Seguro de viagem internacional: Para que serve?

Toda pessoa que pretende sair do país, para uma atividade outdoor, raramente pensa que algo poderá sair errado na sua atividade. Mas inegavelmente acidentes e imprevistos podem acontecer. Não há muitas pessoas que dentro os gastos de viagem, colocam o seguro de viagem internacional no montante de gastos. Muito disso por não haver oficialmente uma cobertura especial para quem faz escalada, trekking, surf, ou qualquer outra atividade fora do padrão “turista perdulário”.

Entretanto, cada uma das atividades citadas há, ainda que em um grau considerável, a possibilidade de acontecer um acidente que necessite de atendimento médico. Alguns destinos, como Espanha, Canadá, Argentina ou Chile por exemplo, possuem hospitais públicos e que irá amortizar os valores pagos em um atendimento emergencial. Nestes países citados alguns procedimentos são cobrados. Porém se o destino for EUA, que o serviço público de saúde é quase que prioritariamente privado, os gastos podem ser gigantescos.

seguro de viagem internacional

Ao contrário do que algumas pessoas afirmam (sobretudo para destinos como Torres del Paine, Dientes de Navarino e Chalten), a contratação de seguro de viagem internacional não é obrigatório para todos os lugares. Porém, é recomendado por agência de viagens a destinos de turismo de aventura.

Alguns países exigem a contratação de seguro de viagem internacional. Por isso é altamente recomendável que o viajante se informe sobre a obrigatoriedade, ou não, de um seguro.

O que é, e para que serve

Em linhas gerais o seguro de viagem internacional funciona como um plano de saúde temporário. Isso porque muitas operadoras de seguro de saúde no Brasil não oferecem cobertura para fora do território nacional. Geralmente este tipo de “cobertura tampão” cobre os dias exatos de viagem.

Cada operadora, naturalmente, possui regras específicas e que devem ser lidas atentamente pelos contratantes (sim, é chato. Mas não tem outro jeito).

seguro de viagem internacional

Foto: Dakota Snider.

Portanto um seguro de viagem internacional de qualidade tem a obrigação de arcar com as despesas médicas, como: atendimento hospitalar, medicamentos e, caso seja necessário, internação. Entretanto, não somente sinistros relacionados à saúde são cobertos por um plano de saúde. Outros incidentes como assistência em atraso de voos, reembolso de hospedagens em hotéis, extraviamos ou danos em bagagens, roubo de bagagens, assaltos, etc.

É necessário também prestar atenção em dois tipos de seguros de viagem:

  • Seguro Viagem Internacional: Este tipo de seguro de viagem cobre despesas médicas. O viajante tem de pagar do próprio bolso, para posteriormente ser reembolsado. Para este reembolso é necessário fazer a prestação de contas, com todos os recibos dos gastos executados. Por isso, procure ter um cartão de crédito que possa realizar este tipo de imprevisto.
  • Seguro Assistência Viagem: Também chamado simplesmente de “Seguro Saúde”, este tipo de seguro garante que seus gastos serão feitos pela própria seguradora. Grande parte das operadoras oferece toda a assistência para o sinistro, desde que esteja dentro dos limites de valores estipulados nos planos contratados.

seguro de viagem internacional

À primeira vista o seguro assistência viagem parece o mais indicado a quem for realizar atividades outdoor. Mas muitas operadoras possuem cláusulas que excluem o atendimento a quem pratica atividades como escalada, trekking e etc.

Portanto é muito importante que o viajante se informe sobre as cláusulas da seguradora.

Como contratar

seguro de viagem internacional

Escolher uma operadora de seguros é complicado e demanda pesquisa. Há uma opção simples: digitar Seguro de Viagem Internacional da barra de pesquisa do Google, e escolher pelo nome que mais lhe agrade. A prática pode parecer desprovida de inteligência (e na verdade é), mas é desta maneira que muitas pessoas escolhem o seguro (quando contratam o serviço).

Uma outra maneira, que é a mais indicada, é informar-se na operadora de seu seguro saúde (se é que possui um) se ela oferece o serviço a seus clientes. Algumas operadoras, as maiores provavelmente, já possuem este tipo de extensão do plano. Cabe ao viajante informar-se sobre isso, para saber se compensa contratá-lo.

Infelizmente não há no mercado um seguro de viagem internacional específico para quem realiza atividades outdoor. No mercado de seguros, a prática é vista com preconceito e conservadorismo pelas agências de seguros. Por isso, procure a operadora que lhe oferecer a melhor cobertura, além de condições e preços.

O seguro viagem internacional pode ser obrigatório dependendo do país que for visitar. Os países que exigem um seguro viagem internacional são os da Europa, que exigem uma cobertura mínima de € 30.000, que foi firmado em um acordo chamado Tratado de Schengen. Fazem parte do acordo: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Itália, Irlanda, Islândia, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Romênia, Suécia e Suíça.

Para viajar a Cuba, também é exigido a contratação de um Seguro de Viagem Internacional. Para as companhias de seguro o plano básico não oferece cobertura para esportes outdoor. Para isso é necessário escolher planos que possuem “coberturas extras”.

Entre todas as coberturas, as mais importantes são:

  • Assistência médica (doença e acidente)
  • Assistência farmacêutica
  • Assistência odontológica
  • Assistência para doença pré-existente
  • Repatriação médica
  • Repatriação funerária
  • Seguro bagagem
  • Seguro cancelamento viagem
  • Cancelamento ou atraso de voo
  • Assistência morte acidental
  • Assistência jurídica

Dentre todas as empresas de Seguro de Viagem Internacional, as melhores avaliadas de acordo com um ranking que leva a opinião do cliente:

  • Vital Card
  • World Nomads
  • Assist Card
  • Itaú
  • Mondial
  • GTA
  • Travel Ace

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

There is one comment

  1. Eduardo Sayao

    Cara, a world nomads que você cita no texto tem coberturas específicas para grupos de atividades, que incluem trekking, escalada, rafting, etc. Fiz em uma viagem ao Nepal, precisei ser resgatado de helicóptero a 5500m e não tive problema nenhum, inclusive cobriram internação e diversos exames. Recomendo!

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.