e levou a uma mudança radical na infraestrutura médica de El Chaltén. Depois de um estudo minucioso das necessidades, foi construído o edifício médico atual, adaptando-o às realidades da cidade. “Foi construído em 2000 e a primeira ampliação há apenas dois anos” afirma Carolina Codó.

Foi também Carolina Codó, que com três amigos, fundaram o Centro Andino El Chaltén e depois a Comisión de Auxilio de El Chaltén, que atualmente tem por volta de 60 voluntários, que são pessoas que vão até as montanhas, sem custo, e que são treinadas de maneira benevolente.

Quando perguntada sobre as dificuldades de acúmulo de funções, Carolina Codó responde que seu trabalho é “a combinação perfeita das coisas que ama”.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.