O medo caminha junto!

Foto: mojagear.com

Foto: mojagear.com

“Não vou conseguir!

Acredita!

Retesa, vou ficar na tua!

Não! Tenta de novo.

Vai pela direita!

Não adianta, tô com medo quero descer!”

E esse foi o diálogo que levei para casa martelando em minha cabeça num domingo desses.

Você passa a semana esperando por aqueles dois diazinhos de folga para escalar, faz planos, pensa nas vias que quer entrar, convoca a parceria e já imagina dias perfeitos.

silbergeierEis que você chega lá e facilmente, como tirar doce de criança, o mestre em roubar sonhos parece cair da cama mais cedo que você, pronto para te travar, friamente leva todos os seus planos “via abaixo” e sendo um pouco mais despreparada emocionalmente (como eu) leva o riso também.

Acho que não tem nada mais frustrante do que assumir para si, que a sua mente foi quem derrubou você, as vezes antes mesmo de você cair, porque nem sequer tentou, e assim perde-se momentos de alegria e contemplação que estavam logo ali depois do lance.

Esse é só mais um dos poderes sedutores da escalada…o danado MEDO!

Na vida a coisa também funciona assim. Quantas vezes iniciamos uma escalada ou a busca de um sonho e como em toda via, uma hora chegamos no crux…

Por vezes, afugentamos, buscamos uma variante, um atalho. O medo, quando não estamos no controle da nossa mente, é capaz de nos fazer recuar, adiar sonhos e objetivos, nos provocando e acovardando com desculpas insólitas.

Em contrapartida, não acho que o medo seja de todo o mal, sentir medo é importante e natural, ele nos faz prestar atenção na atividade que estamos desempenhando, nos faz perceber os perigos, e também nos alerta as saídas. Desperta em nós a necessidade de pensar e raciocinar, não de desistir, mas de sermos realistas e responsáveis em assumir os riscos de seguir em frente.

A falha nisso tudo é que junto com o medo, deixamos aflorar nossa imaginação e ansiedade, que misturam todos os sentimentos e enfraquecem nossa capacidade de manter o foco. Já dizia um sábio:

“Eu aprendi que a coragem não é a ausência de medo, mas o triunfo sobre ele.O homem corajoso não é aquele que não sente medo, mas aquele que conquista por cima do medo.” Nelson Mandela

Foto: www.bulletproofmusician.com

Foto: www.bulletproofmusician.com

Quando entro para fazer um lance que exige um pouco mais de mim, é quase automático, paro de pensar no que tenho que fazer para imaginar o que aconteceria se eu caísse, se eu…se eu…, e aí é como diz a frase: “Seu corpo chega, onde sua mente chegar primeiro.” Por que é tão difícil manter-se com o pensamento positivo e concentrado naquilo que você tem para fazer?

Mãos começam a suar, pés perdem precisão, a força aumenta desnecessariamente, braços bombam, as agarras somem e lá se foi a escaladora…(rsrsrs)

Seja na vida ou na escalada, sempre chegará um momento que estaremos fora da nossa zona de conforto, hora de expandir nosso limite, pés escorregadios, não enxergamos a próxima agarra, não sabemos onde o próximo passo nos levará.

Mas como seguir em frente com tanto medo de cair, de fracassar, de começar novamente? Se não cruzarmos a cortina escura da aposta, jamais saberemos a paisagem que lá nos espera. Não é o medo que temos que dominar, é a coragem de aceitar que podemos não conseguir e que isso faz parte.

“Em vez de se concentrar em como evitar a queda, concentre-se em trabalhar na situação em que você está.” Arno Ilgner

Conversando um pouco por aí, não tenho dúvida que estou longe de ser um caso raro, não há quem não passe por isso, uns tem mais aptidão para trabalhar esses sentimentos, outros ainda estão se descobrindo, o que não pode é desistir, se o medo também anda lhe perturbando, está na hora de reagir, alimente a motivação, enfrente seus fantasmas, descubra de onde eles vêem e fale para si que você já decidiu aonde quer chegar, que já sabe como fará e que acredita na capacidade que tem para superar seus limites.

medo-escalada2Além disso, poder conversar, ter a quem recorrer e escutar bons conselhos daqueles que já passaram pelo mesmo caminho, ajuda muito a clarear a direção.

Saber que não somos únicos nessa situação, que fases com o medo mais aflorado fazem parte e que sempre teremos pessoas torcendo pela nossa evolução ajuda muito a soltarmos as amarras do medo.

Organize seu corpo na rocha, mentalize aonde tem que chegar, organize também seu plano de vida, mentalize onde você quer estar…Na vida ou na rocha, o desfecho da sua movimentação, o fim da sua inércia, só importa para você, e só depende de você…

Eu estou sempre nessa busca, a descoberta de quem somos é eterna, mas uma coisa eu já entendi…o olhar é sempre para cima, a direção é para frente.

Por vezes me perco se a vida é uma escalada, ou se a escalada é vida, porque uma completa a outra, mas a resposta da velha pergunta

“Para onde eu vou agora?” será sempre a mesma: Em frente! Enfrente!

Gaúcha Santamariense, perna oca, piadista, Contadora, principalmente de boas histórias, que encontrou na escalada uma paixão e uniu a outra, escrever. Uma novata, ruim de queda, entusiasmada e enfeitiçada pelo esporte.

There is one comment

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.