Conheça os 5 melhores métodos para lacear sapatilhas de escalada e botas de montanhismo

O início da prática de qualquer esporte é algo difícil para qualquer um, em qualquer modalidade. Esta dificuldade tem um motivo recorrente: é necessário adaptar-se em algumas convenções pouco utilizadas pela população em geral. Estas convenções são aplicadas à indumentária, comportamento e adaptação física. As sapatilhas de escalada é um exemplo cristalino desta dificuldade que sempre iniciantes reclamam, pois quem escala sabe que devem ser justas e/ou apertadas, mas sempre são alvo de reclamação de quem inicia no esporte.

Este incômodo é bem acentuado no caso das sapatilhas de escalada, pois existe a regra não escrita, mas fundamental, de que “se você está caminhando facilmente com uma sapatilha de escalada, ela está grande e, portanto, inútil”. Infelizmente esta regra não tem exceção. A cada pedido de exceção proferido por um iniciante, para tentar justificar uma sapatilha de escalada folgada (que permita alguém caminhar), é indicativo de alguém que não entendeu como é a prática do esporte.

Porém alguns calçados parecem “funcionar” melhor quando laceados. A palavra lacear, segundo vários dicionários, significa folgar ou tirar o aperto do sapato. Portanto, lacear é o ato de desapertar o calçado novo. Ele vai ficando moldado ao formato de cada usuário. Um calçado laceado facilita a vida do usuário imensamente, pois ele incomodará menos durante o uso.

Há quem acredite que somente o uso contínuo de um calçado de montanha, ou mesmo de uma sapatilha de escalada, é que o laceia devidamente. Portanto, para este grupo de pessoas, que tem como credo pessoal de que o amadurecimento vem apenas como consequência dos erros e das dores, esta prática (de usar o calçado normalmente) funciona como uma espécie de bushido (código de conduta e modo de vida para os Samurai) do esporte.

Mas existe algum método que possa “acelerar” este processo, para diminuir o processo de dor e desconforto? Sim, existe. Para o espanto de muitos, a sabedoria dos mais velhos, especialmente aqueles que nasceram e viveram no início do século XX, já utilizavam estes métodos desde então.

Sapateiros

Quase toda cidade possui um sapateiro. Na Europa, por exemplo, alguns destes profissionais, que muitos julgavam estar em extinção, também realizam o serviço de ressola de sapatilhas. No Brasil, os melhores profissionais de ressola de sapatilhas possuem conhecimentos básicos de sapataria. Nos últimos tempos, ressoladores de sapatilhas, em todo o mundo, que não souberem realizar alguns serviços de sapataria estão fadados a receber cada vez menos trabalho. Esta é a realidade do mercado capitalista em qualquer área: evolução constante e oferecimento de mais serviços ao cliente.

Um dos aparellhos mais comuns em uma sapataria é o alargador de sapato. Este aparelho, que parece um aparelho de tortura medieval, pode ajudar a alguém que queira utilizar um método antigo, mas eficiente, de alargar os calçados. Para botas de montanhas feitas de couro, o aparelho é bastante interessante. Para sapatilhas de escalada, parece ter sido feito sob encomenda.

Este mesmo aparelho pode ser encontrado para venda na internet, como o ebay ou similares, ou mesmo em lojas de ortopedia. No ebay em particular, é vendido um aparelho que custa em torno de US$ 12,00. No Brasil, também está disponível um modelo como o da foto e custa em torno de R$ 150,00.

Há ainda um outro aparelho, que pode ser usado com um secador de cabelos (veja os métodos abaixo), que se chama “modelador de sapatos”. Este possui um preço mais barato que o alargador. Porém este aparelho somente serve para deixar o calçado não perder a forma, não visando laceá-lo.

Porém, para quem gosta de pegar “atalhos”, existe ainda o “amaciante para sapatos” (que pode ser usado com o modelador de sapatos). A loja paranaense de sapatos Zutti, comercializa um produto, que parece uma espuma de barba, que promete alargar calçados de couro. Há outras lojas de calçados que comercializam produtos semelhantes. Detalhe: ele é indicado somente para calçados de couro especificamente. Segundo o fabricante, logo após colocar a espuma dentro do calçado, é necessário calçá-lo. Ainda de acordo com as instruções do fabricante, deve-se utilizar o calçado normalmente até que fique na forma do seu pé.

Método 1: Meias grossas + secador de cabelo

Em qualquer site feminino este primeiro método será citado como dos mais eficientes para o laceamento de calçados. Especialmente os feitos de couro. Consiste em um processo simples e que dura, segundo as fontes pesquisadas, três minutos.

Como sapatilhas de escalada são mais apertadas que a maioria dos calçados, é sugestão da Revista Blog de Escalada realizar o processo descrito neste item todos os dias até uma semana (se possível, claro). Quanto mais apertada a sapatilha de escalada, maior o número de repetições diárias. Porém, vale uma observação a respeito deste processo: assim como há sua aplicação, também há a necessidade de deixar o calçado “descansar”. De nada adiantará desejar apressá-lo.

Para lacear o seu calçado de montanha, preferencialmente feito de couro, ou a sua sapatilha de escalada, utilize uma meia grossa (quanto mais grossa a meia, melhor) e calce o calçado. Irá, obviamente incomodar um pouco, mas neste momento deve engolir o choro.

Identifique os lugares que mais apertam no pé e com um secador de cabelo no moro “calor”, comece a jogar o ar em cima do local e por todo o calçado. Não foque o secador de cabelos somente em um lugar, procure distribuir por todas as partes do calçado: peito do pé, calcanhar e laterais.

Enquanto o calçado estiver esfriando, mantenha-se com ele até esfriar. Este processo, que deve durar pelo menos três minutos. Caso seja necessário, repita o processo uma vez mais e deixe o calçado para descansar em local fresco.

Método 2: Hidratante + uso em repouso

Este método é mais “natural” que o anterior, pois não faz uso de calor. Mas é interessante para quem deseja alargar algum calçado de couro, como uma sapatilha de escalada. Este método é bem simples, pois somente usa hidratante de peles.

Com o hidratante de peles, “besunte” o pé com vontade. Deixe ele o mais “melequento” que puder. Logo após o pé estar com o creme, calce o calçado apertado (sem meia mesmo). Fique por aproximadamente 30 minutos com o calçado.

Este método, muito utilizado por escaladores europeus, é aplicado durante sessões de filmes, ou uso de internet. Muitas donas de casa o usam para lacear alpargatas, que possuem o design muito parecidos com as sapatilhas de escalada.

Após o uso deste método, deixe o calçado para secar. O processo de secagem demora aproximadamente uns três dias. Caso haja excesso de hidratante no interior do calçado, remova com um pano ou lenço de papel úmido.

Método 3: Feijão + água

Este método pode chamá-lo de “made in Brazil”, pois era muito utilizado no interior de Minas Gerais e Goiás, especialmente pelos trabalhadores que acabavam de comprar uma botina nova. Consiste em colocar um saco plástico uma considerável quantidade de feijão. Preferencialmente que o saco esteja “simulando” o mesmo volume que seu pé no calçado. Deixe o saco de feijões com um pouco de água, fechado e comprimido dentro do calçado.

Os feijões, por causa da água, começarão a germinar e, para isso, começarão a inchar-se. Este processo irá, naturalmente, lacear o calçado. O saco com os feijões deve ser deixado por três ou quatro dias.

Método 4: Gelo

Este método pode parecer extremo, mas é bem indicado para pessoas desesperadas. Vale observar que é o ideal para couro e couro sintético. Encha um saco plástico com água (não esqueça de amarrá-lo bem) e o coloque dentro do calçado, ocupando todo o espaço interno.

Coloque o calçado preenchido com o saco plástico cheio de água no congelador de sua casa. A água, quando congela, expande e alarga suavemente o couro. Deixe no congelador por pelo menos 24 horas. Não é recomendado deixar em um freezer, pois como a temperatura é sensivelmente menor que um congelador, pode danificar o calçado.

Método 5: Banho quente

Para quem apreciou a metáfora do bushido à formação de um escalador, talvez aprecie este último método. Algumas pessoas costumam utilizar a sapatilha de escalada que necessita ser laceada durante banhos quentes. Não somente a sapatilha, mas com o escalador as calçando.

Sim, no momento de ir tomar um banho, ir vestido com as sapatilhas de escalada e tomar um banho quente. Durante este processo, obviamente, não se ensaboe nem lave os cabelos. Apenas procure ficar com o calçado com a água quente incidindo largamente sobre o calçado.

O tempo ideal é algo em torno de 5 minutos. Logo após sair do chuveiro, caminhe um pouco pelo banheiro, para ir forçando o laceamento. Após isso, deixe o calçado secando à sombra. Se possível, perto do calçado estar seco, utilize o primeiro método explicado neste artigo. Esta dupla abordagem (métodos 5 e 1) serve para modelos que necessitam ser alargados sensivelmente.

Argentina de nascimento e brasileira de coração, é apaixonada pela Patagônia e Serra da Mantiqueira.
Entusiasta de escalada, trekking e camping.
Tem como formação e profissão designer de produto e desenvolve produtos para esportes de natureza.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.