Uma cordada feminina escalando na Cachoeira do Tabuleiro – Veja o relato completo da história

Francine Borges e Nereida Rezende escalaram o bigwall da Cachoeira do Tabuleiro pela via “Hidro no Topo”. As duas escaladoras revezaram as cordadas até o cume, com grande afinidade e aproveitando as características e potencial de cada uma.

Francine guiou o 7c esportivo e Nereida o oitavo de cliff. Ao todo, a escalada durou dois dias de muita disposição, força, coragem e aprendizado. Francine guiou tudo até o platô: A chaminé de quinto, o diedro de 7b móvel e o esticão de quinto em móvel

Cordada feminina no topo do bigwall do Tabuleiro. Cuuummeeeee | Foto: Leandro Ianotta

A Cachoeira do Tabuleiro fica no município de Conceição do Mato Dentro e é a mais alta do estado de Minas Gerais e a terceira maior do Brasil. Com 273 metros de altura, a cachoeira é formada a partir de um paredão, com várias vias de escalada que exigem comprometimento de ambos os escaladores.

A Cachoeira do Tabuleiro está situada dentro do Parque Estadual Serra do Intendente criado em 2007.

A via “Hidro no Topo” é considerada um bigwall (via de escalada que exige dormir na parede), D5. Segundo a CBME, um D5 “Requer uma noite na parede. Cordadas muito velozes podem repeti-la em um dia”.

Tenho uma fascinação por esta via, tanto devido à beleza natural do local, quanto pelas dificuldades da escalada.

Já é minha quarta vez nesta via, já tinha guiado as outras cordadas com outros parceiros, mas agora consegui guiar os esticões de artificial de cliff. A via é comprometida, com esticões diagonais e negativos, por isso é exigido um termo de capacidade técnica para quem quer escalá-la, emitido pela FEMEMG (são três as pessoas que podem atestar a capacidade técnica das cordadas e assinar o termo: Wagner Borges, Leandro Ianotta ou Eduardo Barão).

As fotos abaixo são de Leandro Ianotta, mister monster, mentor e filmaker.

Relato visual

Aproximação com muito peso, só cordas eram quatro | Foto: Leandro Ianotta

Francine guiou tudo até o platô. A chaminé de quinto, o diedro de 7b móvel e o esticão de quinto em móvel

Chegando no início do 7b em móvel Foto: Leandro Ianotta

Francine iniciando o diedro de 7b em móvel, segundo esticão | Foto: Leandro Ianotta

Francine no diedro de 7b em móvel, indo para P2 | Foto: Leandro Ianotta

Lindo diedro em móvel na segunda cordada | Foto: Leandro Ianotta

Tocando pra cima em bom ritmo | Foto: Leandro Ianotta

Chegando na P2, as escaladoras seguem rápido pelo quinto grau até o platô.

Francine sacando o móvel para proteger no terceiro esticão | Foto: Leandro Ianotta

Tocando pro platô a 100 metros do chãov | Foto: Leandro Ianotta

Chegando no platô fomos comer algo rapidamente para cumprir a programação: guiar e deixar encordados os dois esticões acima do platô, um 7b esportivo com final em artificial de cliff, que a Nereida guiou e o 7c esportivo, que a Francine lindamente assumiu.

Gangue no platô | Foto: Leandro Ianotta

A Nereida quis guiar até a segunda costura da quarta cordada antes do mister subir na frente para filmar, para ter a seg do mister, mais pesado, já que é um crux com queda de platô. “Mister, se eu cair, se joga para trás”.

Nereida se preparando para o dinâmico | Foto: Leandro Ianotta

Eu botei para jogo e acertei de primeira o move. Na foto abaixo o mister pegou o lance, mas quando eu fiz pela primeira vez a costura era a lá de baixo.

Primeiro crux do quarto esticão | Foto: Leandro Ianotta

O quarto esticão é um 7b esportivo, que tem um segundo crux de dominar balcão. No final, tem algumas passadas de artificial, de cliff talon e móveis. Eu fiz tudo certinho e não cai.

Quarto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Quarto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Quarto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Quarto esticão | Foto: Leandro Ianotta

A Francine guiou o 7c esportivo lindamente. É bem negativo e exigente. Nestas duas enfiadas, nós duas usamos alguns móveis para intermediar.

Quinto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Quinto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Quinto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Quinto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Foi muito importante para o sucesso da escalada ter feito estas duas enfiadas no primeiro dia. Deixamos elas encordadas e fomos dormir no platô. No dia seguinte jumariamos elas e fomos pro meu crux, o esticão de oitavo de cliff.

acordar no platô | Foto: Leandro Ianotta

Jumariar as duas cordadas depois do platô | Foto: Leandro Ianotta

Chegamos bem no início do artificial de oitavo, 11h da manhã. Era a minha vez novamente de dar tudo! O mister subia antes, puxava a corda dele e depois descia de rapel para nos acompanhar, filmar e dar os betas. Eu fiz bem as passadas de cliff de buraco – talon, mas para chegar nos buracos tinha que dar umas passadas em livre hard e nesses momentos eu tive quedas.

Sexto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Sexto esticão | Foto: Leandro Ianotta

Sexto esticão | Foto: Leandro Ianotta

últimas duas cordadas | Foto: Leandro Ianotta

Depois daí, eu devorei as últimas duas cordadas, uma de sexto e uma de quinto, expostas. Fui num flow, que só pensava na próxima agarra, bem consciente, ávida pelo cume tão sonhado, em cordada feminina.

Últimas duas cordadas | Foto: Leandro Ianotta

Cume 17h, deu pra tomar um banho | Foto: Leandro Ianotta

Agradecemos ao mister monster, mestre Bean, ser iluminado! Se eu e a Francine somos estudantes na universidade do Tabuleiro, o que é o mister? Ele é o nosso yoda, nosso senhor myagi, nosso mestre dos magos!

Mister monster | Foto: Leandro Ianotta

Nereida Rezende escala desde 2008 e é no flow dessa atividade que ela se harmoniza com a essência da vida. Consciente de que está vivendo o dharma, ela vem consolidando sua trajetória profissional em escalada com a Climbing In Brazil, que opera como escola de escalada, receptivo de escaladores estrangeiros no Brasil e de brasileiros ao redor do mundo.

There are 3 comments

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.