Livro da semana: “Kiss or Kill” – Mark Twight

Conseguir ler alguma obra, desde que seja de qualidade, sobre nosso esporte favorito é um prazer que muitos leitores cada vez mais procuram. Importante salientar que esta procura é independente de estilo. Há cerca de vinte anos era necessário esperar sair um artigo em uma revista impresa (hoje a mais moribunda das mídias) para ler, mesmo de maneira pasteurizada e recheada de erros grosseiros, sobre algum esporte outdoor documentado. Por este tipo de contepudo criado sem critério e profundidade, a escalada acabou “marginalizada” nas redações, além de ser tido como o “patinho feio” por editoras. Muitas destas “pedaladas jornalísticas” podem ser lidas até hoje, assim como publicação de livros de “montanhistas” que sequer subiram montanhas.

Foto: https://www.amazon.com

Foto: https://www.amazon.com

O livro “Kiss or Kill – Confessions of a Serial Climber”, do autor Mark Twight, é um livro escrito por uma pessoa que, em termos gerais, é “gente como a gente”. Com um apanhado de histórias vivenciadas por um escalador de verdade, que cansou de ver artigos escritos por quem sequer era montanhista de fato, a obra agradou bastante quando lançada. O reconhecimento da comunidade de montanha tem um motivo relativamene simples: possui uma carga emocional grande, além de falar a linguagem de quem pratica de fato o esporte (ou seja não é apenas um publicitário preocupado apenas em abraçar os outros em feiras). A cada linha lida é facilmente perceptível que Twight faz questão de trazer o leitor a seu lado a cada história contada.

Escrito de maneira intensa e verdadeira (sem palavras genéricas e adjetivos superlativos) “Kiss or Kill” já foi, inclusive, premiado no prestigiado festival de Banff no Canada. O fato de ser um escalador habilidoso (não é portanto um “montanhista de palco”) o autor criou uma obra que mistura de texto de conteúdo controverso (afinal não puxa o saco de ninguém), intenso, profundo, irônico e, como não poderia deixar de ser, passional a respeito da escalada. Há paixão, admiração e resignação a cada história.

kiss-or-kill-1Muitas destas histórias, inclusive, fez o autor revelar posteriormente que houve um certo “exagero” para que a tornasse interessante. Cada história narrada no livro, com ou sem exagero para torná-la interessante, é jogada na cara do leitor sem qualquer tipo de filtro ou preocupação com a sua receptividade.

Ao final da leitura de “Kiss or Kill” facilmente o leitor estará pilhado para ir buscar a sua própria aventura e, como não poderia ser diferente, sentir um desprezo mais intenso pelos pseudo-montanhistas que procuram mascarar sua ausência de histórias com textos motivacionais apoiados em psicologia rasa e barata.

A obra é, sem nenhuma dúvida nenhuma, um tapa na cara de publicitários preocupados em abraçar pessoas em feiras e que , obviamente, não realizaram nada de relevante a nível básico em termos de montanhismo. Assim o próprio autor assume uma propaganda contra a mediocridade supervalorizada em seu livro e, no seu próprio texto, evidencia a sua antipatia pessoal com relação às pessoas que tentam parecer algo que na verdade não é.

A maneira crua, sem muito filtro em muitas passagens, de Mark Twight agrada quem aprecia o estilo “coversa à beira da fogueira” que, invariavelmente, não poupa alfinetadas a desafetos e posers. Esta atitude, polêmica é claro, garantiu popularidade instantânea à sua obra. Por conta desta ausência de filtro, muitos dos “abraçadores de feira” buscaram ignorarar a obra e, infelizmente para o universo outdoor, sequer fazeram análise sobre suas atitudes após a publicação (que na verdade são constrangedoras para quem é outdoor de verdade).

Por isso “Kiss or Kill” não é somente um bom livro de escalada, mas também uma excelente referência para quem deseja agregar conteúdo para a comunidade e, obviamente, afugentar os publicitários que insistem em enaltecer seus passeios ao shopping como “aventuras ao desconhecido”. Por este tipo de abordagem, mais real e sem ambição de virar obra da cultura pop, faz o livro ser a antítese, meio que exageradea, do modelo “superação de pessoas normais fazendo coisas extraordinárias” que tornou-se a literatura de montanha.

Ficha Técnica

  • Título: Kiss Or Kill: Confessions of a Serial Climber
  • Autor : Mark Twight
  • Edição: 1ª
  • Ano: 2002
  • Número de páginas: 192
  • Editora: Mountaineers Books

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.