Crítica do filme “TEPUI – Escalada ao Salto Angel”

20110923031357-241-bdcaa7abed047a306d4fc23ea264e35d[1]Dentro do gênero de filmes outdoor expedições podem ser consideradas um clássico.

Fazendo uma comparação superficial com filmes comerciais equivaleria a clássicos como “Ben Hur” ou “Spartacus”.

Isso devido à quantidade de cenas e situações icônicas que hipnotiza todo e qualquer espectador.

Por isso filmes com foco em expedições é atração garantida para leigos e especialistas.

Geralmente quando há produções nesta temática os ângulos de filmagem, estabilidade de imagem e qualidade de fotografia ficam comprometidos por serem os próprios escaladores que realizam todo o trabalho.20111018140047-241-c0d07748d1e6c092fde1d3e7c07f9311[1]

Os produtores de “Tepui” optaram por realizar uma abordagem diferente: levar uma pessoa exclusivamente para fizesse com a captação das imagens.

No decorrer do filme mostrou ser uma escolha correta.

O filme “Tepui- Escalada ao Salto Angel”  documenta a jornada de um grupo de escaladores brasileiros formado com o que pode ser considerado a elite  existente no país.

A verdadeira tropa de elite da escalada brasileira.

salto97[1]Ao menos três escaladores participantes na produção teriam estátuas no “Hall Da Fama”(caso existisse um no Brasil): Sérgio Tartari, José Luiz Hartmann e Edemilson Padilha.

Narrado por Padilha que vai descrevendo o desafio, e acontecimentos à medida que ocorrem o filme adota uma linha mais sóbria.

O local escolhido para este desafio, um Tepui (Rochedo em forma de mesa comumente existente no norte da América do Sul) é apresentado como um personagem.

A todo momento há citações como se o rochedo tivesse vida e personalidade própria.

Durante a exibição o grupo fica submetido a diversas situações comuns a quem procura este tipo de aventura como horas de avião, ônibus, canoa , caminhada , chuva , vento e outras dificuldades que  mostra a determinação de cada integrante.

Com uma edição dinâmica as imagens são mostradas com rapidez e dinamismo.20111104_121631_g[1]

As filmagens alternaram entre bons ângulos e tomadas de imagens com imagens trêmulas e zooms desnecessários mas envolventes e que conseguem transmitir a exata sensação de estar participando do desafio.

Por ser também escalador, o operador de câmera soube captar imagens interessantes e que fugiram de clichês de filmes de escalada.

Closes em colocação de nuts e camalots, descrição da disposição dos portaleds e refeições merecem serem compiladas para muitos vídeos instrucionais de cursos de escalada por possuírem grande qualidade.

Com uma edição segura que soube costurar de maneira dinâmica todas as cenas, fez o tempo de exibição passar despercebido para o espectador.

Entretanto alguns recursos técnicos  de edição como divisão de tela foram usados com mão pesada  mas não chegaram comprometer o conjunto da obra.

08122011022317Cena_do_Fi_15112011_19670[1]Com trilha sonora de bom gosto que demonstrou equilíbrio e sobriedade da direção, “Tepui”conquista o espectador por possuir elementos equilibrados e uma história muito bem amarrada do início o fim.

Contudo alguns pontos poderiam ter sido mais explorados como mostrar mais de cada escalador participante da equipe, e apresentação de cada um deles.

Esta despreocupação deixou a forte impressão de que mesmo sendo os principais “primeireadores” em algumas cordadas (como de fato é mostrado no filme) não estavam com muita vontade em realizar um filme.

Outro detalhe que não diminui a qualidade do filme , mas deixa margem a ser discutido após a exibição.

Isso por haver toda uma nova geração de escaladores que desconhecem muitas das personalidades ali documentadas.

“”TEPUI – Escalada ao Salto Angel” serve para interessados em realizar filmes de expedições, e seguramente tem de constar na videoteca de todo e qualquer escalador que pretende realizar aventuras deste nível.

Nota do Blog de Escalada:

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

There are 2 comments

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.