Conheça os principais detalhes do novo local para escalada esportiva em São Bento do Sapucaí

Considerada por muitos como o melhor cidade para a prática de esportes de montanha, como escalada, trekking, highline, entre outros, o município paulista de São Bento do Sapucaí é destino obrigatório dos praticantes. Exatamente por isso, vivenciou uma explosão habitacional nos últimos 10 anos de pessoas que migraram para a cidade, com o objetivo de explorar o turismo e ficarem próximas a locais de prática de esportes de montanha.

Para quem ainda acreditava que todos os locais de escalada esportiva já estavam todos descobertos, o montanhista Eliseu Frechou, que possui 30 anos de experiência na atividade, tem uma novidade: um novo local de escalada esportiva será inaugurado no início de maio. O nome e localização são mantidos sob sigilo, até mesmo para criar uma expectativa singular sobre o local.

Foto: Eliseu Frechou

Procurado pela Revista Blog de Escalada, Frechou liberou alguns detalhes, além de algumas fotos, a respeito do local. De acordo com Eliseu o novo local possui 21 vias abertas, todas de autoria do montanhista e Ana Fujita, sendo destas 80% esportivas, sempre com chapeletas e parabolts inox. As paradas nos finais das vias possuem chapeletas para rapel e malhas rápidas. Ainda de acordo com o montanhista as alturas das vias variam entre 20 e 30 metros. Por ser um local com altura considerável, escaladores devem levar obrigatoriamente cordas de 60 metros.

Quando questionado sobre os motivos de tanto segredo, Eliseu Frechou afirma que “a estratégia de manter o point em segredo até a efetiva caracterização do mesmo com relação à proteção é para que quem posteriormente vá abrir novas vias, não estrague o lugar colocando proteções ruins ou que tenham tempo de vida curto”. “Apesar de estarmos abrindo vias, que em alguns pontos ficam próximas umas das outras, nenhuma delas tem agarras em comum com outras ao lado”, complementa o montanhista”.

Foto: Eliseu Frechou

Preocupado com a sustentabilidade do local, além de prevenir mau comportamento de grupos de escaladores desrespeitos, Eliseu alerta que “há uma prática prejudicial aos lugares, onde na ânsia de abrir e colocar nome em rotas, escaladores atropelam vias já existentes, cruzam outras e compartilham agarras para criar rotas que as vezes não acrescentam em nada, mas enchem as falésias de proteções desnecessárias”.

Sempre extremamente zeloso com os locais que desenvolve, o montanhista afirma categoricamente que “Não gostaria de ver este novo local assim”.

Foto: Eliseu Frechou

Para quem insiste em saber mais alguma dica sobre o local, Eliseu solta uma pista enigmática: “O point já tem nome, que tem a ver com a posição geográfica. Como a maior parte dos lugares aqui: Falésia do Quilombo, Falésia do Coimbra… Se eu falar o nome, abre a localização”.

Para a inauguração do local, Eliseu Frechou está organizando um evento nos dias 2 e 3 de junho, quando todas as informações relevantes para visitar o local serão reveladas.

Detalhes inéditos do local

Mesmo com muito mistério, a reportagem conseguiu apurar detalhes que ainda não tinham sido divulgados por Eliseu Frechou. O montanhista deixou escapar que no local bate sol até as 13:00, fazendo sombra por todo o período da tarde.

Para chegar ao local há uma caminhada de, no máximo, 20 minutos, com espaço para estacionar os carros dos escaladores reservados. Entretanto, Eliseu deixa bem claro que, pelo acordo feito com os proprietários, não é permitido levar cachorro, muito menos acampar.

Todas as vias foram conquistadas por Eliseu Frechou e Ana Fujita. Além disso, Fujita foi responsável por várias primeiras ascensões no local.

Foto: Eliseu Frechou

Há ainda no local a restrição de que para escalar lá, somente é permitido nos finais de semana, pois durante a semana o proprietário exigiu que o local ficasse fechado para a escalada. Esta restrição é explicada pelo histórico de desrespeito praticado por muitos dos escaladores que foram viver em São Bento do Sapucaí nos últimos 10 anos.

A título de exemplo, no ano de 2015 diversos setores de boulders foram fechados na região. Vários escaladores locais da cidade de São Bento do Sapucaí não possuem nenhuma associação afiliada à FEMESP.

Para as vias tradicionais, Frechou sugere levar jogo de nuts e friends, já para as vias esportivas, recomenda-se levar um grande número de costuras: há linhas de até 14 proteções fixas. De acordo com o montanhista, as vias variam de 4ºsup até 8b brasileiro.

Para maiores informações: http://eliseufrechou.com.br

Foto: Eliseu Frechou

Foto: Eliseu Frechou

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.