Um paraíso de paisagens e escalada em calcário – Guia essencial de escaladas em Kalymnos

Se for feita uma pesquisa com escaladores de todo o mundo, a rocha preferida de grande maioria é o calcário. Sua característica não abrasiva, sempre com muitos buracos e agarrões que parecem ter saído do sonho de qualquer escalador, fazem deste tipo de rocha ser a mais procurada para quem gosta de escalada.

Sempre exigindo estilo atlético, pelas características das agarras, os locais de escalada com rocha calcária são os destinos mais disputados pelos escaladores esportivos.

Um destes destinos considerado um verdadeiro paraíso de escaladores está na Grécia, mais precisamente na Ilha de Kalymnos.

Este artigo tem como objetivo servir de pequeno guia para quem deseja conhecer este lugar fantástico.

Climbing-in-Kalymnos4

Como chegar a Kalymnos

Kalymnos é uma ilha do mar Egeu (bacia do mar Mediterrâneo) e pertencente ao arquipélago do Dodecaneso, na Grécia, e distante da Ilha de Rodes entre duas a cinco horas de navegação.

Para todo e qualquer turista internacional que queira chegar lá deve ir de avião até a capital Atenas.

Voos do Brasil até Atenas saem por US$ 700 (não inclusa taxas) em média, e dura 14:40, com 1 ou mais paradas em seu trajeto. De Atenas voe para a Ilha de Kos, há empresas gregas especializadas em voo de baixo custo como a OlympicAir, que opera voos para Kalymnos direto da capital da Grécia.

Escaladores e turistas que vivem na Europa têm a opção de procurar em companhias aéreas de baixo custo, como a EasyJet, e RyanAir, pagarão taxas que em média saem de €100 a €200. Como o turista europeu não necessita realizar trâmites de imigração, é possível voar diretamente para de algumas localidades direto para a Ilha de Kos.

Climbing-in-Kalymnos3

No aeroporto de Kos deve-se tomar um taxi, ou transporte público, até o porto Mastachari onde toma-se um barco (ferry boat) para Kalymnos.

Os barcos (ferry boat) funcionam todo o dia, começando o seu expediente ás 9:00. Fique atento ao detalhe de que existem dois tipos de barcos : o rápido (20 a 30 minutos e custam €6,00) e o lento (45 a 60 minutos e custam €4,00).

Ao chegar na Ilha de Kalymnos tome um transporte, táxi ou ônibus, para Massouri, que é a capital da escalada da ilha. A cidade é uma pequena vila que respira a escalada mas, como era de se esperar, não possui muita estrutura de uma cidade grande, apesar de bem moderna.

O taxi do porto de Kalymnos até Massouri custa em média €15,00 a €20,00.

Quem estiver indo para escalar em Kalymnos gastará maioria do tempo na vila de Massouri, por isso é recomendável que haja uma boa negociação com os locais onde ficará hospedado.

Climbing-in-Kalymnos2

Onde Ficar

A pequena vila de Massouri possui, em geral, pequenos apartamentos conhecidos na Europa como “studio” (uma palavra chique para quitinete) e hotéis relativamente chiques (com piscinas e café da manhã incluso).

Para os melhores hotéis é recomendável estudar quais são as notas (e tarifas) dos estabelecimentos disponíveis em sites especializados como TripAdvisor e Expedia.

O aluguel de studios variam entre €15 a €30 o dia, mas não possuem limite por número de pessoas. Os mais populares entre os escaladores são :

Algumas pequenas regras locais também são recomendadas para quem deseja visitar a Ilha, como a economia de água (Kalymnos sofre constantemente com falta de abastecimento), uso de sabonete de azeite de oliva, compra de comidas e mantimentos dos produtores locais além da coleta seletiva de lixo.

Para a coleta seletiva de lixo, mesmo quem aluga os studios, deve seguir os horários do caminhão coletor. As informações são fixadas na entrada do edifício.

Guias de Escalada Kalymnos

Na Ilha de Kalymnos existe apenas um guia de escalada, de autoria de Aris Theodoropoulos, vendido largamento em toda Masouri, com mais de 2.700 vias de escalada, distribuídas em mais de 80 setores de escalada.

Este guia possui vários croquis e fotos, tendo aproximadamente 450 páginas, e é comercializado em idioma inglês, sendo a graduação de vias de escalada utilizado em toda a ilha é a francesa.

Kalymnos-1

Já fazem dois anos uma novidade foi implementada na venda do guia de escaladas de Kalymnos : junto do guia é possível adquirir um aplicativo de celular (iOS e Android) que funciona como guia eletrônico das vias de escalada.

Logo após utilizar o guia, os locais pedem que não jogue fora o livro. Para isso foram criados centros de coleta de livros e guia de escalada nas seguintes localidades :

  • Climber’s Nest’ shop
  • Glaros Bar
  • Sofrano

Nestes lugares é possível alugar guias usados (ou ate mesmo pedir emprestado) por preço bem baratos.

Toda a informação a respeito do guia pode ser encontrada em : http://climbkalymnos.com

Melhor época para escalar

A Ilha de Kalymnos é conhecida pelo seu clima seco, e pela possibilidade de escalar todo o ano. Mesmo assim, obviamente, alguns períodos são melhores que outros para escalar.

  • Outono (Primavera Hemisfério Sul)

O outono em Kalymnos (período de primavera no Brasil) é geralmente bom, com temperatura agradável, possibilitando escalar todo o dia. Raramente chove na ilha durante setembro e outubro.

Do meio de outubro em diante, escalar em algum setor onde há sol é bastante agradável.

  • Inverno (Verão Hemisfério Sul)

O inverno de Kalymnos é uma grata surpresa (especialmente para quem é europeu), quando é possível até mesmo escalar de camiseta. Durante o inverno há bastante ocorrência de tempo firme com temperatura amena. Porém é época de baixa temporada, e muitos restaurantes fecham neste período.

Durante os meses de janeiro e fevereiro são os meses em que o clima não colabora muito, com temperatura chegando aos -12°C (apesar de sempre estar ensolarado).

Climbing-in-Kalymnos1

  • Primavera (Outono Hemisfério Sul)

As condições da primavera são similares ao do outono.

  • Verão (Inverno Hemisfério Sul)

Ao contrário do que se pode imaginar, é muito difícil escalar no verão, por conta das altas temperaturas da região. A alta umidade faz com que o calor pareça sufocante, e escalar no sol parece proibitivo.

Entretanto alguns setores localizados à sombra a escalada é possível encontrar a possibilidade de praticar o esporte.

Equipamentos de escalada em Kalymnos

Para escalar em Kalymnos com tanta variedade de vias é importantíssimo preocupar-se com os equipamentos de escalada a levar.

Como gasta-se muito dinheiro para chegar em Kalymnos (como você deve ter percebido no texto), alugar equipamentos de escalada na ilha é proibitivo. A menos, claro, que dinheiro não seja seu problema e tenha a possibilidade de gastar como se não houvesse amanhã.

Caso você não se encaixe neste perfil de perdulário, preocupe-se em levar os seguintes equipamentos :

  • Quantas costuras

Grande parte das vias de Kalymnos possuem até 25 a 30 metros, muito bem protegidas. Por este detalhe, preocupe-se em levar um número elevado de costuras para a ilha.

Geralmente o número padrão de costuras que os escaladores usam em Kalymnos é 20 costuras, seguindo uma regra prática de que :

  • Se a via possui entre 20 a 25 metros, será necessário de 10 a 12 costuras
  • Se a via possui entre 30 a 35 metros, será necessário de 15 a 20 costuras
  • Tamanho da corda

O tamanho da corda que se recomenda para Kalymnos é de 60 metros (com diâmetro de 9 a 10,5 mm), sendo recomendado fortemente cordas de 70 metros.

Este comprimento pode parecer exagerado para quem não conhece o lugar, mas novas vias chamadas de “monster routes” estão utilizando este tipo de corda.

  • Ressola de sapatilhas

Para quem estiver escalando muito, e acabar gastando a ressola da sapatilha, em Kalymnos há ressoladores de sapatilha de plantão.

O ressolador da ilha chama-se Mike Reed e pode ser contactado via internet em sua fanpage.

Sobre o Autor

Luciano Fernandes

Luciano Fernandes

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha e Argentina. É totalmente dedicado ao esporte de escalada em rocha e é apaixonado em filmes Outdoor. Para aproveitar melhor esta paixão fez curso de documentário na Escola São Paulo, além dos cursos de “Linguagem Cinematográfica” e “Crítica de cinema”. Foi jurado do Rio Mountain Festival. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Espanha, Uruguai e Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.