Recuperação da Síndrome do antebraço “Bombado”

Você se aqueceu em uma via dois graus acima do que faz normalmente, esperando fazer bonito.

Bombou no segundo grampo, mas segurou a onda de qualquer forma, se arrastando e debatendo via acima na mais completa teimosia.

Pelo tempo que levou na via, você ganhou uma “Síndrome do Antebraço Bombado”.

Colocando em linguagem mais simples: você está tijolado, e não sabe se poderá continuar escalando neste dia.

Em outras palavras mais técnicas: aquela queimação, rigidez e sensação de fadiga que significa o fim de qualquer escalada real pelo dia todo.

Não precisa voltar para casa ainda, existe luz no fim do túnel.

Com alguns alongamentos e exercícios de quebra de ácido lático, você pode se recuperar e ainda clipar as costuras.

Alongamento

Uma vez que você trabalhou os dois braços, alongue gentilmente por 10 minutos.

Os movimentos devem ser firmes  e constantes – sem oscilações – e deve manter cada movimento de alongamento por pelo menos 10 a 15 segundos cada um.

Segure sua palma para fora, como um guarda que para o trânsito. Faça com a ponta dos dedos para cima e para baixo.

Foto: http://www.frozenshoulder.com/

Foto: http://www.frozenshoulder.com/

Puxe as pontas dos dedos por 10 segundos e solte.

Você pode fazer também, dedo a dedo e/ou apontar seus dedos em direção ao solo, pois a intenção é alongar o punho.

Para alongar a parte de cima do antebraço, flexione seu punho fechado na direção do braço.

Puxe o punho fechado gentilmente com a outra mão.

Agora, de frente para a pedra (ou para o solo) , coloque uma mão com a palma verticalmente orientada para cima e aberta contra a parede e na altura dos seus ombros.

alongamento-1

Foto: http://www.frozenshoulder.com/

Gradualmente, gire no sentido contrario ao da mão até que você sinta um súbito alongamento ao longo do braço e do ombro.

Você pode brincar de rodar sua palma voltada para fora para a direita e para a esquerda, também.

Pode ainda, se você encontrar uma superfície lisa à altura do joelho até o quadril, encoste-se e incline-se com as mãos abertas, e dedos para baixo e alongue-se.

Massagem

Foto: http://www.vswipaloalto.com/

Foto: http://www.vswipaloalto.com/

Para soltar os nós e a rigidez dos braços, você precisa ir fundo.

Mantenha o pulso solto e com a outra mão esfregue o braço usando as dobras dos dedos girando e suavemente.

Trabalhe gradualmente, pressionando apenas o ponto de dor e aliviando apos 5 segundos.

Descreva uma série de pontos de pressão entre o punho e o cotovelo. Com o braço esticado a frente, puxe sua mão para cima até onde aguentar.

Você pode também, massagear com o dedão, esfregando seu antebraço transversalmente com as costas da mão da mão e/ou massagear a palma da mão para liberar os tendões dos dedos.

Após o devido alongamento, prossiga para a “passada”.

Com uma mão em posição de golpe de caratê, palma virada para você, “passe”(como passar um ferro de passar roupas) a parte de baixo do seu antebraço no sentido do cotovelo para o punho.

Use uma pressão firme e gentil e mova devagar, repetindo se necessário.

Faça o mesmo para os músculos extensores da parte de cima do braço.

Agora flexione e estenda seus dedos para circular sangue nos seus dedos e gire os punhos em pequenos círculos.

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.