{EXCLUSIVO] Entrevista Heliane Collares, mãe de Bernardo Collares

Nesta semana publiquei um texto que foi enviado ao Blog de Escalada sobre a data em que completou pouco mais de um ano da morte de Bernardo Collares.

Como um texto pode ser interpretado de diversas maneiras tomei a iniciativa de entrar em contato com a Mãe de Bernardo para que ela concedesse entrevista ao Blog.

Muito educadamente, e de maneira bem solícita sua mãe Heliane Collares respondeu cada uma das perguntas que a enviei, e, a meu pedido. Não economizou palavras nas suas respostas.

Procurei fazer as perguntas da maneira mais direta possível para que pudesse esclarecer ao máximo os seus sentimentos com relação ao Bernardo.

Acompanhe a entrevista abaixo:


1 ) Heliane como soube da notícia da morte do Bernardo Collares na época?

No dia 05 de janeiro de 2011,voltava de um consulta medica com o meu marido, abri o portão e vi meus filhos ,nora,amigos, enfim, a familia nos esperando.

Leandro ,meu filho mais novo, veio ao meu encontro e perguntei: Foi a mamãe?

Minha mãe estava bem doentinha aos 98 anos, e já estávamos preocupados com essa possibilidade.

Ele respondeu: Não. Foi o Bernardo!

2) Como foi a organização da Família para proceder com resgate e procura do corpo de Bernardo?

Aí temos 2 partes .

Primeira parte:

50 horas depois do acidente, qdo nos foi dada a noticia, Katia uma das irmãs do Bernardo e sua filha Veronica ,imediatamente se comunicaram com o Itamaraty pedindo que se providenciasse o resgate do meu filho.

Comoa ajuda não acontecia, impetramos um mandado de segurança para ue meu filho fosse ainda resgatado com vida

Foi indeferido e assim, o Itamaraty nos negou qq ajuda dizendo que o Bernardo conhecia os riscos a que se expunha e não estava em missão oficial.

Comentando com uma amiga que tem uma prima desaparecida no Araguaia, perguntei se não lhes foi falado isso tb na época da ditadura.

Dito e feito! Era o que os militares diziam dos terroristas desaparecidos.

Por isso me comparo às Mães da Praça de Maio (até cartaz com foto do filho desaparecido já tenho), que não sabem o paradeiro dos seus filhos queridos.

A resposta aos nossos apelos feitos à Gendarmeria Argentina foi que não poderia fazer o resgate pois representava perigo aos resgatistas ,por ser o local inóspito, de dificil acesso e de clima hostil.

Segunda parte:

Qdo em fevereiro de 2011, nos foram entregues as fotos do platô vazio, foi-nos dito que ele só poderia estar na Super Canaleta, pois era como um funil. O que caisse do Fitz descia para lá. Era inevitável!

Nesse caso já não havia risco de vida para os resgatistas, então começamos tudo de novo. Agora era perto da base. E pensamos assim: meu filho trabalhou durante 10 anos para colocar o montanhismo brasileiro no topo ,não é justo que ele fique na base, afinal ,SÒ O CUME INTERESSA!

Então ,ao longo de 2011 fizemos novos e varios contatos com o Itamaraty e com a Gendarmeria para que no verão patagonico fosse feita a procura e o resgate do corpo do meu filho, para lhe satisfazer a vontade de crema-lo e ter suas cinzas jogadas do Pico Maior de Salinas. Uma das suas paixões.

3) Você concorda com a afirmação de que o acidente foi uma fatalidade?

Em um acidente sempre há a possibilidade de haver uma falha humana . Qdo acontecia um acidente com morte na montanha, ligava para ele conversávamos e ele dizia que tinha sido falha humana.

Procurando entender o que aconteceu perguntei mto e me foi respondido que, no caso do acidente dele houve não uma falha, mas várias. Erraram os dois na sua avaliação e na sua sofreguidão. Havia uma janela de 3 dias que seria suficiente, mas sairam com 1 dia de atraso, e esse dia fez toda a diferença,. Não fosse isso teriam chegado ao cume, voltado pela outra via menos perigosa e pronto . Só glória!

Escolheram a tecnica para rapelar, com nós, evitando levar mais equipamento para aliviar o peso. Em uma parede de rocha podre!!! Não podia dar certo, como não deu, caso precisassem voltar antes do previsto.

Erraram os dois nessa avaliação.Tudo isso me foi explicado no decorrer do ano.

Erraram tb na sofreguidão. Não conseguiram esperar uma janela perfeita, foram imprudentes, desafiaram demais.

E o ironico disso tudo é que suas palestras eram voltadas para a segurança, eram focadas no cuidado com a segurança..


4) O que você acredita que faltou para que Bernardo fosse resgatado?

Em primeiro lugar, pelo que hoje se apresenta, houve falha no diagnostico. Ele não estava tão incapacitado assim. Repito o que já escrevi no Facebook:

Ele não morreu de hipotermia na primeira noite. Não estava em um estado que não pudesse se mexer ,sequer pegar a agua deixada ao seu lado.

Não se jogou para se livrar das dores terriveis.

Não chegou até à borda com mochila ,saco de dormir , manta térmica e capacete para se aliviar das suas necessidades fisiologicas.Todos esses argumentos foram usados para se justificar a omissão de socorro e o sumiço do seu corpo que não foi encontrado no platô que estava vazio.

Pois bem, durante alguns dias 5 profissionais estiveram vasculhando a Super Canaleta, local onde ele poderia estar, caso alguma das hipóteses acima fosse verdadeira. Do meu filho, Bernardo Collares Arantes, acharam NADA!!!

Encontraram sim, material de 10 anos atrás, porque ,excepcionalmente,a Super Canaleta estava completamente sem neve.Verão igual a esse em El Chaltén não acontecia há 10 anos.

Faltou acertar a avaliação do que um ser humano é capaz. Um amigo dele escalador que defendeu essa tese logo no principio, agora me escreveu:

“Bom, Bernardo era um dos melhores no que se fazia! Sensato, Muito inteligente e Safo, Ele era a fonte de inspiração e informações a todos nos. Ele era um Crânio na Arte de Subir Paredes. Sabendo de seu perfil e de como ele sempre instruiu a todos com relação a segurança e proteção aos outros, nunca deixei de acreditar que ele no momento mais difícil da vida dele deixou de brigar pela sua própria vida!

Sempre tive isso na minha cabeça, ele por mais que tivesse desabilitado, ele tentaria algo para salvar sua vida e nunca para tirar sua vida! Ele era um escalador que tinha o conhecimento das técnicas verticais de resgate e de auto-resgate!

Ele era como um ninja, se da um pedaço de corda para ele, ele se vira para sair da situação de perigo!”

Voltando à época do acidente. O que faltou foi acreditarem na capacidade dele, diagnostico errado, e com isso, não foram levar uma sobrevida ao meu filho.

Mesmo acreditando no que foi publicado por pessoas que se dizem especialistas no assunto ,que ele estivesse realmente com dores terriveis, sem poder pegar a agua ao seu lado,bacia quebrada, possivelmente fratura na coluna , foi publicado que ele tinha até hemorragia, negaram a ele uma sobrevida. Decidiram que ele estava morto, e não estava.

Ele poderia estar aqui agora conosco, e pode ter certeza tentando outra vez!

No entanto ficou na solidão com frio, com sede pq não tinha fogareiro para derreter a agua,sem cordas, sem equipamento, mas valente que só ele, tentou. Tentou voltar para nós sua familia, tentou voltar para voces escaladores que ele tanto prezava, tentou voltar para os amigos que ele tanto amava. UM HERÓI!!!

5) Você saberia enumerar quais foram os amigos de Bernardo que procuraram você para mostrar apoio e condolências?

Naturalmente vc deve estar perguntando dos amigos da montanha.

Apoio não posso porque , coincidentemente ou não, todos pediram anonimato. Eles nos ajudam, nos esclarecem, nos orientam, nos ensinam principalmente, mas ,no anonimato.

Condolências: a Cris Jorge que veio junto com meus familiares para a comunicação da tragédia. Um cartão enviado de Chaltén trazido pela Erica minha filha qdo esteve lá tentando trazer o irmão vivo de volta para nós, assinado pela Mariana Candeia, Kika Bradford e Sblein Mantovani.

As Meninas da Montanha como as chamo,que organizaram a homenagem na Urca, recolheram o que foi exposto lá ,tudo com mto carinho,e bom gosto. Junto, um emocionante vídeo da Adriana Mello em homenagem a ele.

Todos mto bem guardados como um relicário.

Da Femerj ainda estou esperando . Do CBME tb.

6) Você teria alguma mensagem a dizer à comunidade de escaladores que ainda sente falta do Bernardo?

Não me canso de agradecer todo o carinho manifestado, e tantas conquistas de vias expressivas em sua homenagem. O acolhimento carinhoso que tive no Light, da homenagem prestada a ele no Banff.

Digo à comunidade de escaladores que sejam éticos, bondosos, corajosos e principalmente solidarios como o Bernardo o foi. Nunca deixem de socorrer a quem precise.

Transcrevo , novamente, trecho do artigo amoroso que o Miguel Freitas fez sobre meu filho,com o título de Tio Zé:

“Pra mim e pra muitos ele era o ponto de referência, você ligava pra brincar, compartilhar e também pro Tio saber onde é que os sobrinhos estavam e o que eles estavam fazendo de bom… Sei lá, vai que acontece alguma coisa? A Patricia Duffles resumiu bem isso contando como a irmã dela tinha uma ordem expressa “se acontecer algum acidente comigo na montanha, você não liga pros bombeiros não, liga pro Bernardo.”

Era óbvio.

O Bernardo era o cara, era quem a gente podia confiar pra ir fazer o nosso resgate. Ele estava sempre sabendo onde as pessoas estavam e, em mais de uma ocasião, saiu correndo de casa no meio da noite pra ir na montanha salvar os amigos (de verdade). Quando a Patty lembrou essa história do resgate e, olho no olho, me perguntou “e agora? quem é que a gente vai chamar quando precisar de ajuda?” Impossível não chorar com ela.”

Sigam seu exemplo e o tio Zè ficara´mto contente!!!

dia 28 de maio tem como seu santo SÃO BERNARDO DE MENTONE Padroeiro dos alpinistas

Recebi de uma prima dele:”Procurando o significado de muita coisa, queria saber o do seu nome.Incrível, mas Bernardo já nasceu para as montanhas. Tem tudo a ver com o que ele mais amava. Veja o significado do seu nome: bravo como um urso (os ursos vivem nas montanhas), soldado valente. O nome tornou-se popular devido a São Bernardo que fundou um asilo na “região dos Alpes”, no Sec. XII, o que inspirou o nome da raça dos cachorros que auxilia pessoas perdidas “nas montanhas!”

A morte do meu filho não pode ter sido em vão. Ele não merece isso!!!

Que sua morte sirva para que mudem ,melhorem a estrutura de resgate em Chaltén, evitando que outros corajosos montanhistas faleçam por omissão de socorro. Procurando um sentido para sua morte, vislumbro essa bandeira.

Ela foi desfraldada por ele!!!

Então aqui CONCLAMO a voces montanhistas, órfãos ( os que se consideram seus filhos da montanha), admiradores, seguidores, parceiros de cordada que ,realmente,são amigos do meu filho, que o amam e dele sentem tanta falta. Conclamo a fazerem valer esse novo legado que Bernardo deixou,além da continuação do legado que ele fez em vida, colocando o montanhismo brasileiro no TOPO, local onde pretendeu ,e conseguiu iça-lo!

Respeito ao ecossistema, preocupação com a segurança, acesso irrestrito às montanhas, respeito autorais e mto mais.Voces sabem…

Exijam respeito do governo argentino,pois ,além das divisas que levam àquele país, voces divulgam as belezas do local atraindo mais turistas, consequentemente mais divisas.

Exijam respeito do governo brasileiro carreguem a bandeira do Brasil, como o Bernardo, no capacete, ou nos ombros.

Exijam respeito que o governo deve a cidadãos que pagam seus impostos e difundem nosso país a cada conquista que fazem

Por isso, repito:

“Considero que Bernardo, até na sua morte, trabalhou para o montanhismo”

“Sua morte não pode ter sido em vão. Ele não merece isso ”

Honrem, homenageiem ,dignifiquem esse ser iluminado ,que se transformou em uma estrela no céu!

A estrela guia dos montanhistas brasileiros, estrela guia de voces!

O ETERNO PRESIDENTE

7) Após pouco mais de um ano você ainda acredita que Bernardo continua desaparecido, porque?

Não acredito que ele esteja desaparecido. Ele ESTÁ desaparecido!

Ora, voce sabe onde ele está?

8) Você ainda acredita que ele esteja vivo?

Confesso que tenho essa fantasia. Se vc não encontra o corpo do seu filho acidentado, fica sempre esperando que ele apareça ali na esquina.

A mochila dele que Erica e Hugo trouxeram de Chaltén, ficou mto tempo fechada, como chegou, esperando sua volta para lhe devolver. Afinal, ninguém o viu morto!

9) Quando Bernardo estava por aqui e sempre viajava para, qual era a sua principal preocupação?

Havia sempre a preocupação com alguma queda, quebrar um braço, ou machucar o pé como foi no Baú…

Ele me disse que iria escalar o Cristo lado leste. Pra mim tudo bem ,até ver num programa da EXPN, os escaladores dormindo naquelas macas,penduradas na rocha!!! Liguei para ele imediatamente. Queria saber se ele tb teria dormido assim.

Pq qdo disse que dormiria uma noite por lá, imaginei uma gruta, uma caverna, uma reentrância que servisse de abrigo. Mas pendurado? No ar?

Daí para a frente a preocupação aumentou.

Qdo ele tinha lá seus 7 , 8 anos, ele escalava a grade do edificio em Belo Horizonte e me perguntava: Mamãe posso subir?

E eu respondia: Subir pode, não pode é cair.

Palavras proféticas…


10) Os pertences de Bernardo , o que foram feitos com eles após um ano e meio?

Estão aqui comigo. Recebi aqui na minha casa a Adriana Mello e a Rafaela Kamacho , a chamado meu, para entregar documentos da Femerj que estavam com ele e tambem do CEC.

Roupas, etc, doamos, inclusive para os indios Tapajós que moram aqui no Rio.

Basicamente ,o que está aqui se refere a escalada. O que se referia a escalada e estava no computador dele ,fizemos o que ele nos pediu em vida. Leandro meu filho, entregou tudo para o Marcelo Roberto.

Assim como nos pediu para que suas cinzas fossem lançadas do Pico Maior de Salinas e se estivessemos com preguiça, o Pão de Açucar mesmo serviria.

Por isso penso em dividir suas cinzas em tres partes.Pão de Açucar, Salinas e Fitz Roy.

Vamos devolve-lo ao Fitz de uma forma ecologicamente correta, sem poluir com um cadaver um lugar que, para ele ,era uma santuário. Um lugar sagrado.

Tenho certeza que ele ficará mto satisfeito, pois sempre teve uma gde preocupação com a ecologia, com a poluição dos seus locais sagrados. Vamos colaborar e ele assim continuará a dar o bom exemplo de comportamento ecológico e ético.

Penso que, mesmo na morte ,meu filho trabalha para o montanhismo. Denunciando a precariedade do resgate em Chaltén, da ineficiencia e inoperancia dos governos brasileiro e argentino.

Do governo brasileiro que não cuida do seu cidadão pq não está em missão oficial.

Do governo argentino por não oferecer uma infra estrutura de resgate para os montanhistas que lhe levam tantas divisas.

11) Da mídia em geral, quais foram as que entraram em contato com você para entrevistas e depoimentos?

Fui procurada por praticamente todos.

12) Bernardo foi homenageado das mais diversas maneiras por todo Brasil, em especial no Rio de Janeiro. Há alguma outra homenagem que gostaria que prestassem a seu filho?

Especificamente não.

Mas sei que ao se completar um ano do acidente, foi sugerido à Femerj que colocassem o nome do Bernardo no Costão do Pão de Açucar e foi negado.

Contentaram-se em proclamar seus proprios feitos durante um ano, seguindo o trabalho que ele começou. Começou,organizou e excutou durante 10 anos! Dificil pensar que não seguissem esse caminho que ele desbravou.

E tb que será fetio o Museu do Montanhismo, em Salinas, sua escolha para descansar eternamente, e que teria o nome Bernardo Collares. Só que essa promessa , o Minc já havia feito em janeiro de 2011:

“Lembro que, em setembro de 2008, em Petrópolis, quando levamos o presidente Lula para assinar a ampliação da área do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, o uso público dos Parques e várias RPPNs, o nosso Bernardo estava presente como interlocutor principal. Da mesma forma aqui no Parque Lage, em 2010, no dia da Mata Atlântica, quando o governador Sérgio Cabral assinou medidas semelhantes. Bernardo sempre nos apoiou, sugeriu, cobrou, atuando como um líder verdadeiro, simples, corretíssimo, criativo, corajoso.

Bernardo dignificou o esporte, a escalada, e deu a vida no exercício do seu sonho, nas montanhas geladas do sul da Patagônia.

Sua postura de vida deve ser divulgada como exemplo de integridade, coragem e dedicação, para que todos a conheçam.

Como Secretário Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro decido dar seu nome ao Museu do Montanhismo, que será criado nas futuras e definitivas instalações da subsede Friburgo (Salinas) do Parque Estadual dos Três Picos – um local que sei que é muito caro à comunidade dos montanhistas e escaladores em geral e a ele em particular, e que também foi atingido pelos recentes temporais, que inclusive destruiram a casa de uma dedicada funcionária daquele parque, a Helena.

A área onde será instalada a subsede e o futuro Museu Bernardo Collares já se encontra em processo de desapropriação, e a FEMERJ já poderia se mobilizar desde já para reunir o acervo que o integrará.”

Donde se conclui que homenagem não houve…

Formado em Engenharia Civil e Ciências da Computação, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.