Marcas de equipamentos lançam campanha conscientização sobre forramento de penas de ganso

Foto: http://www.vier-pfoten.org/

Foto: http://www.vier-pfoten.org/

Com um rendimento superior no aquecimento, se comparado a jaquetas com forro sintético, as indumentárias com forramento de penas de ganso ainda são o que possuem melhor desempenho.

Com o processo de terceirização de mão de obra (leia-se trabalhadores chineses) em outros países, há uma maior preocupação das marcas em garantir que haja uma sustentabilidade na produção de equipamentos.

Pesando nisso marcas do calibre de Patagonia e The North Face estão iniciando uma campanha, cada qual a seu modo, para que haja uma postura ética não somente delas, mas também da concorrência no momento de fabricar jaquetas e sacos de dormir com forro de penas de ganso.traceable-patagonia-3

Em números, o dado impressiona: 70% do mercado de penas de ganso hoje pertence à China, sendo 25% oriunda do leste europeu.

A preocupação é a seguinte: que os gansos não sofram maltrato como forçados a comer para crescimento precoce (através de tubo goela abaixo), nem tenham suas penas arrancadas ainda quando estão vivos sem ao menos que se aproveite a carne.

Parece uma preocupação superficial, mas não é.

Por isso as duas maiores empresas de equipamentos outdoor dos EUA, Patagonia e The North Face, iniciaram um selo de qualidade que garante ao usuário que aquele ferramento possui uma garantia de que não houveram maltrato ao animal.

Outras marcas estão sendo convidadas a entrar na campanha como H&M, Eddie Bauer, Marmot, Mammut, Outdoor Research entre outras, que estão muito perto de assinar o tratado.

Para o selo de qualidade haverá um treinamento destas fazendas criadoras de gansos, para que cada jaqueta o forramento seja rastreado, para a investigação do próprio usuário.

A The North Face batizou seu selo de qualidade de RDS (Responsible Down Standard) e Patagônia de Traceable Down Standard e ambos tem data para estar valendo em alguns anos.

O projeto da Patagonia entretanto é mais rígido, e ambicioso, tendo como objetivo instituir o padrão até 2017.

traceable-patagonia-2

traceable-patagonia

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.