Ser ou não ser, um velhinho hard core?

Adam Ondra, que dor de cotovelo. Aos quinze anos ele guiava 9a. Em um dia “bom” ele mandou um 9a, 8c+ e um 8c, incrível! Eu tenho o dobro da idade dele, tenho dedicado os últimos três anos de minha existência a escalada, e não estou sequer perto do nível da criatura. Na verdade, eu não estou nem perto de estar perto.

Claro, eu devia estar feliz por ter encontrado um esporte que tanto me inspira e motiva a diariamente colocar esforço e sacrifício no prato, mas não é fácil. As revistas da banca constantemente me lembram de que eu não sou o escalador que eu deveria ser. Eu não tenho patrocinadores, nem uma foto de impacto de minha estimada pessoa “em ação”. Suspiro…

Então, quando o mestre Ondra escala o seu décimo 9a, isso serve apenas para me lembrar que eu não o fiz. E, sendo ele tão novo, isso apenas sugere que eu jamais irei, e que na idade dele, quando eu poderia tê-lo feito, eu estava na casa dos meus pais me sacudindo ao som do Green Day.

Não posso evitar de pensar nos treinos que perdi, o treino necessário para ser uma lenda da escala, o treino em que Adam esta tomando uma cerveja, as custas de uma identidade falsa e gargalhando sobre nós amadores tentando enfiar um misero dia de escalada entre trabalho, família e limitações climáticas.

Perdão por resmungar tanto, mas eu não estou sozinho nessa barca. Talvez você também já tenha se perguntando “qual o ponto?”. Escala a um tempão, atingiu um respeitável platô mediano, então porque treinar mais? Porque continuar se lesionando, enfrentando o frio, calor e a chuva para treinar de manhã? Ou a noite? Porque eu não vou apenas pra praia surfar, ou jogar golf?

Pra que me espelhar em Adam e outros jovens bigatos mutantes se eu estou na verdade ficando mais velho, e não mais novo?

Calma, nem tudo está perdido. Um interessante livro chamado “Tolstoy’s Bicycle” sugere que o famoso escritor russo Leo Tolstoy, foi aprender a andar de bicicleta aos 67 anos. O livro lista, por ordem de idade, feitos impressionantes de centenas de personalidades famosas. Por exemplo, King John tinha 41 anos quando assinou a Carta Magna, a base da lei inglesa, e Leonardo da Vinci tinha 67 quando terminou a Mona Lisa.

Juventude eterna, eis o santo graal da motivação. Encontrar grandes feitos realizados por escaladores “mais experientes” está cada vez mais fácil e comum, e apesar de um pouco mais raros, grandes marcas também são quebradas por escaladores quarentões e bem mais velhos.

Idade Feito
30 Donald Desbrow Whillans corta os italianos, o Papa e o tempo Patagônico para garantir a primeira ascenssão da Torre Central do Paine, no Chile.
31 Andy Kirkpatrick passou espantosos 15 dias com Ian Parnell enquanto trabalhavam na repetição da via Lafaille, considerada até então a via artificial mais difícil da Europa (A5, M7, V), no Dru, durante o inverno.
32 Ueli Steck quebra seu próprio recorde e escala a rota 1938 na face norte do Eiger em 2h47’. Isso da mais de dez metros escalados por minuto! Igualmente impressionante é a primeira ascenssão em livre do The Nose, Yosemite, por Lynn Hill.
33 Pete Livesey, alguns poucos anos após ter começado a escalar, define novos limites para a escalada tradicional com a via Footless Crow (E5 6c) em Borrowdale. Ele aparece de novo, em 1970, no topo do Annapurna após encarar a incrível face sul juntamente com Dougal Haston.
34 Edmund Hillary escala o Everest com Tenzing Norgay (com 39 anos na época). Pat Marrow também escalou o Everest em sua busca dos 7 Picos (de cada continente), que inclui a Pirâmide Carstensz / Warren Harding faz a primeira ascenssão do The Nose, no Yosemite, meros 47 dias de ralo.
35 Walter Bonatti escala o que foi talvez sua maior rota, a ascensão invernal, solo, da face norte do Matterhorn.

Steve House e Vince Anderson escalam o Nanga Parbat, em estilo alpino, ao longo de cinco dias.

36 Na Patagônia, Rolando Garabotti completa a última das grandes travessias alpinas, em quatro dias, da Agulha Standhardt ao Cerro Torre via Punta Herron e a Torre Egger. Para conseguir ganhar o cume do Torre, Garabotti e seu parceiro, Colin Haley, passaram mais de três horas cavando um tunel através do cogumelo de gelo.
37 Joe Brown faz uma ascensão televisionada de uma nova rota na face sul do pináculo Old Man of Hoy, na Inglaterra, E2 5b.
38 Dave Birkett complete sua nova rota em Scafell, Return of the King, E9 6c.
39 Jerzy Kukuczka torna-se a segunda pessoa (após Messner, veja logo abaixo) a escalar todos os 14 8000. Isso é impressionante considerando-se que muitas das ascensões foram novas rotas, quatro foram em condições invernais, e ele fez todos os cumes em menos de 8 anos.
40 Achille Compagnoni deixa o jovem Walter Bonatti sofrendo o primeiro bivac já feito a 8000m, para se transformar no primeiro homem a culminar o K2 (8661 m).
41 Nick Bullock e Andy Houseman escalam a via 1938 na face norte do Eiger em um dia e meio.
43 Stevie Haston manda sua nova via de dry-tooling, a mais difícil do munto até então, The Empire Strikes Back (M10/M11).

Eliseu Frechou (43) e o Marcio Bruno (37) abrem uma nova via no Monte Roraima.

44 O pouco conhecido Reinhold Messner faz cume no Makalu (8462m) e se torna o primeiro a escalar todos os 14 picos co mais de 8000m. Dessas conquistas 12 foram realizadas quando Messner já tinha mais de 30 anos de idade.
47 Mick fowler ganha o Piolet d’Or por sua nova rota no Siguniang (6250m), China, com Paul Ramsden.

Sérgio Tartari participa da conquista de uma nova via no no Pilar Casaroto do Fitz Roy juntamente com Luciano Fiorenza e Jimmy Heredia.

48 Manolo (Maurizio Zanolla) manda a via Bain de sang, f9a. Alguns meses mais tarde ele também encadenou a via Eternit, f9a, nas Dolomitas.
49 Sérgio Tartari era o mais “experiente” de um seleto grupo de experientes durante a dura escalada do Salto Angel, na Venezuela. Também participaram Jose Luiz Hartmann (44), Edemilson Padilha (39), e Waldemar Niclevicz (45).
52 O agora vovô Stevie Halston finaliza Descente Lolitta, f9a, em Grotte de Sabart nos Pirineus, um teto de 30 metros dentro de uma caverna. Na semana anterior ele havia aberto um E8 na Península de Lleyn.
55 Karina Filgueiras (45) e Bito Meyer (55) abrem a via “No Amaryllis” (6° VIIB D4 E3 220M), no Paredão Enamorados, Portal das Agulhas Negras.
60 Francisco Marin, pai do famoso escalador espanhol Edu Marin Garcia, manda Gemini, f8b+, em Rodellar, após um ano e meio de tentativas.
70 O ingles John Sheard, de 70 anos, mais de 50 anos de escalada, (ainda) manda f7b! Francisco Marin, pai do famoso escalador espanhol Edu Marin Garcia, manda Gemini, f8b+, em Rodellar, após um ano e meio de tentativas.

Bill Burke, da California escalou o Everest. Em maio de 2012 ele voltou para a montanha com a proposta de escalar o Everest novamente, os dois lados, na mesma estação….

81 Gerry Bloch, que iniciou sua carreira de escalador em 1934, nos arredores de Nova York e New Jersey, se torna o mais velho escalador a subir o El Capitan, no Yosemite.

Claro, os cínicos de plantão irão chorar “isso é tudo muito bonito, mas você não é o Mick Fowler”, ou podem apontar corretamente que Malcom Smith já escalava f8c+ quando Fowler tinha apenas 18 anos, mas isso é perder o ponto fundamental da questão. O importante não é que eu serei um grande escalador, mas que a idade, o único e fundamental detalhe o qual eu não posso mudar, não é a responsável por eu escalar tão mal. Eu ainda tenho quase 17 anos para ganhar o Piolet D’Or e isso é um caralho de tempo. Adam Ondra foi de embrião a mega monstro da escalada em apenas 15. Obviamente eu talvez precise tomar sérias e dramáticas mudanças de atitute (largar meu emprego das 9 as 5, terminar com a minha namorada para poder passar mais tempo escalando, e provavelmente voltar a morar com os meus pais para salvar dinheiro para as expedições) mas, é possível, o objetivo existe, os meus melhores anos não estão necessariamente pra trás, e eu estou novamente motivado. Então, quando eu leio que Ondra acaba de escalar o primeiro f9b+ do planeta, ao invés de me sentir miserável eu apenas lembro que Fowler ganhou o Piolet d’Or aos 47, e ele também tem um emprego das 9 as 5, mulher e duas filhas. Mick, você é meu herói. Você sempre será melhor que eu, e você sempre será mais velho.

Fácil é arrumar desculpa. Mais fácil ainda, é não fazer nada, deixar como está. Agora da licença que eu vou treinar…

Continua…

Murilo Lessa é natural de Piracicaba e desde 2008 mora em Londres, na Inglaterra. Analista de Sistemas, também pratica canyoning, trekking, e é piloto de paraglyder. Se dedica a escalada e ao montanhismo desde 2009, e faz mil malabarismos para balancear treinos e ambições egoístas com a família e o trabalho.

There are 2 comments

  1. Marco Alves

    Também comecei a escalar tarde, aos 45 anos e realmente tenho que me conformar por ter deixado passar o tempo de fazer grandes atividades físicas. Pior que isso, ver que com o tempo só piorei… rs
    Minha competição é comigo mesmo, não com um garoto de 20 anos, isso seria muita burrice. Basta vermos que os grandes atletas se aposentam bem antes dos 40 anos.
    O importande é pensarmos que estaremos bem mais felizes e melhor de saúde, escalando, que não fazendo nada… Abs.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.