Abuso sexual: França investiga 4 denúncias em academias de escalada

No final de 2019, o patinador francês Morgan Ciprés foi acusado de enviar nudes para uma garota de 13 anos nos EUA. Logo após a denúncia as ex-patinadoras Sarah Abitbol, Heléne Godard, Beatrice Durmur e Anne Bruneteaux denunciaram os técnicos Gilles Beyer, Michel Lotz e Jean-Roland Racle, sobre abusos sexuais, agressões, intimidações e estupros dentro do ambiente de treinos.

As denúncias de abusos sexuais causaram uma intensa revolta sobretudo entre os atletas e público, que se uniram em massa exigindo investigações e a expulsão do dirigente Didier Gailhaguet.

A partir disso, começou um processo de investigação sobre assédio e abusos sexuais em todos os esportes. Como a escalada faz parte do grupo de esportes olímpicos, também passou por uma investigação, foram descobertas quatro queixas que ocorreram na escalada nos últimos anos com 3 gerentes envolvidos.

As quatro queixas de abuso sexual são investigadas pelos tribunais da FFME. A Federation Francaise de la Montagne et de l’Escalade (FFME), através de seu presidente Pierre You, rapidamente de pronunciou sobre o assunto, lembrando, em particular, que a entidade sempre propôs uma ação civil para apoiar as vítimas.

Como o processo ainda está sob investigação da polícia, o nome dos acusados não foram divulgados. A declaração da FFME, na íntegra, está, abaixo:

A Federação Francesa de Montanhismo e Escaladas sempre fez o possível para proteger as vítimas de abuso sexual

A FFME não esperou que este assunto estivesse no centro das notícias para levá-lo em mãos. Estamos convencidos de que é através da prevenção que limitaremos o número de casos de abuso sexual. É por isso que estamos integrando um módulo “Escalada e cidadania” em nossos cursos de treinamento de educadores que lidam com essas questões.

Atualmente, a federação está finalizando um módulo de treinamento em e-learning para líderes (representantes de clubes, comissões territoriais e ligas), a fim de aumentar a conscientização e informá-los sobre essas questões. Desde a sua implementação, nosso treinamento profissional também inclui um módulo para evitar esse tipo de risco.

Além disso, a federação colabora desde o ano passado com a associação “Colosso com pés de barro”. Representantes da associação vieram ao encontro dos treinadores, executivos e todos os funcionários da federação, em 26 de setembro, para uma sessão de trabalho com o objetivo de aumentar a conscientização e a prevenção.

A federação está trabalhando na elaboração de um acordo de parceria com o “Colossus with feet of clay”, a fim de permitir que nossos clubes, comitês territoriais e ligas organizem dispositivos semelhantes em qualquer lugar do território. Este acordo prevê prevenção, conscientização e aconselhamento às estruturas federais e também apoio às vítimas.

No que diz respeito aos profissionais da montanha, a federação apoia o sistema da União Interprofissional de Montanha, que recentemente criou uma unidade de assistência psicológica e jurídica “SPORT ÉCOUTE”.

A Federação Francesa de Montanhismo e Escaladas sempre lidou com denúncias de abuso sexual de que tem conhecimento. Os quatro casos citados na mídia não são casos novos que surgem hoje, a federação é informada de alguns desses fatos há mais de seis anos.

Esses quatro casos dizem respeito aos supervisores do clube e atualmente estão nas mãos dos tribunais e da administração.

A federação forneceu os conselhos necessários aos clubes que enfrentam essas questões. Sempre que possível, a federação iniciou um processo disciplinar contra os autores. Quando os tribunais reconhecem nosso interesse em agir, a federação se torna uma parte civil e se mantém informada, na medida do possível, do acompanhamento dado a esses relatórios.

A federação não deseja entrar em mais detalhes sobre esses casos publicamente, principalmente por respeito às vítimas, mas também para não interferir nas investigações criminais e administrativas em andamento.

Se é essencial que a palavra seja divulgada, o importante agora é não cair na paranoia e que as autoridades públicas permitam que as federações ajam melhor, fornecendo a elas as informações e as ferramentas necessárias, enquanto continuam trabalhando todos os dias para evitar esses casos de abuso sexual.

Comente agora direto conosco

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.