[EXCLUSIVO] Entrevista com Julio Campanella

Julio_campanella_foto_flavio_daflon2

Foto: Flávio Daflon

Espalhados por todos os cantos do mundo da escalada estão escaladores considerados personalidades por suas comunidades.

Julio Campanella é uma destas pessoas.

Campanella é reconhecido como um escalador de vários estilos, e apaixonado pela escalada.

Tem como filosofia de vida ter a escalada na sua vida sempre.

Um sonho de muitos, mas realizado por poucos.

Por tanta dedicação ao esporte, o Blog de Escalada procurou Julio para uma entrevista no que fomos prontamente atendidos.

Leia a entrevista abaixo:

Júlio há pessoas que afirmam que pessoas que escalam no Rio de Janeiro conseguem escalar em qualquer lugar do mundo Você concorda com isso?

Eu acho o Rio um bom campo de treinamento e superações, por possuir diversos estilos de escalada.

Mas acredito que quem verdadeiramente gosta de escalar, respeita as éticas locais e a natureza para aventurar-se e sente a escalada pulsar em suas veias como o sangue vital.

Esse sim vai escalar em qualquer lugar do mundo.

Invariavelmente escaladores praticam mais um estilo do que outro. Qual o estilo de escalada que mais você gosta de praticar?

julio_campanella_acervo_pessoal3

Foto: Acervo Pessoal Julio Campanella

Me sinto vivo ao praticar e até mesmo em me expor em diversas escaladas.

Um estilo complementa o outro em habilidades e decisões diferentes, mostrando como é complexo e prazeroso executar suas próprias decisões, desde um posicionamento de um friend até um explosivo movimento corporal.

Algumas pessoas valorizam em excesso o valor do escalador pelo grau que escala. O que você pensa deste tipo de filosofia?

Cada um tem o direito de dar o valor que queira para um escalador, seja pelo grau ou afinidade e até mesmo ser o famoso”baba ovo”.

Para mim, grau apenas segue a escalada para dar uma referencia de segurança e dificuldade e também para qualificar quem treinou para isso e quem não, existe grau pra tudo, grau de dificuldade, de exposição e etc.

julio_campanella_acervo_pessoal2

Foto: Acervo Pessoal Julio Campanella

Acredito que o mais importante em um escalador, seja o que ele é como pessoa, e se fez um grau alto, parabéns, superou-se!

Os equipamentos utilizados para a escalada são caríssimos. Você acredita que é possível reverter este quadro?

Desde quando comecei escalar os equipamentos sempre foram caros no Brasil.

Antigamente não tínhamos acesso a muita coisa e os valores eram mais assustadores. 

Julio_campanella_foto_flavio_daflon

Foto: Flávio Daflon

Mas já em outros países os valores são mais viáveis e com pouca grana se consegue comprar um kit básico e iniciar na escalada, talvez um dia a nossa situação se iguale à deles.

O ano de 2013 está por acabar, você conseguiu realizar algum projeto pessoal neste ano?

O maior projeto que tenho na escalada e viver escalando e tê-la presente na minha vida, no dia a dia, seja trabalhando como guia ou professor e também superando meus limites, em minhas escaladas.

Na sua opinião quais são os melhores lugares de escalada no Brasil e porque?

Conheço pouco deste imenso Brasil e não acho um lugar melhor que o outro, porque na realidade cada um tem seu estilo e é distinto do outro.

Basta você eleger o que busca na escalada e o que é melhor para aquele momento, mas sou vidrado nas escaladas do Estado do Rio de Janeiro, que são uma mistura de diversão, aventura e comprometimento.

No passado as escaladas foram criadas com mais ousadia e naturalidade e isso busquei como base para ser o escalador que sou, escalei em diversos lugares do mundo e percebi que a escalada brasileira é única.

Recentemente foi divulgado que as federações do Brasil não se interessam por promover um campeonato de escalada. Qual a sua opinião a respeito disso?

Não sou ligado a federações e competições, mas acho uma vergonha quando uma instituição se compromete em fazer e não faz nada pelo esporte, diferente dos atletas que visam as competições e treinam para isso.

Eles sim desenvolvem a escalada, mas quem deveria dar o apoio a eles em desenvolver a parte burocrática, não se interessa, deixando um quadro estagnado de competições, enquanto possuímos diversos atletas de nível e que são esquecidos.

Se valorizados poderiam mudar o quadro atual, mostrando o quanto o Brasil possui diversos escaladores de nivel alto, em competições mundiais.

Você acredita que as federações de montanhismo e escalada estão alinhadas com os interesses dos escaladores?

Na teoria todas visam o fomento, a preservação de nossa historia e da natureza.

Mas na prática algumas vezes deixam a desejar.

Mas existem federações que buscam seus fundamentos e objetivos em interesse comum com o escalador, como na busca de liberação de muitos acessos a montanhas e escaladas esportiva em diversos locais do Brasil.

Os incidentes com escaladores que desrespeitam locais de escalada cresceram muito nos últimos dois anos, a que você deve este fato

Cada vez mais o ser humano não respeita o próximo, e quando o próximo é uma rocha que não tem o poder de reagir naquele momento.

Fica mais fácil de ser agredida.

Não é só o leigo que começou ontem que altera e sim muitas vezes os veteranos que se perdem na vaidade e na falta de base em valores de educação e respeito a éticas locais.

Assim fazem o que querem, sem amor pela historia da nossa escalada e pela natureza.

E no decorrer destes 2 últimos anos, eu vi desde cavarem agarras no campo escola 2000, em pleno 2012, local que escaladores buscaram eliminar e aboliram os pontos de apoio artificial nos anos 90.

Também supostas “conquistas” de variantes, para satisfazerem o próprio ego do escalador vaidoso e até mesmo alteração de vias clássicas, sem autorização dos conquistadores desde grampos em locais errados e colagem de agarras sem necessidade, e agora ainda vem estrangeiro querer arrancar grampo aqui!

Pelo jeito muitos valorizam o erro de outros e se baseiam no que viram em outros países achando que o mesmo que aplicaram lá é o certo para nós.

Mas nossa escalada é única e fundamentada em princípios éticos de preservação da natureza e história e se cada um ajudar a manter, fica mais difícil de tentarem estragar o que já criamos.

Os incidentes sempre irão ocorrer, mas existem muitos escaladores que estarão de prontidão para defender a nossa escalada brasileira, mostrando o caminho para os que estão por vir a ingressar na escalada.

Engenheiro e Analista de Sistemas, começou a escalar em 2001 e escalou no Brasil, Áustria, EUA, Espanha, Argentina e Chile. Foi jurado do Rio Mountain Festival e já viajou de mochilão pelo Brasil, EUA, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Eslovênia, Itália, Argentina, Chile, Espanha, Uruguai, Paraguai, Holanda, Alemanha e Canadá. Realizou o Caminho de Santiago, percorrendo seus 777 km em 28 dias.

Comente agora direto conosco

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.