Regulagens Típicas na Fotografia de Montanha – Guia Essencial

Nesse nosso segundo artigo vamos tratar das regulagens típicas da fotografia de montanha.

O objetivo aqui é conseguir a nitidez, foco e fotometria corretos.

Se quiser dar uma revisada no artigo sobre equipamentos o link é esse aqui: http://blogdescalada.com

Amanhecer no Alto da Ventania – f/11; 2,5s; ISO160

Amanhecer no Alto da Ventania – f/11; 2,5s; ISO160

Em geral, quando se fotografa as paisagens em montanha, o que se quer é uma foto com grande resolução, além de foco em toda a cena, ou seja, foco desde o primeiro plano até o infinito.

É lógico que existem outros tipos de abordagem em fotos de montanha, mas na grande maioria das fotos o que se quer é essa nitidez extrema na cena toda.

ISO

A questão do ISO é bem simples: Nessas fotos vamos usar o ISO que nos dará mais nitidez, ou seja, o ISO mais baixo da câmera.

Fotos de paisagem costumam ser muito ricas em detalhes e o uso de ISOs altos pode comprometer seriamente a nitidez.

A exceção seria quando se quer congelar algum movimento (um cavalo correndo, o voo de uma ave, etc.) e nesses casos pode ser necessário subir um pouco o ISO, mas com uma consequente perda de qualidade da imagem.

Nota: Entrando um pouco mais a fundo nessa questão, o ISO de maior qualidade da imagem não é necessariamente o mais baixo, mas sim o ISO nativo da câmera. Na minha Canon EOS 7D, o ISO nativo é 160. Mas nem sempre conseguimos ter certeza sobre essa informação. Na dúvida siga sem medo a regra do ISO mais baixo.

Vale dos Frades – f/11; 1/60s; ISO100

Vale dos Frades – f/11; 1/60s; ISO100

Abertura

O foco em toda a cena se consegue com pequenas aberturas.

É comum o uso de f/8, f/11 ou até f/16. A partir daí a imagem começa a degradar devido a um fenômeno chamado difração da luz, e é por isso que se deve evitar f/22 ou aberturas até menores.

Nas típicas “lentes do kit”, as 18-55mm que vem na maioria das câmeras, f/11 é uma ótima pedida.

Para as finanças do fotógrafo de montanha isso é também uma boa notícia, pois em geral não é necessário investir nas caras lentes luminosas (lentes com grandes aberturas).

Velocidade

Aqui entra a verdadeira variável na fotografia de montanha. Com a câmera travada em ISO100 e f/11, o que vai definir a fotometria é velocidade.

Como estamos trabalhando com ISO baixo (baixa sensibilidade) e pequenas aberturas (pouca entrada de luz), vamos precisar de mais tempo para a captura da luz que vai dar a exposição correta.

Exposições longas = necessidade de tripé

Se você leu o primeiro artigo e ainda não se convenceu da necessidade de um bom tripé, espero que essa explicação te convença : Tripé é fundamental em fotografia de paisagem, devido aos longos tempos de exposição necessários para compensar o ISO baixo e a pequena abertura.

Entardecer em Guapiaçu – f/16; 1/20s; ISO160

Entardecer em Guapiaçu – f/16; 1/20s; ISO160

Fotometria e Histograma

Hoje em dia é fácil acertar “mais ou menos” a fotometria.

A maioria das câmeras tem o recurso de live view e você pode (tendo travado ISO 100 e f/11) ajustar a velocidade até ver o resultado que você quer no LCD.

Mas é extremamente importante verificar o histograma, que é aquele gráfico que apresenta a distribuição dos pixels nas zonas de baixas, médias e altas luzes.

Histograma

Histograma

A questão crítica aqui é evitar os estouros, ou seja, evitar que o histograma fique “empilhado” na extremidade direita.

Estouro é quando você tem uma área na foto totalmente branca, sem detalhes. Em fotografia digital estouro não tem conserto.

Estouro-fotografia-1

Histograma indicando estouro

 

Nessa foto dos Três Picos o estouro na captura deixou as nuvens sem detalhes ou textura.

Nessa foto dos Três Picos o estouro na captura deixou as nuvens sem detalhes ou textura.

Já nessa foto do Morro dos Cabritos a exposição correta preservou os detalhes e textura das nuvens

Já nessa foto do Morro dos Cabritos a exposição correta preservou os detalhes e textura das nuvens.

Já nessa foto do Morro dos Cabritos a exposição correta preservou os detalhes e textura das nuvens

Então não se esqueça ! O histograma é a ferramenta mais importante para fotometria em fotografia digital.

Aprenda a usá-lo.

Hiperfoco

O foco em toda a cena tem um nome: Hiperfoco.

Para conseguir o hiperfoco é preciso focar na distância hiperfocal, que nas pequenas aberturas é algum lugar bem próximo, literalmente o primeiro plano da foto.

Nesta foto do Rio Tök e Monte Kukenan o foco foi feito nas pedras do primeiro plano – f/8; 2s; ISO100

Nesta foto do Rio Tök e Monte Kukenan o foco foi feito nas pedras do primeiro plano – f/8; 2s; ISO100

Nesta foto do Rio Tök e Monte Kukenan o foco foi feito nas pedras do primeiro plano – f/8; 2s; ISO100

Aqui um link com a explicação completa da distância hiperfocal e um aplicativo que gera uma tabela específica para cada tipo de câmera: http://www.cambridgeincolour.com

Existem também aplicativos que calculam a distância hiperfocal para smartphones. Mas não se assuste. Focar no plano mais próximo costuma dar certo.

Morro dos Cabritos e Pedra D’Antas, foco feito na pilha de madeira – f/11; 1/20s; ISO160

Morro dos Cabritos e Pedra D’Antas, foco feito na pilha de madeira – f/11; 1/20s; ISO160

Na Prática

Hora de botar tudo em prática…

Bote a câmera no tripé e enquadre a cena.

Faça foco em algum elemento do primeiro plano. Estando no modo M, com ISO100 e f/11, ajuste a velocidade até a fotometria desejada.

Confira no histograma se não tem estouro.

Por fim faça o disparo usando um cabo disparador ou o timer da câmera.

Uma última dica: Com a câmera no tripé, desabilite o estabilizador de imagem (IS na Canon, VR na Nikon). Estabilizador de imagem se usa quando a câmera está na mão.

Confira a foto no LCD da câmera – verifique enquadramento, foco e histograma.

É uma receitinha básica, mas bem útil pra como ponto de partida.

Com o tempo é importante ir mais a fundo nas questões de fotometria, fotografando no formato RAW e usando o conceito de ETTR – Exposing to the Right.

Assunto para futuros artigos.

Sobre o Autor

Waldyr Neto

Waldyr Neto

Montanhista, fotógrafo e ciclista Waldyr dedica-se também na realização de disputados workshops de fotografias na região serrana do estado do Rio de Janeiro.

There is one comment

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.