Mulheres e escalada são uma combinação perfeita?

Para tentar fazer com que vocês pensem sobre estas duas combinações, ou seja, mulher e escalada farei um breve, mas breve mesmo, retorno ao desenvolvimento do papel da mulher na história.

A mulher, há muito tempo atrás, tinha o cuidar como atividade embora ela também participasse do trabalho do cultivo e da criação de animais.

No pré-capitalismo a mulher, além da função de cuidar, tinha a função de reprodutora.

Ou seja, era uma função muito restrita ao mundo doméstico, e sendo assim, era considerada frágil e incapaz de assumir a direção e a chefia do grupo familiar.

Quando a mulher entra no mundo do trabalho fabril passa a ter dupla jornada de trabalho.

A ela cabe, além de trabalhar nas fábricas, cuidar dos filhos e dos afazeres domésticos.

No século XX as mulheres começam a lutar pelos seus direitos buscando novos valores sociais, nova moral e nova cultura.

Na década de 70, no Brasil, a mulher passou a participar do mercado de trabalho de uma forma mais ativa.

Como diz Karla Adriana Martins, mesmo com esta participação a mulher ainda hoje ocupa normalmente atividades relacionadas aos serviços de cuidar (nos hospitais, a maioria das mulheres são enfermeiras e atendentes, são professoras, educadoras em creches), serviços domésticos (ser doméstica), comerciarias e uma pequena parcela na indústria e na agricultura.

Com todo este histórico de lutas e conquistas em toda a história do montanhismo sempre existiram mulheres escaladoras principalmente entre as décadas de 50 e 70, mas até a década de 80 não eram tantas as mulheres que escalavam no Brasil.

Nesta época, a vida social tinha como princípio o convívio nos clubes, e muitos escaladores eram frequentadores assíduos dos mesmos.

Sendo assim, as mulheres tiveram seu início escalando pelos clubes. Até a década de 90 podia-se contar nos dedos as mulheres que praticavam este esporte, mas nos anos 90 este cenário mudou.

Mesmo com este rápido histórico do desenvolvimento feminino na sociedade e na escalada, se você ainda pensa que lugar de mulher é em casa nas atividades domésticas, e que este esporte seria somente para homens, seria melhor se atualizar.

Realmente muitas mulheres se acomodaram, pararam, sumiram e nunca mais fizeram esta atividade, mas de acordo com as estatísticas atuais esta participação vem aumentando.

Não é por nada que um dos melhores escaladores eleitos de todos os tempos mede apenas 1,54 metros e é uma mulher, a americana Lynn Hill. Junto a ela também tem Katie Brown, americana de apenas 1,52 metros.

Segundo Anne Louise Salvi e Renata Vasconcelos no artigo “Sobre mulheres e montanhas“, hoje, muitas brasileiras conciliam o esporte com a maternidade, com profissões exigentes ou com os estudos, sem perder a feminilidade, a responsabilidade e, sobretudo, o equilíbrio.

Temos como exemplo a brasileira Ana Elisa Boscarioli que é médica, trabalha em Campinas, São Paulo e Americana, e reúne diversos perfis aparentemente incompatíveis: cirurgiã plástica, escaladora de alta montanha, mãe de uma menina de sete anos, esposa e palestrante com conteúdo motivacional.

Com certeza deve ter sido criticada por alguns por ser mãe de uma filha e praticar um esporte tão perigoso, mas por outro lado deve ter sido muito admirada também.

Errado os que pensam que escalar é um esporte somente para homens.

Apesar da força exigida este esporte é visto pelas mulheres como sendo bastante feminino, lembrando até um balé nas pedras, onde o equilíbrio e o alongamento estão sempre presentes.

O cume também é o objetivo feminino, e ao chegar ao cume de uma montanha, a mulher quer acreditar no seu potencial e nos estímulos que movem o ser humano.

Banner_do_artigo

Flávia é formada em psicologia com ´pos graduação em Recursos Humanos e MBA em Gerenciamento de Projetos. Atuou em Florianópolis, São José dos Campos e Rio de Janeiro.
Possui experiência em recrutamento, e é especializada em Treinamento e Aperfeiçoamento de Lideranças. Hoje está entre Itália e Brasil atuando como consultora de RH e Coaching. É praticante de trekking.

There are 5 comments

  1. Eugenia

    Definitivamente escalada não é só para homens, somos muitas mulheres no esporte. Mas não entendi porque a necessidade de botas fotos de escaladoras mostrando peito, como se fosse o único jeito de ser feminina quando se escala.
    Com certeza não se deixa de ser mulher nem feminina ao escalar, mesmo voltando para casa cheia de roxos e dedos machucados, mas também não temos necessidade de mostrar peito para agradar alguém.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.