“Parece que é em outro planeta”: Adam Ondra analisa a escalada no Valle de Los Cóndores

Depois de uma semana intensa no Valle de Los Cóndores, Adam Ondra definiu o lugar como um dos melhores que já viu para escalar. Além disso, Adam prometeu voltar para novos projetos. Desta maneira, sem nenhum exagero, o Valle de Los Cóndores se consolida como um melhores lugares de escalada esportiva da América do Sul (se não for o melhor). Todas as impressões que Ondra teve com o local, pode ser visto nas declarações no vídeo acima.

Esta aventura com Adam Ondra começou faz quase dois anos. Em uma viagem que fiz à Catalunha, tive a sorte de conhecê-lo e falei sobre o Valle de Los Cóndores. Na oportunidade, mostrei fotos e alguns vídeos que tinha à mão. O escalador tcheco ficou muito interessado, mas por causa de seus diversos compromissos, somente em novembro deste ano que pode visitar o Chile.

O acordo realizado para que Ondra visitasse o Chile não foi simples e foi possível graças ao lobby de marcas como La Sportiva e Tendon, que não mediram esforços para trazer o melhor escalador esportivo da atualidade. Por estar sempre a comunidade de escalada prestigiando eventos, as marcas se sentem motivadas a trazerem os grandes nomes do esporte.

default

Ondra também contribuiu para que uma nova edição do Guia de Escaladas do Valle de Los Cóndores fosse disponibilizada, com suas fotos em vários setores e vias do lugar.

O guia pode ser baixado gratuitamente em: http://www.guiaescaladachile.com

Diário de viagem

Saímos em uma quarta-feira bem cedo, um dia após uma palestra ministrada no Shopping Mall Sport que lotou o estabelecimento. Chegamos às 13:00 ao Valle de Los Cóndores e por volta das 15:00 já estávamos no setor Huasamacos. Adam Ondra parecia um menino pequeno em uma fábrica de doces.

Em apenas três horas, já tinha encadenado todos os oitavos franceses (9c a 11b brasileiro) do setor, e deixou a via “La sensación del bloque” cotado em 9a francês (11c brasileiro) para ser escalada em flash nos dias seguintes.

default

Nos dias seguintes, foi um turbilhão de energia, que demonstrou que Adam Ondra tem energia ilimitada e para provar organizei abaixo uma lista do que ele fez em todos estes dias:

  • Mostrou ser uma das pessoas mais gentis e simpáticas que conheci na minha vida. Me atrevo a dizer que sua simplicidade e humildade são proporcionais aos seus dotes de escalador. Fez amizade com vários escaladores chilenos, recebendo e dando segurança a vários. Ele era parte do grupo de escaladores do Valle de los Cóndores. Para a maioria dos escaladores locais, este foi o que mais se destacou na sua visita.
  • Sua vontade inesgotável de explorar e buscar projetos é impressionante. Junto com os escaladores locais de Talca, “Negro” e “Pato”, equiparam a via mais difícil de todo o lugar e, talvez, do Chile (provavelmente até mesmo da América do Sul) no setor “Habitación del Tiempo”.
  • Encadenou (depois de limpar ele mesmo a via) a segunda parte da via “Alcatraz”, com dificuldade sugerida de 8c/8c+ francês (11a/11b brasileiro). A via consiste de um teto de quase 35 metros e que tinha cinco anos de equipada sem nenhuma ascensão.
  • Encadenou (depois de limpar ele mesmo a via) a via “A primeira Joya”, com dificuldade 8c francês (11a brasileiro). A via consiste de um negativo de aproximadamente 50°, em uma cova no setor Huasamacos. Esta via era considerada “esquecida”, por causa da dificuldade que possuía. Para os chilenos e sul-americanos que sirva de motivação.

default

  • Encadenou na quinta tentativa (depois de limpar ele mesmo a via) a via “La sensación del Bloque”, com dificuldade 9a francês (11c brasileiro). Esta via, Ondra queria tentar em flash, porque á tinha visto o vídeo de Alex Megos a escalando. Na via, ele verificou que a solução de Megos não era o ideal para ele, buscando posteriormente outra maneira. Para muitos foi surpresa que ele mesmo conseguiu entalar os joelhos em um lugar que ninguém imaginava, encadenando a via em um estilo que claramente demonstrou porque é o melhor escalador do mundo.
  • Escalou uma fenda perfeita e graduada em 6b+ francês (6sup brasileiro), ao lado da segunda cachoeira do Salto del Maule. Esta fenda possui quase 30 metros de extensão.
  • Equipava, junto dos escaladores chilenos Negro e Pato, uma nova linha no setor “La habitación del tiempo”, batizada de “Cachai” e graduada como um 9a+ francês (12a brasileiro). Esta é, sem sombra de dúvida, a via de escalada mais difícil do Chile. No último dia, Ondra tentou encadenar, mas depois de uma semana muito intensa e três tentativas que caiu a poucos metros da parada, acabou deixando para depois. A via possui uma extensão de 40 metros com uma parte em um negativo com 45° de inclinação.

Já cansado da semana de escalada, Ondra entrou no carro e duas horas depois já estava em Santiago do Chile. Já no dia seguinte, tomou o avião para voltar à República Tcheca, prometendo voltar para encadenar mais vias e equipar um setor inteiro de nono grau francês (11c a 12 c brasileiro).

Adam Ondra foi uma motivação para todos, pois seu carisma supera sua capacidade como escalador. Sempre com um sorriso, ganhou muita admiração real (e eu me incluo nisso). Talvez foi mais parecido a encontrar um amigo comum que gosta e se alucina pela escalada e que é capaz de parar para falar isso a você.

Tradução autorizada: http://rocanbolt.com

banner-rocanbolt

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.