Manual do vegano outdoor – É possível ser vegan e praticar esportes de aventura?

Junto com a adoção de algum esporte de natureza, seja qual ele for, há também algum certo tipo de “transformação” na filosofia alimentar da pessoa. Não necessariamente as duas coisas acontecem juntas, mas muitos praticantes de esporte outdoor optam por também sair do lugar comum com relação também à alimentação.

A partir disso muitos adotam vários tipos de filosofias alimentares como, por exemplo, dieta paleo, vegetariana, vegana, crudiveganismo, etc. Cada pessoa faz a escolha que bem entender. Por isso ninguém é melhor ou pior que ninguém para julgar a maneira com a qual cada um escolhe como se alimenta. Portanto não será debatido aqui neste artigo se a adoção de uma dieta vegana é saudável ou não. Este tipo de debate deve ser feito em algum congresso de nutrição e, claro, de maneira civilizada e orientada à razão e não pela emoção.

O que este artigo tem como propósito é servir de orientação a quem é simpatizante do vegetarianismo, veganismo ou qualquer outra linha alimentar e filosófica que por ventura existir. Para quem se alimenta de qualquer maneira, sem se preocupar com nada (engordar, emagrecer, ser sudável, ética, etc), e se sentir feliz assim, continue o que adotou para sua vida.

Entretanto, para quem pretende ser vegano, ou até mesmo tem curiosidade, este artigo dará alguns parâmetros para que saiba o que existe para quem vive nesta filosofia.

Vegetarianismo

O vegetarianismo é uma dieta alimentar baseada no consumo de alimentos de origem vegetal. Um dos pilares desta filosofia alimentar é não comer qualquer tipo de animal.

A partir disso há a divisão de quatro linhas de dietas vegetarianas.

  • Ovolactovegetariano – Não consome nenhum tipo de carne, ou derivados. Mas de origem animal, consome leite (assim como todos seus derivados), ovo e mel
  • Lactovegetarianismo – Não consome nenhum tipo de carne, ou derivados, assim como ovos. Mas de origem animal, consome leite (assim como todos seus derivados) e mel
  • Ovovegetarianismo – Não consome nenhum tipo de carne, ou derivados, assim como leite (assim como todos seus derivados). Mas de origem animal consome ovo e mel
  • Vegetarianismo semiestrito – Não consome nenhum tipo de carne, ou derivados, assim como leite (assim como todos seus derivados) e ovo. Mas de origem animal consome mel
  • Vegetarianismo estrito – Não consome nenhum tipo de carne, ou derivados, assim como leite (assim como todos seus derivados) e ovo. Mas de origem animal não consome nada

O vegetarianismo teve sua origem na tradição filosófica indiana.O princípio básico, e a principal justificativa, é a de respeito à vida dos animais. Porém outros motivos são alegados : saúde, meio ambiente e estética. O erro mais comum de quem começa a adotar a dieta vegetariana é eliminar a ingestão de carne, sem a ingestão de outro tipo de fontes de proteína. Este equívoco é o principal foco de críticas de nutricionistas.

Em uma dieta vegetariana, seja qual for a linha adotada, o ideal é substituir a fonte de proteínas (usualmente a carne) por outra para que o organismo não fique debilitado. Usualmente já existe um grande número de nutricionistas especializados em acompanhar pacientes vegetarianos. Por isso é muito importante, ao menos no início da dieta vegetariana, que tenha acompanhamento de um profissional de nutrição, para que a adoção da filosofia seja a mais saudável possível.

Veganismo

A princípio muitas pessoas acreditam que todo vegetariano é vegano. Um equívoco bem comum. À luz da razão um vegano é uma pessoa que adora a dieta do vegetarianismo estrito e, ao mesmo tempo, adota uma postura militante em favor dos direitos dos animais. A restrição de um vegano não é somente no consumo alimentar, mas de todo produto industrializado que possua sofrimentos de animais envolvidos.

Apenas para título de exemplo, um vegano não utiliza nenhuma peça de nenhum produto que seja de couro, que é retirado dos animais após a sua morte. O boicote à atividades e produtos que não respeita os direitos dos animais é uma das principais ações praticadas pelos veganos.

Por sua postura militante agressiva com as pessoas à sua volta, os veganos são constantemente alvo de preconceito e hostilidades. Há trocas de acusações constantes entre ativistas e empresas de produtos de beleza, moda, alimentícia, etc. Junto dos protestos veganos ao redor do mundo, há também ações polêmicas como, por exemplo, jogar tintas em modelos que usam peles de raposa, invadir propriedades de companhias e libertar animais usados como cobaias, entre outras.

Portanto uma pessoa vegana é, ao mesmo tempo, vegetariana estrita e ativista engajada que possuem uma determinação admirável de fazer os direitos dos animais serem respeitados a todo custo.

Veganos no universo outdoor

A vida de um vegano ” de carteirinha” no universo outdoor não é muito fácil. Isso porque vários produtos outdoor são feitos de materiais que utilizam, de alguma maneira, animais no processo. Alguns praticantes de esportes de montanha, que se dizem veganos, acabam invariavelmente se flexibilizando na sua filosofia. Até mesmo os atletas veganos conhecidos como Alex Honnold e Steph Davis optaram por “fechar os olhos” para alguns equipamentos e marcas “não veganos”.

Por isso, ser vegano no universo outdoor é um pouco mais complexo do que postar fotos e textões no Facebook e Instagram. Pois para praticar uma atividade de natureza é necessário sair da casa e do conforto urbano. Um ato que nem sempre todos estão dispostos a fazer.

Porém para determinadas atividades, como uma escalada em alta montanha, travessia de trekking com vários dias, escalada big wall, etc, o praticante vegano deve estar consciente de que estará muito, mas muito mesmo, longe de casa e em lugares que a escassez de comida e recursos é uma realidade. Nela a sua filosofia de vida pode impactar em estar entre a vida ou morte. Para exemplificar de maneira mais explícita, o montanhista Máximo Kaush já declarou em palestras que ele se considera o maior conversor de veganos em carnívoros que conhece.

Esta escassez de veganos no universo outdoor, portanto, é explicada por várias destas situações críticas em que a sobrevivência vai além da filosofia de vida adotada na cidade. A partir de uma lista de equipamentos outdoor o vegano deve, por filosofia de vida, evitar de usar. Cabe a ele, claro, optar por fazer vista grossa ou não.

Vegano no trekking

Para fazer um trekking os equipamentos que um vegano deve evitar são :

  • Botas de couro
  • Mochilas com detalhes em couro
  • Casaco com penas de ganso ou pato
  • Meias de lã merino
  • Saco de dormir de penas de ganso
  • Comidas com alimentos não consumida por vegans (ovo, leite, chocolate ao leite, etc)
  • Comida liofilizada
  • Barrinhas energéticas

Vegano na escalada

Para fazer a escalada os equipamentos que um vegano deve evitar são :

  • Sapatilhas com revestimento, ou detalhes, em couro
  • Saco de magnésio de lã
  • Mochilas com detalhes em couro
  • Casaco com penas de ganso ou pato
  • Comidas com alimentos não consumida por vegans (ovo, leite, chocolate ao leite, etc)
  • Barrinhas energéticas

Sobre o Autor

Natalia De Marco

Natalia De Marco

Argentina de nascimento e brasileira de coração, é apaixonada pela Patagônia e Serra da Mantiqueira.
Entusiasta de escalada, trekking e camping.
Tem como formação e profissão designer de produto e desenvolve produtos para esportes de natureza.

There are 4 comments

  1. Christian Maciel

    Otimo artigo.

    Não tenho nada contra os vegetarianos, na verdade os admiro, mas pessoalmente prefiro não entrar em conflito com veganos pois considero a posição da maioria extremista e desrespeitosa.

    Todo extremismo é ruim…….. deixemos cada um com suas crenças e costumes…….

    Quanto as palavras de Maximo……………. são perfeitas, quando temos oferta de alimento podemos ser seletivos, na falta dos mesmos comemos o que tiver a mão, ele com certeza não se referia a matar um animal e assar, mas a lata de “canned beef” e as barrinhas de proteina nessas horas muda de cara, rsrsrsrs.

    Logo sejamos claros: “Quando hay hambre, no hay pan duro”

  2. Aryon

    A matéria seria boa se não tivesse a intenção de conduzir o leitor a essa conclusão: “É praticamente impossível ser vegano (ou vegetariano estrito) praticando esportes outdoor”. Esse ‘conceito’ é reforçado citando o Máximo Kaush como um ‘conversor de veganos ao carnivorismo’. Tudo isso em suma é balela por três motivos: 1) Temos equipamentos para substituir aqueles que são feitos com material de origem animal. 2) Com a alimentação basta voce levar consigo alimentos que não sejam de origem animal (e isso é possivel sem perder qualidade de nutrientes e proteínas). 3) Pergunte ao Máximo, ou ao Pedro Hauck, ou ao Gilmar Niclevicz quando foi a última vez que em uma situação extrema no mundo outdoor eles precisaram matar um animal para sobreviver.

    Hoje em dia, com toda a tecnologia que temos esse papo de “super-sobrevivencialismo” é mais um ‘eufemismo nutella’ do ego do que uma realidade.

    Ps. Não sou vegano nem sequer vegetariano, apenas não faço o consumo de carnes.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.