O que significa dinamizar uma queda de um escalador

Em teoria dinamizar uma queda de um escalador é tornar mais suave o tranco sofrido por ele durante uma eventual queda.

Usando uma linguagem mais técnica é a redução da força de choque de uma queda sobre escalador, segurador, ancoragem e costuras.

Porém esta é uma das maiores lendas da escalada esportiva e é cercada de tanta polêmica, a qual é percebível pelas discussões acaloradas entre os praticantes.

Muitas pessoas confundem deixar uma enorme “barriga” com o fato de efetivamente “dinamizar” a queda de um escalador.

Na verdade o ato de dinamizar uma queda de um escalador tem muito mais a ver com o comportamento dinâmico dos materiais, e menos com estratégias e adequações técnicas.

Fator de queda

Para entender bem o que é dinamizar uma queda é fundamental que antes saiba o que é um fator de queda.

O fator de queda é o resultado da relação entre a altura de queda e o comprimento da corda.

Este fator está diretamente relacionando com a carga que sofre o escalador durante a sua queda, e sempre depende da distância do escalador até a última proteção.

fator-de-queda

Portanto caso o segurador deixe uma barriga na corda, esta distância também entra no cálculo do fator de queda.

Utilizando a proporção matemática de fator de queda aumentando uma eventual “barriga” na corda para 1, 2 e 3 metros, temos o seguintes resultados abaixo

fator-de-queda-2

Analisando este gráfico é fácil concluir que quando mais barriga se deixa em uma corda durante a segurança de um escalador, maior será o fator de queda.

Ou seja, em caso de uma distância de 1 metro do escalador até a última proteção o fator de queda quase duplica se deixarmos uma barriga de 3 metros.

Porém para saber se este aumento é significativo em termos de carga efetuada na corda, é bom sabermos uma outra equação que mede a dependência da força de choque com o fator de queda.

dinamizar-queda-3

 

Fazendo a conta considerando um escalador de 80 kg, constante de corda 21.500 (k= seção x módulo de Young), e uma corda de 10 mm.

O módulo de Young ou módulo de elasticidade é um parâmetro mecânico que proporciona uma medida da rigidez de um material sólido.

Observando o gráfico é possível concluir que a força do choque sobre o escalador, quando há uma barriga, aumenta.

fator-de-queda-3

Portanto a carga efetuada sobre o escalador pode aumentar de 50 a 100 kg (de acordo com os dados utilizados como exemplo).

Da mesma maneira que pudemos observar no fator de queda, há um aumento de carga sobre o escalador quando é utilizado uma maior barriga na corda.

Conclusão 

Observando os dados friamente, pode-se concluir que uma grande barriga dada na corda reduza a força de choque no escalador.

Uma realidade de existir uma barriga é que faz com que a queda seja maior, fazendo com que o escalador “voe” por mais tempo que o necessário.

O verdadeiro objetivo de deixar uma pequena folga na corda (não confundir com barriga) é dinamizar a progressão do escalador, e não sua queda.

Segurador que tem o costume de deixar grandes barrigas de corda em sua segurança, não é bom no que faz.

Referências

Sobre o Autor

Luciano Fernandes

Luciano Fernandes

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha e Argentina. É totalmente dedicado ao esporte de escalada em rocha e é apaixonado em filmes Outdoor. Para aproveitar melhor esta paixão fez curso de documentário na Escola São Paulo, além dos cursos de “Linguagem Cinematográfica” e “Crítica de cinema”. Foi jurado do Rio Mountain Festival. Já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Espanha, Uruguai e Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá.

There are 3 comments

  1. Iván

    Oi pelo que eu entendo dinamizar a queda deveria ser uma prática que só faria sentido se for usado um dispositivo de bloqueio assistido, por exemplo, GriGri. Assim, dinamizar não tem a ver com deixar barrigas, isso seria um erro, mas sim com dinamizar o sistema acompanhando o movimento de puxar que a corda dá no seg (inclusive com um leve pulo) e não tentando puxar para trás no sentido contrário. Penso que dar seg de GriGri e não fazer seg dinâmica é muito perigoso pois já vi escaladores (e vivenciei eu mesmo) voltar na parede violentamente por causa da seg estática. Abraço e buenas caídas.

  2. ADERCIO CAMPOSANO

    ESTOU FAZENDO UM TRABALHO E GOSTARIA DE UMAS OPNIÃO.
    SIGNIFICADO DE FATOR DE QUEDA E FATOR DE CHOQUE.
    DESCREVER UM POSSÍVEL ACIDENTE EM ALTURA ENVOLVENDO UM FATOR DE CHOQUE E UM FATOR DE QUEDA.
    O QUE É A” REGRA DOS DOZE” EM SALVAMENTO EM ALTURA.
    COMO SE FAZ A FICHA E CONTROLE DE UTILIZAÇÃO DE CABOS DE SALVAMENTO EM ALTURA.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.