Pacific Crest Trail: Um relato de viagem por 4.286 km de trilha

Para quem quer listar os trekkings mais icônicos do mundo, seguramente haverá uma citação à Pacific Crest Trail, conhecida popularmente por PCT. A trilha se popularizou mundialmente com o sucesso do livro Wild (traduzido no Brasil como “Livre”) da escritora americana Cheryl Strayed.

A principal característica da Pacific Crest Trail é, sem dúvida a oportunidade de imersão profunda na natureza da América do Norte, mesclando pernoite em abrigos e camping selvagem ao longo de seus 4.265 km, oficialmente medidos pela ONG responsável pela manutenção de todo trajeto. O trekking inicia na fronteira americana com o México (ao sul da cidade de Campo) e terminando no estado de Washington no Manning Park (que faz fronteira com o Canada).

Pacific Crest Trail

Foto: Edinho Ramon

Todo o percurso passa pelos estados americanos da Califórnia, Oregon e Washington, além atravessar nestes estados sete parques nacionais americanos. Não é, portanto, um itinerário indicado para iniciantes, nem para quem possui conhecimentos básicos de técnicas de montanhismo.

Como dito acima, a Pacific Crest Trail atravessa nada mais que sete parques nacionais americanos. Grande parte destes parques por si só já possuem várias rotas, também icônicas.


Os brasileiros

Pacific Crest Trail

Foto: Edinho Ramon

Edinho Ramon e Bia Carvalho, que atualmente estão percorrendo as trilhas da Pacific Crest Trail no projeto Caminho a Dois, 4.286 km pela PCT. Possuem o espírito aventureiro que tem mudado nosso lifestyle, aumentado nosso autoconhecimento e a vontade de se desafiar, além de nos levar a lugares incríveis.

Isso não implica necessariamente em viajar pelos cinco continentes, nem tampouco em realizar mil e uma aventuras. É muito maior que isso! É entender que “é importante sonhar, mas é fundamental transformar os sonhos realidade!”.

Edinho Ramon é um apaixonado pela vida. Procura vivê-la com uma intensidade incrível, enquanto executa um projeto já tem diversos em segundo plano. Fotógrafo e filmmaker, também se defende como compositor de vez em quando. Amante de aventuras e desafios, é paraquedista, ultra trail runner, Ironman, snowboarder, montanhista e escalador.

Bia Carvalho é apaixonada pelo mar e pela montanha! Traz da infância o amor pelos oceanos, pois passou a maior parte da infância à bordo de um veleiro. A atração pelas montanhas nasceu num momento de crise. Após duas perdas irreparáveis (pai e irmão) se encontrou na escalada. Paraquedista, escaladora e montanhista sempre que acha uma janela nos treinos é encontrada se aventurando por aí.

Os números (até agora)

Distância da fronteira com México 2.416,8 km
Altimetria positiva acumulada 68.788 m
Altimetria negativa acumulada 69.231 m
Dias 111
Período 5 de abril a 25 de julho
Zeros (dias de descanso) 9
Neros (distância < 15 km) 15
Média km/dia 23,7 km
Média km/dia total (contando zeros) 21,8 km
Dia mais longo 41,6 km
Dia mais curto 2 km
Dia mais quente 40°C
Dia mais frio -7°C

A jornada

Pacific Crest Trail

Foto: Edinho Ramon

Essa jornada surgiu do desejo de viver um longo período em contato com a natureza selvagem. Para transformar esse sonho em realidade organizamos o Caminho a Dois e estamos atravessando esse país continental a pé. O projeto Caminho a Dois foi planejado para ser executado por mim, Bia Carvalho, e meu marido, Edinho Ramon, com o objetivo de vivenciarmos intensamente o nosso casamento, desconectarmos o máximo possível e nos reconectarmos conosco mesmos e com a natureza vivendo o minimalismo.

Junto a esse desejo veio também a vontade de incentivar a cultura outdoor no Brasil, o que nos levou a montar o projeto que conta com o apoio da Osprey, Julbo, Spot, My Safe Sport e WMAI Brasil, e que tem como produto final a publicação de um livro, um filme e uma exposição fotográfica contando sobre tudo que vivenciamos por aqui.

A nossa jornada começou na fronteira com o México tendo o Deserto como parte inicial da nossa caminhada. Diferente do inicialmente pensado o deserto do Sul da Califórnia, apesar de seco e com pouca fonte natural de água, nada se parece com a imagem que pensamos de um deserto de areia, marrom e sem vida. Aqui cruzamos o deserto de montanhas que surpreendeu com seu verde, suas flores e sua beleza. Chegamos a pegar frente fria com neve e o calor, apesar de grande em alguns dias, não foi tão intenso como esperado. As sombras eram frescas e as noites bem frias.

Pacific Crest Trail

Foto: Edinho Ramon

Depois de cruzarmos toda a parte do deserto com seus aproximadamente 1.130 km, entramos nas Sierras.

A seção das Sierras era a mais esperada por mim. As montanhas exuberantes, o frio intenso, a neve presente e seus inúmeros rios. Foi um sonho vivenciar os seus 506 km de altitude. Ficamos a maior parte do tempo acima dos 3.000 m de altitude, o dia de altimetria máxima chegou a 4.000 m. A variação altimétrica diária era grande. Fazer um Passo (região de passagem nas montanhas para transpor de um vale para outro) por dia era o planejado.

Subíamos até perto do cume da montanha para atravessar da face Sul para a face Norte, descíamos nos vales e fazíamos a aproximação do Passo do dia seguinte. A gente acordava de madrugada para conseguir chegar no cume do Passo com a neve bem compacta. Isso porque normalmente tinha grandes passagens de gelo. Nós caminhamos usando microspikes e ice axe ou trekking poles.


Travessia Muir Pass

Pacific Crest Trail

Foto: Edinho Ramon

Na travessia do Muir Pass, quando essa regra não funcionou, sentimos na pele a dificuldade de cruzar um Passo cheio de neve descongelando e afundando nossos pés na neve. Demoramos muito mais, atolando na neve e sofrendo para conseguir avançar. Teve trecho que afundávamos até a coxa e caminhar era complicado.

Outro grande desafio das Sierras foram as travessias de rios. Entre pular pedras, atravessar troncos e enfrentar a força da água, os desafios foram sendo superados.

Finalizando a Sierra era hora de entrar no Norte da Califórnia, onde nos encontramos agora.

A paisagem aqui mudou bastante. As flores voltaram, o clima ficou mais úmido e o calor intenso. As cores e os perfumes das flores encantaram no início assim como os lindos lagos que passamos. Alguns dias foram bem monótonos e até sem graça para nós que com 3 meses de trilha passamos a sentir saudades de casa e dos amigos, principalmente enquanto à distância acompanhávamos a Copa do Mundo de Futebol.

Passado o marco da metade do caminho e com a energia renovada caminhamos agora com a presença exuberante do Monte Shasta (4.322 m) na paisagem enfeitando nossos dias. Em mais 10 dias aproximadamente concluímos essa etapa importante que é o estado da Califórnia e seguiremos pelos estados de Oregon e Washington concluindo toda a essa jornada de grandes surpresas e intensos aprendizados.

Graças ao apoio do Spot compartilhamos nossa localização em tempo real no nosso site, também é possível acompanhar nossa jornada no Instagram e no nosso Facebook.

Abraços e bons ventos!

Pacific Crest Trail

Bia Carvalho é apaixonada pelo mar e pela montanha. Edinho Ramon é um apaixonado pela vida. Ambos estão realizando a Pacific Crest Trail

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.