Serviço Florestal dos Estados Unidos estuda cobrar por fotos tiradas em parques americanos

ditarura-americana

Serviço Florestal dos Estados Unidos (United States Forest Service) está estudando tomar uma decisão já considerada polêmica e que dará muita discussão entre os frequentadores de parques estaduais.

O chefe do departamento Tom Tidwell anunciou que será cobrado por fotos tiradas nos parques estaduais americanos.

O anúncio teve om efeito de uma bomba,  pois a contemplação de parques sem a possibilidade de tirar fotos parecia ter saído de alguma obra de ficção científica.

Poucos dias após o anúncio se pronunciou novamente sobre a nova política de fotografia e filmagem em ambientes naturais.

A medida não se aplica a jornalistas ou visitantes os quais realizarão fotos para o uso pessoal (como turistas por exemplo)

Entretanto, para produtores de vídeos e fotógrafos profissionais a política será diferente: serão cobrados US$ 1.000,00 de multa por foto não autorizada em parques e ambientes naturais mantido pelo Serviço Florestal dos Estados Unidos.

O serviço florestal dos estados unidos é uma agencia do departamento de Agricultura que admiistra as 155 florestas e 20 pradarias americanas.

Para que os fotógrafos e produtores de vídeos será necessária a aquisição de licenças especiais, após pagamento de uma taxa, para a realização em um período de tempo específico.

O tipo de cobrança será muito parecido com as licenças de caça, mas esta nova exigência será para quem apenas tira fotos, ou filma no ambiente.

A norma ainda não foi promulgada, e está sobre consulta popular até o início do mês de dezembro.

O  Serviço Florestal americano possui longa lista de proibições que exigem pagamento de taxas, como coleta de cogumelos selvagens, flores e etc.

Foto: http://www.eso.org

Foto: http://www.eso.org

A agência processará judicialmente quem desobedecer esta regulamentação caso fique provado que determinada foto, ou vídeo,  foi obtida sem a devida licença.

Como norma geral, fotógrafos amadores ou profissionais não necessitarão de licença a menos que use modelos e atores, sendo permitido por exemplo os timelapses vinculados em redes sociais.

A regra que era vigente permitia filmagens comerciais cobra taxas em torno de US$ 30,00 o dia para um grupo de 3 pessoas.

Com a nova regulamentação o custo sai a US$ 1.500,00 a licença , sendo passível de multa de US$ 1.000,00 por foto.

Foto: http://www.guystrongphoto.com

Foto: http://www.guystrongphoto.com

Repercussão

O impacto da decisão abritrada pelo departamento governamental americano foi enorme, e está sendo debatido com ânimos inflamados pela internet e mídia televisiva.

A discussão está dentro da quebra da “Primeira emenda” da Constituição dos Estados Unidos que é uma parte da Declaração de direitos do país.

A Primeira Emenda impede, textualmente, ao Congresso americano de infringir seis direitos fundamentais.

  • Estabelecer uma religião oficial ou dar preferência a uma dada religião
  • Proibir o livre exercício da religião
  • Limitar a liberdade de expressão
  • Limitar a liberdade de imprensa
  • Limitar o direito de livre associação pacífica
  • Limitar o direito de fazer petições ao governo com o intuito de reparar agravos

Claramente a cobrança de taxas para a documentação da natureza, ou mesmo a realização de filmes outdoor estão dentro da primeira emenda, mas o serviço florestal americano não entende desta maneira.

Neste mesmo ano departamentos de parques nacionais americanos proibiram o uso de drones, impedindo de certa maneira a produção de filmes e documentários com imagens

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.