Estudo científico compara quais os reais ganhos na força dos dedos nos escaladores que treinam em fingerboard

Um dos instrumentos mais utilizados, e consequentemente contestados, por escaladores de todos os níveis é o fingerboard. O treinamento em fingerboard popularizou bastante após o treinador Luis Lubeigt publicar sua rotina de treinamentos no início dos anos 2000 em um artigo que tornou-se imensamente popular. Fingerboard (tábua para dedos) é uma placa de resina com buracos de vários formatos e profundidades, com bordas retas e abauladas. Esta placa é usada para exercícios de fortalecimento dos dedos, antebraços e core (power house)além de treinar força isométrica e de barras (pull up).

O equipamento é muito popular na comunidade de escalada pois pode ser instalada em qualquer residência e permite que mesmo com mínimo de espaço, há possibilidade de treinamento de fortalecimento. O formato do fingerboard não é formalmente padronizado, e por isso cada fabricante vende um formato diferente, com fatores como textura, ergonomia, resistência e variedade de furos e bordas diferentes.

Mas a pergunta mais importante que muitos escaladores se fizeram foi: realmente faz a diferença para treinamento de escaladores? A escaladora, que também é doutora em educação física, Eva Lopez realizou um estudo científico que acompanhou a evolução de um grupo de escaladores para saber se o treinamento em fingerboard é eficiente ou não.

O estudo científico será publicado no The Journal of Human Kinetics, revista científica que possui um rígido sistema de revisão realizado por pares e chama-se peer-review. Além disso, a revista deixa o estudo disponibilizado para consulta, livre da obrigação de assinatura. A disponibilização na internet depende da expedição de um DOI (Digital Object Identifier), um número universal de identificação de um trabalho científico.

Eva Lopez apresentou o trabalho, assim como detalhes de seus resultados, no 2º Simpósio de Ciencia da Escalada, realizado em dezembro último. Com o nome oficial de “Comparison of the Effects of Three Hangboard Strength and Endurance Training Programs on Grip Endurance in Sport Climbers”, o estudo avaliou escaladores em um programa de treinamento de 24 semanas, dividida em três módulos iguais. Em um universo de 26 escaladores esportivos (no nível de 7c+/8a francês), foram realizados diversos exercícios específicos em fingerboard como suspensão intermitente e máxima em regletes de 18 mm, menor reglete possível.

O estudo concluiu que o ganho de resistência foi de 34%, além tornar capaz com que o escalador segure regletes 60% menores. Desta maneira o resultado sugere que treinamentos intermitentes em fingerboard são mais eficientes para desenvolver a resistência. Isso em um programa de oito semanas em escaladores experientes.

Entretanto, ambos os métodos (suspensão máxima e/ou intermitente) podem ser alternados por longos períodos de tempo.

O estudo pode ser consultado no site: https://www.researchgate.net

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.